Aracaju, 3 de agosto de 2021

Reportagem especial: SUS Sergipe na pandemia da Covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A força operacional e pragmática do Sistema Único de Saúde (SUS) pode ser bem medida durante a pandemia do novo coronavírus. Com o país atingido fortemente por um vírus de letalidade moderada, o SUS precisou se expandir para dar a resposta assistencial que a população necessitava. E isso só foi possível por ter sido constituído e ter sua sustentabilidade em conceitos, princípios, práticas e protocolos consolidados. Para a secretária de Estado da Saúde, Mércia Feitosa, sem o SUS a pandemia teria instalado o caos social e o Estado contabilizaria um enorme prejuízo com muito mais vidas perdidas.

“Fica claro nesta pandemia o quanto o SUS é importante. Não só aqui em Sergipe, mas em todo país é visível o quanto nós crescemos, principalmente na mobilização e construção de leitos de UTI, tornando a oferta maior na rede pública. No Estado, chegamos a registrar um avanço de mais de 700% no número de leitos, considerando os próprios e os contratualizados pelo SUS para garantir a assistência à população”, observou a secretária.

Para Mércia Feitosa, o princípio da universalidade do SUS ficou muito evidenciado na pandemia quando pacientes que se internaram em unidades da rede privada retornaram para o Sistema Único de Saúde. Destaca que o fornecimento de medicamentos, as inovações obtidas em parceria com as universidades públicas, os testes rápidos e a vigilância laboratorial foram fundamentais para lidar com a pandemia e reforçam o papel do SUS na sociedade brasileira e sergipana.

“A rede hospitalar cresceu, a vigilância laboratorial trabalhou com um tempo resposta ágil e eficaz, implementamos ações de monitoramento e avaliação, implantamos centros operacionais e estratégicos, ampliamos o corpo clínico, enfim, mobilizamos a rede SUS e conseguimos dar uma resposta satisfatória à sociedade diante de um cenário de crise”, ponderou a secretária.

A pandemia mostrou o nível de eficácia e sua capacidade de dar respostas quando o SUS completa 33 anos de criação, em 2021. Desde então, os avanços vão acontecendo e tecendo um cenário de atenção ao usuário cada vez mais qualificado e integral. Segundo a secretária, o SUS é o maior e mais complexo sistema de saúde pública do mundo e trouxe no nascedouro o grande desafio da universalidade e equidade. “Ser um sistema universal, que dá direto a todos, é algo grandioso quando se considera que 80% da população é SUS dependente”, enfatizou.

A secretária salientou que o sistema vem sendo construído ao longo dos anos, sempre tentando melhorar a assistência para cumprir a base dos seus princípios e cita, entre tantos avanços, a ampliação do Programa de Imunização, que hoje conta com mais de 20 tipos de vacinas que previnem de doenças como paralisia infantil, Influenza, difteria, tétano, coqueluche, tuberculose, hepatite, HPV e tantas outras. Com as vacinas contra a Covid-19, a rede se fortaleceu para distribuir com agilidade cada lote que chega do Ministério da Saúde para os 75 municípios sergipanos.

A criação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que atua no atendimento pré-hospitalar com um tempo resposta satisfatório; a implementação da telemedicina; o acompanhamento sistemático do paciente; o aumento do leque de medicamentos dispensados pelo Case; os programas Saúde da Família e Melhor em Casa; a qualificação da rede especializada; a implantação do PlanificaSus; a hemovigilância, que é a vigilância do sangue; a oferta de medicamentos para a Aids; os investimentos no tratamento renal e no programa de transplantes são alguns dos avanços empreendidos pelo SUS nos últimos anos.

O que é o SUS

O SUS é um dos maiores e mais complexos sistemas de saúde pública do mundo, abrangendo desde o simples atendimento para avaliação da pressão arterial, por meio da Atenção Primária, até o transplante de órgãos, garantindo acesso integral, universal e gratuito para toda a população do país. Com a sua criação, o SUS proporcionou o acesso universal ao sistema público de saúde, sem discriminação.

A atenção integral à saúde, e não somente aos cuidados assistenciais, passou a ser um direito de todos os brasileiros, desde a gestação e por toda a vida, com foco na saúde com qualidade de vida, visando à prevenção e a promoção da saúde.

A rede que compõe o SUS é ampla e abrange tanto ações quanto os serviços de saúde. Engloba a atenção primária, média e alta complexidades, os serviços urgência e emergência, a atenção hospitalar, as ações e serviços das vigilâncias epidemiológica, sanitária e ambiental e assistência farmacêutica.

Cronologia

O Sistema Único de Saúde (SUS) tem algumas datas para comemorar. O ano de 1986, em que as bases para sua criação foram lançadas na 8ª Conferência Nacional de Saúde; 1988 com a entrada na Constituição Federal; e 1990 com sua regulamentação através da Lei Orgânica da Saúde, lei nº 8080/90 e da lei nº 8.142/90. Mesmo com todas essas referências, o marco de comemoração é a Constituição de 1988 e, portanto, lá se vão quase 33 anos de criação de um sistema cuja finalidade maior era mudar o quadro de desigualdade na assistência à saúde da população.

Por Conceição Soares

Foto: Flávia Pacheco

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

PMA convoca candidatos para procedimento de heteroidentificação
Trabalhadores nascidos em fevereiro podem sacar auxílio emergencial
Inscrições para o Sistema de Seleção Unificada, Sisu, começam hoje
Bolsonaro lança programa que levará água potável a escolas do Nordeste