Aracaju, 3 de agosto de 2021

Na Semfaz, vice-prefeita Katarina Feitoza, discute equilíbrio fiscal

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Arrecadação, controle, transparência e ajuste fiscal. Esses são os quatro eixos que norteiam as ações da Secretaria Municipal da Fazenda (Semfaz), onde a vice-prefeita Katarina Feitoza esteve nesta terça-feira, dia 13, para discutir projetos da pasta.

Segundo Katarina, a captação de recursos sempre foi um dos grandes desafios dos municípios, cenário que só se intensificou com a pandemia. “A Semfaz é o coração de uma gestão, a saúde da administração passa pela saúde da Secretaria”, diz a vice-prefeita.

Por isso, para Katarina, é fundamental estreitar cada vez mais a interação com o órgão. Isso porque, de acordo com ela, não foi à toa que o município conseguiu melhorar seus índices perante o Tesouro Nacional e outras instituições, conseguindo captar recursos para diversas áreas.

“Tudo isso é reflexo do excelente trabalho da Secretaria, que conseguiu agregar inovação tecnológica e expertise à pasta, promovendo o ajuste fiscal e equilibrando as contas públicas mesmo em meio às dificuldades”, avalia a vice-prefeita.

Secretário municipal da Fazenda, Jeferson Passos ressalta que é bastante importante que a administração tenha essa troca de experiências e interação entre as diversas áreas. “A vinda da vice-prefeita é importante exatamente para perceber que a integração entre as secretarias é fundamental na execução das políticas públicas, porque a administração passa de forma centralizada pela Secretaria da Fazenda”, destaca.

Jeferson explica que a Fazenda é o órgão que arrecada e que, portanto, provê a maior parte dos recursos para todas as secretarias executarem suas funções. “Então, os mecanismos de trabalho, as formas de controle, a forma como a gente arrecada fazem parte do universo da administração em si”, reforça.

Isso porque para se ter equilíbrio fiscal, responsabilidade no gasto público, segundo Jeferson, é preciso ter uma política de arrecadação eficiente. “E desde 2017, o município tem esse trabalho incessante. O município tinha avaliação “C” no Tesouro Nacional, era uma nota ruim que não permitia a gente contrair operações de crédito, que não abria espaços para novos investimentos. E conseguimos recuperar essa nota, primeiro com a nota “B” e agora já somos nota “A” no Tesouro Nacional”, comemora Passos.

Investimentos

Isso permitiu, de acordo com o secretário, que o município conseguisse recursos para fazer investimentos em obras relevantes de infraestrutura, além de poder enfrentar a pandemia. “Os esforços eles não têm sido medidos. E ter uma situação financeira adequada, uma situação de equilíbrio, é essencial para que se possa fazer o combate à pandemia, que é uma ação bastante cara”, reitera.

Jeferson explica que a Secretaria da Fazenda também tem investido em Tecnologia da Informação (TI), o que foi essencial para a evolução do atendimento, especialmente na pandemia. “Os atendimentos virtuais cresceram significativamente, por isso conseguimos manter o atendimento ao público”, ressalta.

Em 2021, já foram 485 mil atendimentos virtuais, contra 623 em todo o ano de 2020. “Já o atendimento presencial caiu de 70 mil, em 2020, para cerca de 30 mil  em 2021. Ou seja, o atendimento migrou para o online”, destaca o secretário.

Fotos: Jamisson Souza

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

UFS registra média anual de quase 19 pedidos de patentes desde 2011
PL inclui surdo unilateral nas cotas para deficientes em concursos públicos
Eduardo participa de solenidade para cidade mais sustentável
“O PSB se organiza para ser mais uma vez protagonista”, afirma Valadares Filho