Aracaju, 17 de setembro de 2021

Hanseníase: Sergipe registra queda nas notificações da doença

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A Hanseníase é uma doença crônica, causada pela bactéria Mycobacterium leprae, que pode afetar pessoas de todas as idades. Caracteriza-se por manchas na pele (não considerar a de nascença), áreas adormecidas com alteração, diminuição ou perda da sensibilidade térmica, dolorosa, tátil e da força muscular e dor nos nervos. Afeta, principalmente, membros superiores, inferiores e visão e, se não tratada no tempo oportuno, pode levar a incapacidade permanente.

A Secretaria de Estado da Saúde, através do Programa Estadual de Controle da Hanseníase, realiza o monitoramento das ações de vigilância, prevenção de saúde e assistência integral junto aos municípios da taxa de endemicidade. A SES ainda estimula as ações de buscativa e campanhas de educação em saúde para a comunidade em geral, apoio técnico, apoio às equipes e educação permanente com o objetivo de ampliar a detecção precoce, investigação dos contatos e tratamento dos pacientes.

Dados da SES mostram um decréscimo no número de notificações da doença em Sergipe. Em 2019 foram registradas 314 notificações no estado, em 2020 o número caiu para 250 e, até julho deste ano, foram 117 casos notificados nos 75 municípios sergipanos.

A referência técnica do Programa de Hanseníase da SES, Fátima Dias, destaca as sedes de regional que concentram o maior número de casos. São elas: Aracaju, Socorro, Lagarto, Estância e Itabaiana.

A RT afirma que a redução de notificações não pode ser atribuída a uma redução de portadores da doença, informa ainda que o decréscimo no número de notificações aconteceu em outros estados também. Em virtude da pandemia, as pessoas recusaram-se a ir à unidade de saúde e as buscativas para investigação de contatos foram interrompidas diversas vezes em virtude das fases mais restritas da pandemia.

Outro grande problema envolvendo a Hanseníase é o preconceito e a falta de informação sobre a doença que é tratada gratuitamente pelo SUS. “É uma doença secular. Ainda existe uma cultura de associar a Hanseníase a uma punição. Para quebrar esse estigma, a gente precisa fazer esse processo de educação com a comunidade, inclusive pensar ações junto às comunidades religiosas para desconstruirmos essa cultura”, destaca Fátima.

Tratamento

A hanseníase tem cura e o tratamento é gratuito e fornecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Varia de acordo com a classificação – seis meses na para paucibacilares a um ano nos multibacilares, podendo ser prorrogado ou feita a substituição da medicação nos casos de reação de reação hansênica. O tratamento é eficaz e cura a doença. Após a primeira dose da medicação não há mais risco de transmissão durante o tratamento.

Prevenção

A melhor forma de prevenção é o diagnóstico precoce, investigação dos contatos domiciliares, social acompanhando-os quando possível por um período de 05 anos e o tratamento adequado dos casos diagnosticados. Desta forma, a cadeia de transmissão da doença pode ser interrompida.

Fonte e foto SES

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Ação alusiva à Semana da Árvore acontece neste sábado, no RioMar Aracaju
UNINASSAU Aracaju mantém ações pelo Setembro Amarelo
Edição especial do Praia limpa será realizada neste sábado
Prefeitura de Aracaju inicia recuperação da avenida Santos Dumont