Aracaju, 3 de agosto de 2021

FALSO ADVOGADO É PRESO EM FLAGRANTE POR CÁRCERE PRIVADO E INJÚRIA EM ARACAJU

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A Polícia Militar prendeu em flagrante Eduardo Ferreira da Silva – que se passava por advogado – por agressão contra a companheira. O auto de prisão em flagrante, por cárcere privado e injúria, foi feito no Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV). Na unidade policial, também foi pedida, junto ao Poder Judiciário, a prisão preventiva por estelionato. A detenção ocorreu nesta quarta-feira (7).

De acordo com a delegada Renata Aboim, a vítima conheceu o suspeito há cerca de 15 dias pelo Facebook. Eles começaram a morar juntos no dia 28 de junho. No dia 3 de julho, ele a agrediu fisicamente.

“Ela relatou que ele não a deixava sozinha, estava sempre no encalço dela, mesmo dentro de casa e que não permitia que ela fosse ao banheiro ou na cozinha para lavar pratos. Ficava com o celular dela. A vítima disse ainda que ele ficava olhando as mensagens que ela trocava no WhatsApp e ficava perto dela para ouvir as ligações telefônicas”, detalhou.

Ainda de acordo com a delegada, a vítima pediu para que ele a levasse para uma unidade de saúde, pois estaria passando mal. Lá, ela conseguiu pedir ajuda. “Na tarde de ontem, ela inventou que estava passando mal e ele a levou para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Augusto Franco. Lá, ela conseguiu pedir ajuda aos funcionários, que acionaram a Polícia Militar, e ela também conseguiu ligar para uma amiga dela”, complementou.

Segundo Renata Aboim, no DAGV foi identificado a documentação falsa que o suspeito portava. “Aqui na Delegacia, eu vi um carimbo dele, no qual tem a identificação dele como advogado e um número da OAB de Alagoas. Eu consultei esse número e deu inexistente. A vítima e a testemunha informaram que ele se identifica como advogado e como representante do Ministério Público e que trabalha no Fórum Gumersindo Bessa.  No celular da vítima, da testemunha e dele tem conversas que comprovam essa prática do Investigado”, especificou.

Na unidade policial, o suspeito negou que se identificasse como advogado. “Mas também não deu nenhuma explicação plausível e convincente para o fato de portar o carimbo e ter no perfil dele que é ‘advogado por amor e jornalista por paixão’, bem como um card com o nome dele e identificação como advogado na foto de perfil do WhatsApp. Há uma amiga da vítima que chegou a pagar R$ 500 por serviços advocatícios dele”, revelou a delegada.

Fonte e foto SSP

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sindcom e Fecomércio debatem sobre prodeter em Tobias Barreto
UFS registra média anual de quase 19 pedidos de patentes desde 2011
PL inclui surdo unilateral nas cotas para deficientes em concursos públicos
Eduardo participa de solenidade para cidade mais sustentável