Aracaju, 30 de julho de 2021

FAMES promove bate-papo sobre o Programa Nacional de Prevenção à Corrupção

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A Federação dos Municípios do Estado de Sergipe (FAMES), por meio da Escola de Gestão Governador João Alves Filho, realizou na manhã desta segunda-feira, 12, um bate-papo virtual com o Tribunal de Contas da União (TCU), sobre o Programa Nacional de Prevenção à Corrupção (PNPC), em parceria com a Secretaria do TCU em Sergipe. O evento estabeleceu um diálogo com os gestores e equipes municipais sobre a adesão ao Programa e esclareceu dúvidas referentes às diretrizes e os procedimentos no sistema de adesão.

O PNPC é oriundo de um projeto piloto do TCU, no Mato Grosso do Sul, e adotado pela Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla), executado pelas Redes de Controle da Gestão Pública dos 26 estados e do Distrito Federal, e atrelado a vários órgãos. O Programa tem o objetivo de oferecer aos gestores públicos dos três poderes e nas três esferas de governo, ferramentas e orientações voltadas para o aperfeiçoamento contínuo das estruturas de prevenção à corrupção nas organizações.

O bate-papo foi mediado pela advogada e mestre em Administração Pública, Tiana Figueiredo, e ministrado pelo secretário do TCU em Sergipe e coordenador do Fórum de Combate à Corrupção de Sergipe (FOCCO), Jackson Souza. De acordo com o secretário, o propósito do programa não é fiscalizar as organizações, tampouco, trata-se de auditoria do TCU e do Tribunal de Contas do Estado (TCE), mas sim, servir de subsídio para avaliar e descobrir previamente os pontos vulneráveis e suscetíveis a fraudes e corrupção, além de oferecer orientações, treinamentos para implantação dos mecanismos de controle à corrupção.

Para aderir ao Programa não há custo de adesão. O gestor deve acessar o e-mail com uma senha de acesso ao sistema para o preenchimento de questionário enviado pela Rede de Controle. O gestor tem a opção de responder à avaliação ou delegar a tarefa a outro usuário. Durante o evento, o secretário explicou em tempo real sobre a funcionalidade do sistema e-Prevenção e sobre a aplicação do questionário.

“A adesão ao programa não traz implicação alguma para o município. Só traz benefícios, que vai depender da vontade, capacidade e limitações estruturais das organizações. A capacidade de melhorar, de sair do marco zero, para a próxima avaliação daqui a dois anos, apresentar um melhor resultado. Para isso, os órgãos de controle têm o compromisso de não utilizar essas informações para fins de controle. É importante sempre ressaltar que não se trata de auditoria, apesar de os órgãos que compõem o FOCCO são órgãos de controle, alguns até de persecução penal, como no caso de Ministérios Públicos, contudo, o objetivo e a finalidade das informações não são utilizadas para este fim”, pontuou Jackson Souza.

Por Innuve Comunicação

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Estudantes de Arquitetura desenvolvem manual com base na NBR 15575 para habitações em Sergipe
Polícia Civil divulga imagens de furto em uma loja de roupas na cidade de Itabaiana. Veja o vídeo
Nova Lei contra violência auxiliará a Procuradoria da Mulher na Câmara de Pacatuba
Políticos de volta ao batente