Aracaju, 4 de agosto de 2021

Uma troca que não amedronta

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Diógenes Braynerdiogenesbrayner@gmail.com

A tomada do Podemos pela delegada Danielle Garcia teve uma série de contatos anteriores. Antes de chegar ao partido assumido hoje, a delegada circulou por outras legendas para consolidar sua saída do Cidadania. Um deles foi o Pros, que por pouco não caiu em suas mãos. Depois ela partiu para contatos com o Podemos, que não se iniciaram recente. As reuniões foram feitas com articuladores partidários, entre eles Vovô Monteiro e o bloco do Patriota, para que se desse uma unidade mais ampla, em razão da delegada querer manter sua aproximação com a vereadora Emília Corrêa, para formação de provável chapa para as eleições de 2022.

Não deu certo, porque o Patriota monta uma estrutura para disputar vaga de deputada federal, tendo Emília como uma das principais fontes de votos. Com a desistência, foi mantido o Podemos, mesmo que tivesse em mãos do líder do Governo, Zezinho Sobral, que foi afastado de forma deselegante. A liderança não interessava a Danielle, porque ela pretende montar uma estrutura de oposição, mantendo um bloco de direita, mas que não se vincule à estrutura do Estado. Houve a cisão natural dentro da sigla. Ontem mesmo, filiados ao Podemos não compareceram à solenidade de filiação de Danielle.

Os dois deputado estaduais e três vereadores do partido vão pedir desligamento e não terão problemas junto ao TRE, porque foi à sigla que cometeu equívocos ao provocar tamanha alteração na estrutura de comando.

Em relação ao Cidadania, o presidente nacional do partido, Roberto Freire, reclamou do senador Alessandro Vieira dessa operação com o Podemos, quando o nome da delegada constava da relação de possível candidata a deputada federal. Roberto estranhou a conduta, mas sem saber que todas as conversas para que Danielle deixasse o partido e se enfronhasse em uma nova sigla, não havia contado com a participação direta de Alessandro, que talvez tenha sido, de fato, o que mais se surpreendeu. Nos bastidores, o comentário é de que provavelmente o senador volte a se afastar da sua atual sigla e se filie a outro partido com maior estrutura a nível nacional.

A oposição não estrilou. Já não contava com nenhum dos que se moveram para tomar o Podemos. O presidente de um partido que se vincula à oposição, admite que esse grupo – liderado tanto por Alessandro, quanto por Danielle – não mete medo. E diz que essa transação atípica demonstra a inabilidade dos dois para formação de partidos no Estado, porque não se percebe qualquer tipo de mobilização para que essas siglas revelem ascensão no Estado. Sobre isso, a informação é que Danielle foi para o Podemos exatamente pelo marasmo existente no Cidadania, que ela não concordava.

Danielle é mais ativa e expõe simpatia no trato para atrair novos filiados para a sua atual legenda, principalmente uma boa parte de alguns nomes que deixarão a sigla anterior para se acomodar no Podemos. O Cidadania poderá sofrer uma baixa, caso o senador não modifique seu estilo, já que pretende disputar o Governo. Quanto a amedrontar com candidaturas, os demais partidos não temem porque não está exposta uma força eleitoral capaz de grandes confrontos, mesmo que Alessandro tenha sido eleito para o Senado no pleito de 2018, o que são outros quinhentos.

Danielle não gostou

A delegada Danielle Garcia (Podemos) não gostou da publicação do twitter postado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania), pela forma como ele expôs o fato.

*** Segundo um dos aliados, da forma que o “twitter foi postado passou a impressão de que o senador Alessandro teria atuado fortemente para que Danielle trocasse de legenda”.

*** – Isso não aconteceu de forma alguma, disse.

Por maior liberdade

Pesou na decisão de Danielle Garcia, para troca de partido, não um desligamento do senador Alessandro, mas a liberdade de adotar decisões no Podemos, inclusive no que se refere às alianças.

*** Danielle hoje dirige o Podemos e as decisões de Alessandro (Cidadania) têm que ser tratadas com ela para convencê-la a acompanhar ou não: “os dois terão que se sentar e discutir o assunto”, disse e lembrou que “a relação não é mais a mesma de antes”.

Construir novos caminhos

Durante o seu discurso, na solenidade de filiação, Danielle agradeceu ao Cidadania pelo tempo que esteve na legenda e pelo apoio à disputa pela Prefeitura de Aracaju.

*** Ela deixou claro que está se filiando ao Podemos com o objetivo de construir novos caminhos, que também podem ser contrários ao Cidadania.

Mitidieri e Zezinho

O deputado federal Fábio Mitidieri (PSD) recebeu ontem o ex-presidente do Podemos, Zezinho Sobral, e abriu as portas do seu partido para ele: “seria um prazer tê-lo em nossos quadros”, disse.

*** Mitidieri reconheceu o trabalho de Zezinho Sobral como líder do Governo na Assembleia, acrescentando que ele “faz parte dessa nova geração de políticos sergipanos”.

Apara as arestas

A informação e de fonte conciliadora: “está sendo administrada à divergência que a vice-governador Eliane Aquino (PT) tem com o senador Rogério Carvalho”.

*** A mesma fonte diz que esse dissabor aconteceu em 2014, com as eleições estaduais, e também em relação a desacordos com o ex-governador Marcelo Déda.

*** Eliane evita falar que vota em Rogério a governador, porque primeiro quer que o grupo anuncie a escolha do candidato, através de Belivaldo Chagas.

Nenhum entendimento

O ex-prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho (PL) disse que não procede que ele já trabalha sua candidatura a governado do Estado.

*** Também não é verdade que esteja com chapa montada ao lado do ex-senador Eduardo Amorim para vice e Valdevan Noventa para o Senado.

*** – Não existe nenhum entendimento, disse Valmir.

Fábio espera decisão

O presidente regional do MDB em Sergipe, deputado federal Fábio Reis, evita falar em política neste momento, mas é candidato à reeleição e está esperando as reformas ou não da legislação eleitoral.

*** Diz que integra as bases aliadas a Belivaldo Chagas (PSD) em Sergipe, e do presidente Bolsonaro em Brasília.

*** Prefere aguarda a decisão do partido mais à frente, sobre a posição na disputa pelo Planalto.

Visita a Virgílio

O presidente regional do DEM, José Carlos Machado, esteve com o pastor Virgínio Carvalho Neto (DEM), e desejou-lhe êxito nos 120 dias que assume o Senado, em lugar de Maria do Carmo que se licenciou por 120 dias.

*** Virgílio é segundo suplente e assume em razão da impossibilidade justificada do primeiro suplente, Ricardo Franco. Virgílio já assumiu por duas vezes o Senado e conhece o cotidiano da Casa.

Conversa com Emília

Danielle Garcia tentou levar para o Podemos, antes de assumir a direção do partido, a vereadora Emília Correa (Patriota), mas não foi possível.

*** Emília quer se manter onde está e a troca de partido se torna impossível em razão do mandato de vereadora. Emília teria que esperar a abertura de janelas para trocar de legenda.

*** Mesmo assim, as duas continuarão aliadas, em caso de Danielle disputar mandato majoritário com apoio do Patriota.

Já as convenções

A jornalista Glaice Queiroz lembra que “de ontem (20) a 01 ano serão as convenções partidárias. Nelas, os partidos lançam seus candidatos. O tempo voa”!

*** De fato, mas até lá muitas águas vão rolar, inclusive com as previsões de nomes já conhecidas. Pelo menos três que se especulam estão certos.

Rogério toma decisão

O senador Rogério Carvalho (PT) é o candidato do partido a governador de Sergipe e está conversando com lideranças sobre essa decisão tomada.

*** Rogério pretende fazer uma reunião com o partido para ouvir a militância e anunciar que vai disputar o mandato e desfazer qualquer dúvida.

*** Há algumas pequenas arestas que devem ser quebradas pelo senador.

Bareta vence Covid

O comunicado Bareta deixou o Hospital São Lucas após vencer a Covid-19, depois de enfrentar complicações pós-Covid, agora retorna para casa.

*** A saída de Bareta foi festejada por dezenas de pessoas aplaudiam a sua vitória contra a doença, além de familiares e pessoas que o acompanham no dia a dia da TV-Atalaia.

*** Na segunda-feira o produtor teatral Antônio Leite também deixou o hospital da Unimed, ao adquirir a Covid depois de vacinado. Muito bem recebido por amigos e familiares.

Balcão de negócios

Senador Rogério Carvalho (PT) diz aos Ministro da Educação: “se as crianças brasileiras não estão em sala de aula é porque o seu governo recusou quase 200 milhões de vacinas em 2020.”

*** – E quando resolveu comprar, abriu o balcão de negócios da propina, concluiu.

Um bom bate papo

Miranda Sá – Afonso Romano de Sant´Anna: “De tanto mentir tão brava/mente constroem um país de mentira diária/mente”.

Regina – Marido passa os dias em frente a hospital à espera de mulher que está na UTI com Covid-19 em Mato Grosso.

DCM Online – Átila: “Brasil parece o Dick Vigarista. Fica tentando cortar caminho com esquema que dá errado.”

Segunda dose – A segunda dose de Astrazeneca e Pfizer não terá intervalo de 60 dias, conforme analisava a Secretaria de Saúde.

Miranda Sá – Nelson Rodrigues: “Hoje é difícil não ser canalha. Falta ao virtuoso a feérica e a multicolorida variedade do vigarista”.

Mídia Ninja – Por falar em educação, é bom estudar pra poder ter uma população consciente e tirar esses caras do poder. Canalhas!

Revista Fórum – Porém, por lei, compete aos estados a decisão a respeito do retorno às aulas na rede estadual e às cidades, na rede municipal.

Emir Sade – Vice da Câmara se diz na trincheira contra Bolsonaro e que estuda aval para abrir impeachment como interino.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Trabalhadores nascidos em março podem sacar auxílio emergencial
Em visita a JHC, Rodrigo Valadares elogia gestão do prefeito e declara: “Modelo a ser seguido”
Deputado Georgeo Passos quer apuração sobre “rachadinhas” na Fundação Renascer
2ª Assembleia Geral do Movimento Polícia Unida acontece nesta quinta-feira