Aracaju, 28 de julho de 2021

PL DE MARIA PRIORIZA FINANCIAMENTO DE PESQUISAS VOLTADAS AO COMBATE À COVID

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A senadora Maria do Carmo (DEM/SE) protocolou Projeto de Lei (PL 2.396/2021) que prioriza a destinação de recursos mobilizados por meio de incentivos fiscais para pesquisas direcionadas ao enfrentamento da pandemia de Covid-19 e à prevenção de epidemias, até dezembro de 2026.  O PL da democrata sergipana altera a Lei 11.196/2005, a chamada Lei do Bem que, no seu entender, “é um grande contributo para a ciência e a inovação no Brasil”.

Maria explicou que a Lei do Bem garante incentivos fiscais para pessoas jurídicas que investirem em pesquisas e desenvolvimento de inovações tecnológicas. “A gravidade da pandemia no mundo e, particularmente, no Brasil, escancara o quanto é necessário se preocupar com seus desdobramentos e efeitos negativos que, ainda, perdurarão pelos próximos anos. É de vital importância agilizar a utilização de recursos da iniciativa privada que podem ser viabilizados por essa Lei que é importante e só precisa ser adequada à nova realidade social”, afirmou.

Segundo a última Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica (Pintec) de 2017, organizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o total de empresas beneficiadas pela Lei do Bem, no Brasil, passou de 3,5%, em 2014, para 4,7%, no ano da pesquisa. “São dados que mostram que o financiamento é cada vez mais importante para empresas do setor produtivo. E considerando que é uma norma de incentivo à inovação, entendemos ser uma ferramenta fundamental para o desenvolvimento científico e tecnológico no país”, declarou.

Maria destacou, também, outra pesquisa realizada pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) que evidenciou dados relacionados à divisão setorial de cada uma das empresas contempladas com esse benefício. “Em 2017, 2,37% delas pertenciam ao setor de atividades profissionais, científicas e técnicas, 1,22% ao segmento de água, esgoto e gestão de resíduos e descontaminação e 0,41% ao de saúde humana e serviços sociais”, disse.

Para Maria do Carmo Alves, são percentuais relativamente baixos, mas que poderiam aumentar, equilibrando a proporção desses setores em relação a outros, considerando essa possível prioridade que se daria a Projetos de Pesquisa que tenham a ver com a Covid-19 ou com a prevenção de epidemias.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sergipe importa políticos
Pessoas de 29 anos podem se vacinar partir desta quarta-feira contra a Covid
Concurso da PC: Prazo é ampliado e inscrições seguem até o dia 3
Covid-19: Adolescentes entre 12 a 17 anos serão incluídos na vacinação