Aracaju, 22 de setembro de 2021

Dois meses depois e ninguém foi responsabilizado por “tragédia do Nestor Piva”!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Nesta quarta-feira (28), nós vamos completar dois meses do incidente que ficou conhecido como “tragédia do Nestor Piva”, num triste incêndio na ala Covid-19 da Upa Nestor Piva, de responsabilidade da Prefeitura de Aracaju, que resultou em cinco óbitos e, até agora, não há uma explicação formal sobre o que realmente aconteceu e o pior: com o passar do tempo só aumenta a sensação de impunidade, considerando que ninguém, até agora, foi responsabilizado pelas mortes.

Estamos falando de pelo menos cinco famílias que foram destruídas, que viram seus entes procurarem uma unidade hospitalar em busca do tratamento mais adequado no enfrentamento à covid-19, mas que vieram à óbito. É evidente que descobrir o que causou o incêndio e conhecer quem deve ser responsabilizado, não vai trazer aquelas vidas de volta, mas pelo menos reforça um pouco a credibilidade que a população exige das instituições.

Quando a “tragédia do Nestor Piva” completou um mês sem explicação, o Corpo de Bombeiros solicitou mais tempo para a conclusão do laudo técnico, para que as autoridades e órgãos fiscalizadores tenham ciência do que aconteceu naquela unidade de Saúde. Chama a atenção também o “silêncio quase sepulcral” com que alguns setores tratam esse assunto. Parece querer deixar o assunto cair no esquecimento; já o Ministério Público Estadual, tão ávido para alguns casos, parece “adormecido”…

Não são dois dias ou duas semanas, mas já temos dois meses sem uma explicação sobre o que causou a “tragédia do Nestor Piva”! Este colunista não vai antecipar nada (e nem deve) porque precisa esperar esse laudo técnico do Corpo de Bombeiros, mas o povo de Aracaju, que paga seus impostos, merece sim uma explicação sobre o que aconteceu e que os responsáveis pelas vidas ceifadas sejam identificados. O que não dá para perdurar essa revoltante sensação de impunidade…

Não custa lembrar que, apesar da UPA Nestor Piva ser de responsabilidade da Prefeitura de Aracaju, na gestão do prefeito Edvaldo Nogueira (PDT) aquela unidade passou a ser gerenciada por uma empresa privada, ou seja, o atendimento ao público foi terceirizado. É preciso saber se houve algum tipo de negligência, se houve algum problema estrutural. Enquanto isso cinco famílias aguardam, pelo menos, que sejam indenizadas e outros pacientes correm risco, ou nem todas as vidas importam?

Veja essa!

O deputado estadual Gilmar Carvalho protocolou uma Representação Criminal para que os Ministérios Públicos Estadual e Federal apurem a demissão do servidor Flávio Cardoso Valença, ocupante do cargo em comissão de Auxiliar de Gabinete I na Secretaria de Saúde da Prefeitura de Aracaju.

E essa!

Gilmar apresentou as Representações aos órgãos embasado pela publicação na edição de 15 de julho de 2021, do Diário Oficial do Município de Aracaju, numa decisão por meio da qual a PMA aplicou ao referido servidor, a penalidade administrativa de destituição do cargo em comissão, tendo em vista a prática da conduta de “transferir valores do Fundo Municipal de Saúde para sua conta pessoal”.

Gilmar Carvalho

“Diante do relatado é imprescindível que o MPE e o MPF apurem se houve a prática do crime de peculato ou de outros delitos previstos na legislação penal”, salientou o parlamentar.

Emerson Ferreira I

De acordo com o médico e ex-vereador de Aracaju, Dr. Emerson Ferreira, sua decisão de deixar o Cidadania, deu-se por acreditar que terá mais condições de colocar em prática sua proposta de mandato compartilhado em seu novo partido, o PSB, presidido em Sergipe pelo ex-deputado federal Valadares Filho.

Emerson Ferreira II

“Após o segundo turno das eleições, conversei com a direção do Cidadania e encaminhei um documento solicitando o afastamento da presidência, mas continuei filiado. Antes da minha decisão, comuniquei à equipe diretiva meu desejo e boa parte deles decidiu me acompanhar. Neste espaço de tempo, busquei na literatura respostas para essa minha percepção de que não poderíamos continuar caminhando na política na perspectiva de ser mais do mesmo. Procurei então algo inovador e comecei a ler e discutir sobre o mandato compartilhado”, explicou Dr. Emerson.

PSB mais viável

De acordo com ele, com a ideia firmada e a criação de um regimento elaborado de forma conjunta, esse grupo de trabalho começou a discutir qual partido poderia abraçar essa iniciativa. “Entendemos que para o desenvolvimento da nossa ideia o PSB era uma opção mais viável do que o Cidadania. Ligamos para o ex-deputado Valadares Filho, que já havia entrado em contato comigo quando deixei a direção do Cidadania e se colocado à disposição para que pudéssemos dialogar, e iniciamos as conversas acerca do mandato coletivo e se o partido estaria apto para receber essa proposta”, destacou Dr. Emerson, complementando.

Unanimidade

“A ideia foi aceita pelo PSB e tivemos mais algumas conversas com o partido, inclusive com a presença de pessoas de alguns municípios sergipanos. Depois de todo esse debate, por unanimidade, nosso grupo concordou que o melhor caminho era o PSB. Então, saí do Cidadania sem nenhum problema pessoal ou divergência com qualquer parlamentar. Nossa motivação agora é o movimento mandato compartilhado e estamos nos afastando sem nenhum desgaste, como sempre fiz e continuarei fazendo”, concluiu Dr. Emerson.

Manifestações

Na repercussão dos atos contra o governo Bolsonaro, no sábado (24), chama a atenção não apenas pelos registros de violência e de danos ao patrimônio público, em alguns Estados, mas pela perda de “densidade” dos movimentos. Com a vacinação avançando em todo o País, esses eventos parecem perder força.

Atos politizados

A crítica de muitas pessoas que participaram de outros atos é que há uma politização explícita nos movimentos. O Partido dos Trabalhadores usa esses eventos para tentar fortalecer o projeto de candidatura do ex-presidente Lula em 2022. Muita gente insatisfeita com Bolsonaro, também não quer nem ouvir falar no PT e em Lula…

CPI “boiando”

Na tentativa de tentar fragilizar o governo de Jair Bolsonaro prorrogando a CPI da Covid-19 por mais 90 dias, os senadores da oposição podem ver aquele espaço findar como “instrumento” para fortalecer o presidente. Se não chegarem a Bolsonaro, senadores ficarão desmoralizados e fragilizados perante a opinião pública, e o governo ganhará mais três de meses de “fôlego”…

Sempre a Renascer…

Repercutiu fortemente, essa semana, nas redes sociais, mais denúncias envolvendo a atual gestão da Fundação Renascer! Não é de hoje que esse espaço vem alertando o governo do Estado sobre as mazelas existentes nesse órgão! A coluna não vai acusar ninguém, sem o direito de defesa, e defende que todas as denúncias continuem sendo investigadas. Agora tem que tratar a TODOS com a devida isonomia…

E o critério?

Essa semana, em uma de suas falas, o diretor-presidente da Fundação garantiu que já tinha aberto um processo administrativo para apuração das supostas irregularidades de um servidor da Casa. Agora, fica a pergunta que não quer calar: qual o critério adotado pelo presidente? Por que só com esse servidor? E o caso de Crerlin e Larissa, mãe e filha, que há muito tempo atuam na Renascer e que existem contra elas inúmeras denúncias?

E as outras denúncias?

Aproveitando esse processo administrativo, será que o diretor-presidente não tem interesse em apurar o suposto mau uso dos suprimentos de fundos? E as contratações que vão de encontro à lei das licitações? E o recebimento dos salários em duplicidade através de cargo de comissão e empresa terceirizada, simultaneamente, para exercer a mesma função e mesma jornada de trabalho em ambas?

Bomba!

Esta semana estaremos apurando mais uma denúncia de uma terceirizada, que de fato prestou a grande parte dos seus serviços para a gestão anterior da Fundação, no entanto teve o fim do seu contrato nessa atual gestão e recebeu um enorme “calote” daquele que se conceitua justo e honesto!

Exclusiva!

Mas, o que realmente nos chamou a atenção, foi o depoimento de um representante da empresa, que essas práticas equivocadas da Fundação, “não são de agora”! Relembra que na sua época, tinha um servidor “sonso e tirado a moralista”, responsável por atribuições atreladas a sua empresa, que só funcionava quando recebia a “mesada do mês”! É mole?

Olha o rango!

A coluna está monitorando também as denúncias gravíssimas com relação ao fornecimento de alimentação, onde atuavam juntos, um casal, fazendo uma espécie de “dobradinha”, que inclusive foi objeto da auditoria realizada pela Secretaria da Transparência, onde foram feitas algumas recomendações com relação à forma supostamente indevida como vinham sendo conduzidos os trabalhos.

Tem que apurar

Da mesma forma como se tem que apurar as denúncias relacionadas ao servidor, dessa semana, a coluna também reforça que é importante um profundo inquérito administrativo dentro da Fundação para apurar se houve ou não malversação de recursos públicos em decorrência dos atestados de fornecimento da alimentação, em desacordo com o contrato, como também, supostos pagamentos por quantitativos maiores que o realmente fornecido. Isso é grave é merece sim uma investigação…

Homenagem

Por iniciativa dos mandatos dos deputados estaduais Luciano Bispo (MDB) e Zezinho Sobral (PODE), a Assembleia Legislativa de Sergipe condecorou, na tarde dessa segunda-feira (26), o Comandante Militar do Nordeste, General do Exército Marco Antônio Freire Gomes, com a Medalha da Ordem do Mérito Parlamentar. A honraria foi concedida em solenidade restrita no gabinete da presidência, por conta da pandemia do novo coronavírus (covid-19). O deputado Luciano Pimentel (sem partido) também participou do ato.

General Freire Gomes I

Sem esconder a satisfação com a homenagem, o General agradeceu, lembrando que é um “militar com origens nordestinas”, fato que aumenta sua contemplação com a honraria sergipana. “Tenho a convicção de que, muito mais do que a pessoa do Comandante Militar do Nordeste, o verdadeiro homenageado aqui é o Exército Brasileiro, especialmente os militares e servidores civis que labutam, diuturnamente, sempre em proveito da nossa gente”.

General Freire Gomes II

Em seguida, o General pontuou que há mais de 100 anos que o Exército Brasileiro compartilha com o povo sergipano suas tradições, valores culturais e progresso. “Reforço a imensa honra e gratidão pela homenagem recebida, ressaltando a fortalecida parceria entre o povo sergipano e o Exército Brasileiro”.

General Freire Gomes III

“Na Constituição Federal está muito claro o papel do Exército, e uma das nossas principais missões é contribuir para o desenvolvimento nacional, além de fazer a defesa da Pátria. São os dois parâmetros que mais nos aproximam da população. Nessa pandemia nós não paramos. O índice de contaminação no Exército foi maior que a média nacional, mas nós seguimos com as nossas missões”, completou Marco Antônio Freire Gomes.

28BC

O Comandante do 28º Batalhão de Caçadores (28BC), Marco Aurélio Magalhães Cavalcanti, também enalteceu a entrega da honraria ao General. “O Exército Brasileiro tem uma série de ações sociais que são desenvolvidas no Nordeste do nosso País, inclusive contribuindo com os órgãos de Segurança Pública. Há uma gama de atividades sob a responsabilidade do general Marco Antônio Freire Gomes e ele agora estará transmitindo esse Comando, em meados de setembro. Uma homenagem muito merecida por sua contribuição com o nosso Nordeste”.

Zezinho Sobral

Um dos autores da honraria, o deputado estadual Zezinho Sobral destacou as “raízes nordestinas” e a visão humanitária do homenageado. “Estamos falando de um General que trabalhou para aproximar o Exército Brasileiro da sociedade nordestina e sergipana, trazendo a juventude para perto, atraindo o interesse. Além de defender o nosso território, o Exército também tem uma participação efetiva na defesa da sociedade como um todo, acudindo nos momentos de seca, construindo estradas, no enfrentamento da pandemia. É uma mão amiga para todos os momentos”, pontuou.

Luciano Bispo

Por sua vez, o presidente da Alese, deputado estadual Luciano Bispo agradeceu aos militares pela relação que o Exército mantém em defesa do País e do Estado de Sergipe. “No combate à pandemia e na construção de estradas, nós sergipanos temos que dar o testemunho do trabalho do Exército. Esse gestor da Alese é uma forma de agradecer ao general por cuidar tão bem da nossa região e do nosso Sergipe durante seus três anos a frente do Comando Militar. Sempre foi uma preocupação desde que cheguei à presidência de aproximar a Alese e o povo sergipano das nossas instituições militares, Exército, Marinha e Aeronáutica”.

Ferreira Costa I

O Home Center Ferreira Costa oferece diversos produtos para a retomada dos serviços de lazer acontecer de forma segura e funcional. Após meses, com atendimento restrito e/ou até mesmo, com atividades suspensas, hotéis, pousadas, bares, restaurantes e lanchonetes, pouco a pouco, voltam a funcionar em muitos estados brasileiros.

Ferreira Costa II

Com essa reabertura total, o empresário tem um novo desafio pela frente: atender às exigências para o funcionamento com atenção às medidas de segurança e higiene e estar preparado para receber clientes cautelosos e com novos padrões de consumo. E para preparar esses locais de lazer da melhor forma possível, os empreendedores do setor podem contar com os produtos que a Ferreira Costa disponibiliza.

 Ferreira Costa III

Para os cuidados básicos, tanto nas lojas físicas quanto no www.ferreiracosta.com os empresários encontrarão uma enorme gama de EPI´s como: máscaras faciais, vários tipos de álcoois, diferentes tipos de luvas, entre outras coisas. Assim como tipos de toalhas e plásticos e descartáveis, que vem sendo recomendado pelo Ministério da Saúde, no lugar das louças.

CRÍTICAS E SUGESTÕES

habacuquevillacorte@gmail.com e habacuquevillacorte@hotmail.com

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

22 de setembro é o Dia Estadual de Prevenção ao Uso de Drogas
PC divulga identificação do autor dos disparos contra delegado Marcelo Hercos
EdTechs, o presente da educação, escreve Joaldo Diniz
Mimi do Acordeon e Douglas Gavião no primeiro Forró no Parque