Aracaju, 28 de julho de 2021

Setor imobiliário está aquecido mesmo com a pandemia, diz economista

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Mesmo com todos os desafios, em termos de estabilidade econômica, ocasionados pela pandemia do novo coronavírus, o setor imobiliário continua aquecido. É o que afirma o economista e professor da Universidade Tiradentes, Josenito Oliveira.

“O setor imobiliário faz parte da cadeia da construção civil que tem um efeito multiplicador muito grande. Logo, se quisermos melhorar ou aumentar o número de empregos, uma das alternativas é investir na construção civil. Isso emprega rapidamente e gera empregos diretos e indiretos”, declara o especialista.

“Então, a construção de imóveis, prédios e casas envolve não apenas os profissionais da área, como também toda a cadeia, de insumos, ou seja, de material de construção, além da parte elétrica, hidráulica, pisos, revestimentos, cerâmica, tubos e conexões. É uma cadeia muito grande”, acrescenta.

O economista enfatiza que o setor imobiliário tem um papel fundamental na geração de riqueza, emprego e renda, impulsionando a economia do país.

“O setor imobiliário está aquecido mesmo na pandemia porque a demanda aumentou e a oferta diminuiu. Então, por conta disso, houve uma valorização dos imóveis e há uma previsão de crescimento para esse setor no Brasil”, destaca.

“De modo particular, aqui em Sergipe, a construção civil é um dos setores que mais empregam e faz parte dos chamados arranjos produtivos locais. Nós temos grandes construtoras que possuem um potencial fantástico”, complementa.

Josenito também chama atenção para outro fator que tenha impulsionado todo o setor.

“Com o isolamento social, as pessoas ficaram mais em casa e acabaram fazendo pequenas reformas ou reparos. Então, as lojas de material de construção acabaram vendendo bastante. Isso foi um setor que ficou bastante aquecido na pandemia”, frisa.

Para o especialista, o setor imobiliário e a tecnologia podem impulsionar ainda mais a recuperação econômica no Brasil.

“Na pandemia, as pessoas fizeram visitas e vendas virtuais, ou seja, o momento vivenciado acelerou o processo de digitalização em todos os serviços. Além disso, surgiram várias startups tecnológicas para facilitar diversos processos”, finaliza.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Pessoas de 29 anos podem se vacinar partir desta quarta-feira contra a Covid
Concurso da PC: Prazo é ampliado e inscrições seguem até o dia 3
Covid-19: Adolescentes entre 12 a 17 anos serão incluídos na vacinação
Vigilância Sanitária interdita drogarias irregulares em Aracaju