Aracaju, 28 de julho de 2021

Reforma: por que contratar um profissional da área?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O setor da construção civil cresce, mesmo em período de pandemia da Covid-19. Com crescimento de 10,7% em 2020, segundo Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o ramo atrai profissionais de Engenharia, Arquitetura e Urbanismo.

Com esse crescimento, você sabe por que é importante contratar um profissional quando decide fazer uma reforma? De acordo com Rooseman de Oliveira Silva, Arquiteto e professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Tiradentes, foi após a Revolução Industrial que os ofícios de arquiteto e de engenheiro se diferenciam, no entanto, as duas profissões caminham lado a lado.

“O tempo passou e ambas as profissões foram consolidadas socialmente, sobretudo no que diz respeito a obras de grande porte. Brasília foi pensada por arquitetos e engenheiros ainda na década de 1950, demonstrando a importância de sintonia entre ambos os profissionais e a real necessidade de contratação diversificada a fim de atender as inúmeras facetas provenientes da complexidade de uma obra”, explica.

Rooseman destaca a importância do olhar profissional durante o processo de reforma, porque o Arquiteto e Urbanista analisa a concepção do espaço. Já o engenheiro trabalha a parte estrutural.

“Trabalhando em conjunto, todos ganham, inclusive o proprietário, porque ele terá à sua disposição, profissionais técnicos habilitados para acompanhar os serviços e para orientar a equipe de pedreiros e demais profissionais adequadamente, visando a qualidade da execução de todas as etapas de uma obra”.

“Cada vez mais as pessoas estão contratando arquiteto e engenheiro, independente do porte da obra e da intervenção espacial, para que estes profissionais apresentem as melhores soluções técnicas e que estejam financeiramente compatíveis com as necessidades e as limitações dos seus respectivos proprietários. Atualmente, percebe-se também uma atuação maior desses profissionais em classes de renda menor através de programas de arquitetura e de engenharia social, o que contribui sensivelmente para divulgar a importância da profissão”, ensina Rooseman.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Prefeitura de Barra dos Coqueiros realiza posse de 10 concursados da área de saúde  
Juíza Maria Angélica França e Souza é nova Desembargadora do TJSE
SSP abre seleção para estagiários de Publicidade e Propaganda e Jornalismo
Seduc convoca professores substitutos para atuarem no retorno presencial