Aracaju, 3 de agosto de 2021

Banese oferece linhas de crédito especial para quem vende com Banese Card

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Ao oferecer capital de giro para autônomos, empresas e comerciantes informais, banco ajuda a manter a economia do Estado aquecida

Para apoiar a recuperação e a ampliação do comércio em Sergipe, o Banese disponibiliza duas linhas de crédito especiais para capital de giro, direcionadas a comerciantes autônomos e empresas que vendem pelo Banese Card ou usam as soluções de pagamento TKS: o Credi Pessoal e o Progiro Banese Card.

O banco criou equipes dedicadas ao atendimento desses públicos, com o intuito de atendê-los nos locais de trabalho ou em casa, bem como agilizar a análise e liberação do crédito. Os interessados podem entrar em contato com essas equipes através do e-mail varejo.pj@banese.com.br/ ou buscar atendimento em uma das agências do banco.

O Credi Pessoal Banese Card é voltado para o comerciante autônomo, formal ou informal, que venda por meio do Banese Card ou use a TKS Soluções de Pagamento para vendas em qualquer bandeira. Esse público muitas vezes tem dificuldade de acesso a uma linha de crédito para impulsionar o negócio ou mesmo garantir que ele permaneça ativo. O empreendedor poderá contratar até R$ 200 mil em crédito, por operação, e o valor liberado dependerá, dentre outros fatores, do volume de vendas por ele apresentado.

Já o Progiro Banese Card é destinado aos comerciantes formalizados, sejam ou não microempreendedores individuais, que vendem por meio do Banese Card ou usam a TKS Soluções de Pagamento para vendas em qualquer bandeira. Nesta modalidade, o valor liberado por operação de crédito pode chegar a até R$ 400 mil, e entre as vantagens oferecidas aos clientes estão o pagamento em até 48 vezes, taxa de juros diferenciada da praticada no mercado, e agilidade na liberação do crédito após análise.

De acordo com a Superintendente de Varejo do Banese, Maraiza Sá, a pandemia de Covid-19 provocou uma migração nos setores da economia, com empresas fechando por não terem acesso a capital de giro para manter as atividades, bem como com pequenas empresas sendo abertas por pessoas que perderam o emprego de carteira assinada. Há, ainda, quem tenha ido para a informalidade.

“Em todos esses casos é necessário ter acesso a capital de giro para estimular o negócio. Para auxiliar em qualquer uma dessas situações, foi que o Banese disponibilizou essas duas linhas de crédito, que são mais acessíveis, possuem menos burocracia e ajudarão, com certeza, a aquecer nossa economia”, destacou a superintendente.

O MERCADO SERGIPANO

Informações da Junta Comercial de Sergipe (JUCESE) sobre a abertura de empresas durante os cinco primeiros meses de 2021 corroboram com o cenário apresentado pela Superintendente do Banese. Os dados apontam um crescimento de 58% no número de empresas abertas de janeiro a maio deste ano, com o início de 2.270 novos negócios. Outras 1.300 empresas encerraram as atividades no período.

Somente no mês de maio “nasceram” 435 empreendimentos, 202 empresas a mais que no mesmo período do ano passado. Neste mesmo mês houve, também, aumento de 60% nas alterações realizadas, o que mostra, de acordo com a JUCESE, uma adaptação das empresas ao momento atual.

Já o SEBRAE em Sergipe, segundo informações da Assessoria de Comunicação do órgão, registrou 8.132 novos Microempreendedores Individuais (MEI) de janeiro a maio deste ano, contra os 5.397 registrados nos mesmos meses de 2020, o que representa um crescimento de 50,6% na quantidade de formalizações para o período.

Ascom / Grupo Banese

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Bolsonaro lança programa que levará água potável a escolas do Nordeste
Zezinho: “Inauguração Unigel é consagração de um trabalho”
Denarc apreende 20kg de maconha escondida na casa de uma mulher na Grande Aracaju
Pequenos negócios respondem por 72% dos empregos gerados no país