Aracaju, 3 de agosto de 2021

ARACAJU ENCERRA LEITOS DE RETAGUARDA NO HUSE COM TAXA DE RECUPERAÇÃO DE 70%

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A Secretaria Municipal da Saúde encerrou neste sábado (03) as atividades nos 30 leitos de retaguarda mantidos pela Prefeitura de Aracaju no Hospital de Urgência de Sergipe João Alves Filho (Huse) para tratamento de paciente com covid-19. Com isso, o espaço voltou a ser gerenciado pela rede estadual, por solicitação oficial da Secretaria de Estado da Saúde de Sergipe.

Dos 347 pacientes, 237 tiveram alta e 80 precisaram ser transferidos para leitos de maior complexidade. A responsável técnica pelos leitos de retaguarda no município de Aracaju, a médica Ana Carolina Moura, afirma que, apesar de todas os desafios, o trabalho desenvolvido pelo Município foi de excelência.

“Foram quase três meses e meio de muito trabalho nessa unidade, onde atendemos 347 pacientes covid transferidos, principalmente, das portas de entrada da rede de urgência da capital [Fernando Franco e Nestor Piva], com taxa de alta para casa de, aproximadamente, 70%. E esse trabalho só foi possível, graças à parceria do Município com o Estado, onde conseguimos desenvolver um atendimento multidisciplinar de excelência, com profissionais da fisioterapia, medicina, enfermagem e serviço social”, pontua.

Uma dessas ações que diferenciaram os leitos de retaguarda do Município no Huse foram as sessões de fisioterapia e visitas na área externa da unidade. A experiência permitiu que os pacientes em condições de locomoção, após avaliação do quadro clínico, fossem acompanhados pela equipe até a área externa do prédio, para o banho de sol, bem como para a realização de testes de esforço, considerando a capacidade de respiração e frequência cardíaca de cada um.

“Aproveitamos o grande espaço aberto em frente ao anexo onde estavam instalados os leitos e implementamos, para aqueles pacientes que tinham condições clínicas, alguns minutos diários de banho de sol e/ou sessões de fisioterapia. Em algumas ocasiões, os familiares também puderam acompanhar e conversar com os internados, sempre a distâncias seguras, obedecendo todas as normas sanitárias para evitar contaminações, o que ajudou bastante no lado psicológico deles”, complementa Ana Carolina.

Importância

Montados em 14 de março deste ano, os leitos municipais no Huse foram decisivos para dar suporte à Rede de Urgência e Emergência no início da segunda onda da pandemia em Aracaju. O objetivo deles foi a priorização dos casos mais críticos, contando com a estrutura que o hospital estadual disponibiliza.

“Para dar uma assistência mais ampla aos nossos pacientes mais graves, firmamos essa parceria com o Estado. Assim, passamos a contar com a estrutura do maior hospital público de Sergipe e, consequentemente, a dar melhores condições de assistência aos pacientes de Aracaju. Estamos buscando um novo espaço para que esse trabalho seja continuado, mas, por enquanto, estamos contando com outros leitos mantidos pelo Município, como os 56 nos dois hospitais municipais, os 19 contratados no São José, os 20 no Caps Jael Patrício, os 30 de retaguarda no Santa Isabel e os quatro no Hospital Universitário”, reforça a secretária da SMS, Waneska Barboza.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

UFS registra média anual de quase 19 pedidos de patentes desde 2011
PL inclui surdo unilateral nas cotas para deficientes em concursos públicos
Eduardo participa de solenidade para cidade mais sustentável
“O PSB se organiza para ser mais uma vez protagonista”, afirma Valadares Filho