Aracaju, 4 de agosto de 2021

Projeto Cabuto que busca reproduzir uma aeronave rádio controlada

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Iniciado ainda em 2016 com as primeiras discussões, o Cabuto AeroDesign vem colhendo resultados promissores ao longo dos anos. Em 2018, por exemplo, foi a única equipe de Sergipe a participar da Competição SAE Brasil AeroDesign. O projeto Cabuto busca reproduzir uma aeronave rádio controlada e aproxima a teoria da prática. “O projeto de extensão permite que os alunos tenham experiências reais, além de despertar novas possibilidades para o mercado de trabalho”, declara o professor doutor Igor Libertador, orientador e coordenador da equipe Cabuto AeroDesign.

Durante a pandemia do novo coronavírus, o projeto teve que se adequar a um novo contexto. “Todas as reuniões foram virtualizadas, além das atividades do projeto. Como esse ano não teve competição presencial, acontecendo de forma virtual e apenas com a entrega do relatório do projeto, estamos trabalhando nessa demanda. A única ação que não está acontecendo é a construção da aeronave e o teste de voo”, comenta.

“Para o segundo semestre, as perspectivas são as mais positivas possíveis. A entrega do relatório é logo no mês de agosto e estamos focados em entregar o melhor projeto possível. Analisamos todos os outros relatórios, identificamos problemas e estamos corrigindo alguns pontos”, acrescenta.

Atualmente, o projeto Cabuto Aerodesign conta com a participação de seis acadêmicos dos cursos de Engenharia. Um novo processo seletivo deverá ser aberto ainda esse ano para complementar a equipe. Podem participar acadêmicos das mais diversas áreas como as Engenharias, Matemática, Ciência da Computação, Administração, Publicidade e Propaganda, Jornalismo e Design.

“O perfil do aluno é aquele que gosta de desafios, tenha vontade de aprender, não tenha medo de errar e nem de trabalhar. O projeto Cabuto é muito importante para o processo de aprendizagem dos acadêmicos”, garante o coordenador.

“Além disso, também visa promover a questão do senso de responsabilidade, respeito, a questão ética e moral. O contexto de demandas rápidas, por exemplo, faz com que eles evoluam e cresçam pessoalmente e profissionalmente. O projeto de extensão permite que o aluno saia da sala de aula e vivencie na prática suas experiências”, complementa.

Entre os integrantes  do projeto está a acadêmica do 10° período do curso de Engenharia Civil, Sandy Cunha. Capitã da equipe e líder do setor de Aerodinâmica, a estudante destaca a relevância do projeto.

“Sou responsável por gerenciar os integrantes da equipe e servir de intermédio entre a equipe e a organização. A experiência é bastante enriquecedora. Por meio do projeto aprendi noções novas sobre aeronáutica, de forma geral e específica, algo um pouco distante, mas que também se relaciona com o meu curso”, frisa.

“Conheci o projeto através de um amigo e, no ano passado, entrei na equipe como integrante do setor de Cargas e Aeroelasticidade. Na equipe, obtive novos conhecimentos e foi uma forma de evoluir individualmente e em equipe, melhorando a colocação na competição. Com o projeto é possível aplicar os conhecimentos em diversas áreas, além de aprimorar o trabalho em equipe”, finaliza.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sem título
Trabalhadores nascidos em março podem sacar auxílio emergencial
Em visita a JHC, Rodrigo Valadares elogia gestão do prefeito e declara: “Modelo a ser seguido”
Deputado Georgeo Passos quer apuração sobre “rachadinhas” na Fundação Renascer