Aracaju, 31 de julho de 2021

OUVIDORIA DO CONGRESSO NACIONAL APONTA BAIXA PARTICIPAÇÃO DE SERGIPANOS

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Para senadora Maria do Carmo, população deve ser estimulada a usar os canais disponíveis

Autora do Projeto de Resolução 35/2020 que cria as consultas públicas sobre temas de interesse do Senado Federal, estimulando a presença da sociedade na elaboração de políticas públicas, a senadora Maria do Carmo Alves (DEM) revelou, nesta sexta-feira (9), preocupação com a baixo engajamento dos sergipanos, através do canal da Ouvidoria do Congresso Nacional. “Recebi um relatório com dados por região, e confesso, fiquei muito surpresa com a baixa manifestação da nossa gente. Penso ser necessário incentivar o nosso povo a interagir com as Casas Legislativas, propondo, criticando, solicitando informações, etc”, afirmou a democrata sergipana.

O mesmo levantamento mostra, também, que a interação das mulheres sergipanas é bem menor que a dos homens e que, nas participações registradas, não houve ideias inovadoras visando, por exemplo, a elaboração de proposituras. “Temos uma democracia representativa e por meio dela, periodicamente, elegemos representantes para o Executivos e Legislativos que assumem a responsabilidade de propor e tomar decisões que impactam de forma direta, positivamente ou negativamente, na vida da população”, lembrou Maria do Carmo. Para ela, a iniciativa popular ajuda muito na construção de um Parlamento mais democrático.

Ranking – De acordo com o levantamento geral, entregue à senadora, Sergipe ocupa o 22º lugar, com 179 registros feitos durante todo o ano passado. O Estado fica à frente do Tocantins, Rondônia, Acre, Amapá e Roraima. Da região Nordeste, Pernambuco foi o único que teve a maior participação, com 2.215 amostras de populares.  “Os canais de comunicação disponibilizados pelos Poderes são importantes ferramentas que contribuem para a construção e fortalecimento da democracia”, disse, ao propor maior divulgação desses meios por parte do Senado, da Câmara Federal, bem como dos demais órgãos e Casas Legislativas.

“Isso pode servir não só para Sergipe, mas para o Brasil como um todo. Não acho que seja uma coincidência que dos cinco Estados que mais registraram participação, somente um deles seja do Nordeste. O cidadão tem em mãos um poderoso artifício de participação, mas, muitas vezes, ou desconhece sua existência ou não sabe como utilizá-la”, disse.

Participação Popular Efetiva

Reportando-se ao seu Projeto de Resolução, impetrado no ano passado, e que aguarda designação de relator na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), a senadora sergipana destacou que fazer consultas públicas é implementar a legislação colaborativa, um instrumento emergente que engaja o cidadão comum na produção legislativa. “É simples! Basta fazer uso da liberação dos pólos, da inteligência coletiva e da cultura participativa pela (e para) a cidadania”, falou Maria do Carmo. Ela ressaltou que, antes “tínhamos a desculpa de que nem todos tinham acesso, hoje, podemos dizer que este é um cenário em completa mudança”.

O argumento da parlamentar foi baseado em Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2019, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), segundo a qual 82,7% dos domicílios brasileiros possuem acesso à internet. “Neste período, no qual regras de distanciamento social foram estabelecidas, evidenciou-se ainda mais a necessidade de consultas públicas por meio eletrônico. A modalidade online permite que cidadãos e especialistas apresentem perspectivas, dados e estudos que auxiliem a tomada de decisão dos senadores ao longo de todo o processo legislativo, tal como se era feito na modalidade presencial”, explicou Maria do Carmo.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Quinto dia de greve conta com caminhada e apitaço em Maruim
Belivaldo elogia trabalho de André e diz que Edvaldo foi feliz na parceria 
Motoristas de carro fumacê são capacitados pela Funesa
Desembargadores do TJSE confirmam que revisão salarial dos servidores é obrigatória