Aracaju, 3 de agosto de 2021

Perícia atua na busca de vestígios do tráfico de drogas e identificação de substâncias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O enfrentamento às drogas também é parte do trabalho diário da Coordenadoria Geral de Perícias (Corgerp). A Perícia Forense de Sergipe conta com profissionais capacitados e laboratórios equipados com tecnologia avançada para auxiliar o trabalho desempenhado pelas polícias Civil e Militar. Em situações de descoberta de laboratórios clandestinos, por exemplo, é o Instituto de Criminalística (IC), que vai até o local periciar e coletar provas. As drogas encontradas são encaminhadas para o Instituto de Análises e Pesquisas Forenses (IAPF) para análise e emissão de laudo que vai auxiliar no inquérito policial.

Os peritos oficiais possuem a importante e fundamental missão no combate ao tráfico de drogas. Os profissionais da Cogerp atuam no sentido de materializar a prova, além de identificar e qualificar o entorpecente apreendido para que, no processo penal, possa ser indicado à Justiça a ocorrência do crime de tráfico de drogas.

O perito criminal Nailson Correia, do IAPF, destacou que a integração entre o Instituto de Análises e Pesquisas Forenses com o Instituto de Criminalística, assim como com as polícias é fundamental no combate ao tráfico de drogas. “O IAPF, que faz parte da Cogerp, tem como atribuição receber todos os vestígios encontrados em local de crime para que seja feita a análise e identificação dos componentes encontrados e, com isso, ajudar a encontrar a materialidade e a autoria do delito. A parceria, não só com os peritos do IC, mas também com as polícias Civil e Militar é sempre importante, é fundamental, para elucidação dos crimes”, reiterou.

Dentre os entorpecentes recebidos para realização da perícia e emissão dos laudos, estão as drogas sintéticas, conforme evidenciou Nailson Correia. O perito criminal alertou que os criminosos alteram a composição desses entorpecentes, tornando ainda mais fundamental o trabalho pericial na identificação da droga. “Nos últimos anos, temos notado que muitas drogas sintéticas vêm sendo apreendidas em Sergipe. E vemos que o tráfico de drogas vem sempre tentando driblar as autoridades policiais fazendo alterações químicas nas estruturas desses novos componentes. O perito de laboratório tem o conhecimento necessário para conseguir identificar essa nova substância e com isso ajudar a autoridade policial com a emissão do laudo pericial”, enfatizou.

Segundo Nailson Correia, grande parte das solicitações de laudos periciais, que são recebidas pelo IAPF, é referente às drogas que são apreendidas nas ações policiais. “Podemos fazer um comparativo de 2020 até junho de 2021. Em 2020, foram solicitados 3,2 mil laudos para o laboratório de química forense, destes, cerca de 2,7 mil estão relacionados com drogas. Já em 2021, até junho, nós já recebemos mais de 1,6 mil solicitações de laudos de drogas, a maior parte de drogas brutas – como cocaína e maconha – mas notamos e nos preocupamos com o grande número de drogas sintéticas que têm sido encaminhadas ao IAPF nos últimos três anos”, detalhou.

O perito criminal Uilames Reis, do IC, ressaltou a integração entre as instituições e destacou os procedimentos que são adotados no trabalho pericial de identificação de entorpecentes e da autoria dos crimes envolvidos nesse contexto do tráfico de drogas. “A perícia no local onde é encontrado um laboratório de drogas pode ser dividida em três etapas. Primeiramente, realizamos o registro de tudo o que foi encontrado naquela cena, desde máquinas e embalagens, até as próprias substâncias”, salientou.

“Em um segundo momento, realizamos a busca por vestígios que possam identificar possíveis suspeitos. Para tanto, são realizados dois exames principais. Primeiro, o de levantamento de impressões digitais, para isso contamos com o papiloscopista. Além disso, realizamos a busca por material genético que possa ser utilizado no exame de DNA. Posteriormente, encaminhamos essas substâncias ao IAPF para que sejam submetidas a exames complementares”, especificou Uilames Reis.

Tráfico de drogas e prisões

No ranking dos crimes mais comuns entre os detentos do Brasil, o tráfico de drogas lidera a posição em primeiro lugar, considerando as pessoas já condenadas e os presos provisórios. A apuração é do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias de 2019, divulgado em fevereiro de 2020 pelo Governo Federal. Em seguida, aparecem os crimes contra o patrimônio, como o roubo qualificado, com mais de 115 mil citações. O estudo traçou um perfil da população carcerária e constatou um crescimento de quase 4%, chegando a 773 mil pessoas em junho de 2019. Nesse contingente há 163,2 mil incidências de crimes de tráfico de drogas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

UFS registra média anual de quase 19 pedidos de patentes desde 2011
PL inclui surdo unilateral nas cotas para deficientes em concursos públicos
Eduardo participa de solenidade para cidade mais sustentável
“O PSB se organiza para ser mais uma vez protagonista”, afirma Valadares Filho