Aracaju, 2 de agosto de 2021

Com apoio do governo, Cerâmica vai garantir 340 empregos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Belivaldo Chagas visitou fábrica que já emprega diretamente 240 funcionários e deverá gerar mais 100 empregos, totalizando 340

Nesta sexta-feira (02), o governador Belivaldo Chagas visitou a Cerâmica Serra Azul, empresa pertencente ao Grupo Carmelo Fior e instalada no Distrito Industrial de Nossa Senhora do Socorro. O grupo anunciou, em abril de 2021, a implantação de sua terceira linha de produção no estado. A expectativa é de que a nova linha entre em operação até o quarto trimestre deste ano. A ampliação representa um investimento estimado em R$ 60 milhões.

“Esta ampliação deve elevar a atual produção da fábrica de 2 para 3 milhões de metros quadrados de revestimento cerâmico por mês, transformando, a unidade sergipana na maior fábrica da empresa. Já são 240 funcionários trabalhando, com a expectativa de geração de outros 100 empregos diretos e indiretos, aproximadamente. Fico muito orgulhoso da expansão deste empreendimento, que praticamente nasceu no nosso governo, e hoje já produz o equivalente a 80 caminhões de mercadoria por dia. Tudo isso é fruto do empenho do Estado, tanto através do Plano Sergipano de Desenvolvimento Industrial (PSDI), mas também de ações como a modernização regulatória no ramo do gás natural – que alimenta a fábrica, que é a principal cliente da Sergas no estado – e a redução do ICMS deste insumo para uso industrial”, pontuou o governador Belivaldo Chagas.

Com a expansão, a empresa prevê um aumento de 50% em relação à geração de impostos estaduais, a exemplo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e do Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal (FEEF). A unidade também prevê aumento de 50% no consumo de energia elétrica e gás natural. Hoje, este consumo é da ordem de 2,50 MW por mês em energia e 1,78 milhões de metros cúbicos de gás mensais.

O gerente-geral da Cerâmica Carmelo Fior, Eduardo Roncoroni Fior, ressaltou o apoio do governo do Estado para a expansão da indústria. “É um investimento que nós estávamos aguardando para fazer há mais ou menos 4 ou 5 anos, mas devido à recessão que o país teve, a empresa segurou o investimento para o momento adequado. O nosso principal foco é atender aos nossos clientes com a melhor qualidade e com a maior agilidade no menor prazo possível e graça ao apoio que todo o governo nos concedeu desde quando chegamos aqui e agora no presente momento, as conversas que tivemos com Belivaldo e toda a sua equipe também fortaleceu a nossa visão e a determinação de que fizéssemos o investimento aqui. Nosso objetivo é que essa linha esteja em produção no quarto trimestre deste ano. O investimento aqui, hoje, é na ordem de R$ 60 milhões”, explicou.

Empregos

Atualmente, a unidade está empregando diretamente 240 funcionários. Com a expectativa de gerar outros 100 empregos aproximadamente, serão cerca 340 gerados ao todo. Para Marcelo, 38 anos, técnico em segurança do trabalho, que trabalha na Cerâmica há dez anos, a expansão significa mais empregos e desenvolvimento para região. “Nós temos a intenção de alavancar a produção mensal. Isso é muito importante para a geração de emprego aqui, na região, a gente tem a intenção de criar 100 empregos diretos e mais ou menos uns 40 indiretos com essa terceira linha, que a gente tem uns terceirizados que trabalham para a gente a aração da argila. Moro aqui em Socorro, a fábrica foi muito importante para a minha vida, para o desenvolvimento profissional, crescimento pessoal e aprendizado”, frisou.

De acordo o secretário de Estado da Fazenda, Marco Antônio Queiroz, a ação é fruto do compromisso do governador e sua política econômica de incentivar a geração de empregos e renda para os sergipanos.  “A empresa faz parte do PSDI que é um Programa de Subsidio de Desenvolvimento da Indústria em Sergipe. É claro que quando você aumenta a produção também gera imposto, mas esse programa decididamente é o melhor do Brasil porque o governo estimula a contratação de empregados, estimula o aumento da produção sem olhar tanto a arrecadação. Nós temos essa compreensão de que a indústria ela tem um uso intensivo de mão de obra e, num momento em que o desemprego é uma realidade no Brasil, o governo tem esse olhar. Então nós temos a satisfação de ver quando uma indústria pega aquele componente da renúncia fiscal responsável, ela utiliza para investir, para gerar novos empregos”.

Governo

A assinatura do protocolo de intenções entre a empresa e o Governo de Sergipe para o projeto de expansão ocorreu em dezembro de 2019. Desde então, a gestão estadual vem avançando no fortalecimento do setor, com ações como a modernização regulatória no ramo do gás natural e a redução do ICMS deste insumo para uso industrial. O anúncio também se relaciona diretamente com a recente aprovação da nova Lei do Gás (Lei 14.134), ocorrida em abril, que vem gerando boas perspectivas ao segmento.

“Para o estado é uma coisa muito animadora por conta dos empregos, pois praticamente dobra a produção. A legislação, assinada pelo governador Belivaldo, foi uma antecipação para a chegada do gás. O gás é o insumo mais caro para a produção da cerâmica. Ele representa 30% do custo. Quando o governo do Estado reduziu o ICMS do gás, foi significativo, decisivo pra a expansão da empresa”, disse o secretário de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia, José Augusto Pereira.

Junto com a Indústria Vidreira do Nordeste (IVN), localizada em Estância, a Cerâmica Serra Azul é a maior consumidora de gás natural de Sergipe, mesmo antes da ampliação. Segundo o diretor-presidente da Sergas, Valmor Barbosa, a distribuidora de gás canalizado, a Sergas, vem sempre dialogando com a Serra Azul e com as outras empresas consumidoras de gás no intuito de oferecer melhores condições e estimular o mercado. “Hoje, aqui, nós visitamos a expansão dessa ampliação e a importância dessa nova lei do gás é justamente isso, porque vai criar um mercado mais competitivo, de mais oportunidade, de mais supridores do gás, e isso para competitividade, para o comércio e para indústria é muito importante porque o gás é um energético de transição, o gás é importantíssimo, essas grandes indústrias, principalmente a siderúrgica, a cerâmica e a vidreira necessitam dessa matéria-prima”, destacou.

A Serra Azul é a segunda indústria que anuncia expansão dos negócios em Sergipe, graças à política fiscal que tem sido adotada pelo Estado. Em outubro de 2020, a IVN iniciou suas operações de expansão com aumento de 70% da capacidade produtiva, investindo R$ 100 milhões e aumentando o quadro de trabalhadores de 140 para 300.

As ações de apoio ao setor industrial adotadas pelo Governo de Sergipe incluem ainda o Programa Sergipano de Desenvolvimento Industrial (PSDI), que oferece incentivos fiscais e locacionais, como suporte a empresas novas e já instaladas no estado.

Também estiveram presente na visita, o prefeito Padre Inaldo (Nossa Senhora do Socorro), o deputado federal Laércio Oliveira, que foi relator da Lei do Gás no Congresso Nacional; o superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes; os ex-prefeitos Zé Franco e Tonho da Caixa (Socorro); além de outras lideranças da região.

Carmelo Fior e Serra Azul

A Cerâmica Serra Azul integra o portfólio do Grupo Carmelo Fior, empresa do setor cerâmico fundada em 1989.  Com matriz localizada no município de Cordeirópolis, região central de São Paulo, a Carmelo Fior conta com cinco marcas e possui quatro unidades fabris nos estados de São Paulo, Sergipe e Santa Catarina. O grupo está entre os seis maiores produtores de cerâmica do mundo.

A fábrica Serra Azul é a terceira unidade da empresa e atende às regiões Norte e Nordeste. Instalada em Sergipe desde 2010, a indústria conta com jazidas próprias e maquinários de alta tecnologia e precisão, produzindo a cartela de revestimentos da marca Arielle.

Foto Mário Sousa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Impostômetro atinge a marca de R$ 1,5 trilhão em tributos federais, estaduais e municipais
Prefeitura de Laranjeiras e UNIGEL assinam Protocolo de intenções
Manifestações pelo voto auditável reúnem pessoas em várias capitais
Brasil tem 20.503 casos e 464 mortes por covid-19 em 24 horas