Aracaju, 3 de agosto de 2021

O jogo para tomar o Podemos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Diógenes Braynerdiogenesbrayner@gmail.com

Há dois meses, o senador Alessandro Vieira (Cidadania) iniciou uma movimentação de mudança de partido. Anunciou que deixaria o Cidadania para filiar-se em outra sigla. Desistiu e permaneceu onde sempre esteve. A informação é de que Alessandro ainda pode ter novos arrancos de troca de legenda. Vem se dando bem – e até surpreendendo – com sua participação na CPI da Covid, através do seu estilo policialesco de interrogar convocados. Tem convites de outros partidos fortes e a proposta de ser candidato a presidente da República, como terceira via, entre Bolsonaro e Lula. Entusiasmou-se com a possibilidade e até já coloca a disputa a Governo do Estado – que pretende – à possibilidade de disputar ou não a sucessão ao planalto.

A delegada Danielle Garcia (ex-Cidadania), também há algumas semanas, reuniu-se com o seu grupo e revelou que estava conversando com outros partidos para deixar a legenda anterior. Ficou bem claro que sua saída tinha como razão principal a vontade de ficar independente do senador Alessandro Vieira, por não concordar com o seu estilo de fazer política e tratar aliados. As divergências nada tinham de pessoal – e muito menos políticas. Queria convivência, mas cada qual em seu partido. Buscou o PSDB, mas não deu certo. Outras siglas a convidaram, mas não ela não foi. O Podemos caiu-lhe como uma bênção, cedido após conversa com a presidente nacional da sigla, deputada Renata Abreu, na mais tenebrosa surdina.

O Podemos – digamos assim – derrubou o deputado federal Zezinho Sobral de forma traiçoeira. Ele esteve por três anos presidindo a sigla em Sergipe. Renata Abreu, literalmente, ‘passou uma rasteira’ no grupo em Sergipe e atendeu a Sobral esboçando certa ironia. Renata está muito satisfeita com a sua nova aquisição e não vai influir nas mudanças que por ventura sejam feitas. Da mesma forma, o Podemos pode baixar à estaca zero nesse período por abandono, e ter que ser reconstruído por Danielle que, a princípio, levará vários integrantes do Cidadania que pensam como ela em relação ao senador Alessandro Vieira. Terá dificuldade para montar uma estrutura capaz de transformar o Podemos numa legenda que provoque preocupação.

Danielle deve ser candidata à deputada federal em 2022, em caso de passar o Distritão e ao Governo se a vaidade de Alessandro levá-lo a topar formar uma terceira via para ganhar de Lula ou de Bolsonaro. Modestamente ele vai considerar mais honroso perder para presidente que para governador.

Pode ir à deputada

A informação é da Direção do Podemos: Danielle Garcia está se filiando ao Podemos e se for aprovado o Distritão disputa vaga de deputada federal.

*** Caso permaneça a legislação atual, será candidata pela cota das mulheres.

*** Entretanto, o Podemos fará pesquisas e se Danielle estiver em melhor posição que Alessandro será candidata à governadora em 2022, mesmo que o senador desista da disputa presidencial.

Pode se esvaziar

Filiados do Cidadania podem migrar para o Podemos, porque preferem ficar com a delegada Danielle Garcia, em razão do seu estilo de fazer política e conquistar eleitores.

*** Boa parte do Cidadania não continuará com Alessandro Vieira em razão do seu estilo difícil de fazer política e o seu distanciamento do eleitorado.

*** Caso Alessandro não mude, o Cidadania pode se esvaziar em Sergipe.

Uso da velha política

O deputado Zezinho Sobral (Podemos) ainda está em São Paulo. Foi lá que ele tomou conhecimento da filiação de Danielle Garcia no partido, sem que ninguém fosse comunicado.

*** Segundo Zezinho, o senador Alessandro Vieira, junto a Danielle, foi quem articulou para tomar o Podemos, usando o modelo da velha política.

*** Zezinho Sobral, ao conversar com a presidente do partido, Renata Abreu, ela disse que iria aceitar Danielle como representante da sigla, para que ela dispute vaga na Câmara caso haja o Distritão.

Sentiu-se traído

Zezinho Sobral se sentiu traído, depois de estar três anos à frente do Podemos em Sergipe. Confidenciou que o partido não tem nome para eleger federal e que teria de sair da legenda para disputar a reeleição.

*** Quando retornar a Sergipe vai reunir-se com os diretórios municipais para que todos não aceitem a delegada, que não segue a linha do Podemos.

*** Sobre o seu destino em relação a um novo partido, disse que o governador Belivaldo Chagas é que vai orientar.

D. Maria de licença

A senadora Maria do Carmo (DEM) está de licença do Senado, e o suplente pastor Virgínio de Carvalho assumiu a sua vaga na sexta-feira.

*** D. Maria aproveita o afastamento para tratar de assuntos particulares nesse período de recesso.

Rogério está ciente

O senador Rogério Carvalho (PT) trabalha sua candidatura a governador pelo partido, ainda que mantenha seu nome como integrante da base aliada.

*** Um dos seus aliados disse que ele já sabe que terá de se afastar do Governo, porque sua candidatura não será aprovada pelo bloco.

Eliane vota em Lula

A vice-governadora Eliane Aquino (PT) voltou a declarar em entrevista que vota em Lula da Silva (PT) para presidente da República.

*** Posição que todos conhecem essa de Eliane, que ainda não expôs seu voto a Rogério. Vai esperar decisão da base aliada, embora não mude de posição partidária.

Chapa com Valmir

Circula a informação nos bastidores políticos que o ex-prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho (PL), trabalha sua candidatura ao Governo do Estado.

*** A chapa seria formada ao lado de Eduardo Amorim (vice) e Valdevan Noventa para o Senado Federal.

Esperando conversas

O presidente regional do Republicanos, Jony Marcos, disse ontem que o senador Rogério Carvalho (PT) fez convite para o partido apoiá-lo ao governador e ter participação na administração.

*** – Rogério sempre conversa com a gente, mas nada foi ajustado porque estamos esperando uma conversa com o governador Belivaldo Chagas.

*** Jony acha que a participação do Republicanos no Governo é muito acanhada…

Deputados em exames

Alguns deputados federais viajaram a São Paulo. Aproveitam e fazem exames de rotina para avaliar a máquina para as eleições de 2022.

*** Todos acham que não será uma eleição fácil tanto para a Câmara Federal, quanto Assembleia Legislativa.

Psol avalia candidatos

O advogado Henri Clay (Psol) disse que o seu partido está discutindo estratégias políticas para 2022 e avaliam candidaturas ao Governo, Senado, Câmara e Assembleia.

*** O partido avalia, através de congresso estadual, os melhores nomes para disputar o pleito.

*** Segundo Henri Clay o Psol pretende lançar candidatura própria ao Governo do Estado. Henri pretende disputar vaga na Câmara Federal.

Um bom bate papo

Frases – Eu realmente sinto que estou em um capítulo da minha vida onde Deus está me tornando forte, antes de me fazer feliz.

Edicarlos Queiroz – Criticaram tanto a Venezuela, que esqueceram de olhar para a fome e as desigualdades sociais do nosso país.

Revista Fórum – No blog Socialista Morena: Fome explodiu no mundo em 2020: 01 em cada 10 pessoas está subnutrida na Terra

Band Jornalismo – O novo foco da CPI da Covid é a suspeita de pagamento de propina de até 296 mil reais por mês a políticos e servidores do Ministério da Saúde.

Tio do Zapp – Perito da Unicamp, contratado pelo TSE, afirma que essas urnas são fáceis de fraudar.

Genário Azevedo – Mais um milico incompetente? Novo diretor de Logística do Ministério da Saúde diz: “Por minha pátria eu mato”.

Roberto Requião – MDBistas do Paraná, eu os convoco para a luta eleitoral. Entregar nossa legenda para ratos e Bolsonaro, nunca!

Quebrando o tabu – Para 70% dos brasileiros, há corrupção no governo Bolsonaro 56% acham que Jair sabia da corrupção na Saúde e não fez nada.

 

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Ana Patricia/Rebeca caem para dupla suíça. Brasileiras fizeram jogo equilibrado
Felipe Franco está namorando jogadora de vôlei: “Tenho uma nova força”
Martine Grael e Kahena Kunze conquistam a medalha de ouro na vela
Alison dos Santos conquista bronze nos 400m com barreiras nas Olimpíadas de Tóquio