Aracaju, 22 de setembro de 2021

“Maternidade Lésbica” é o tema do segundo minicurso do mês

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

No segundo debate da série de atividades do “Mês da visibilidade lésbica”, promovido pelo Conselho Regional de Psicologia de Sergipe – CRP19, por meio do Grupo de Grupo de Trabalho (GT) em Gênero e Diversidade Sexual, o tema será “Maternidade Lésbica”.

“A maternidade sempre foi posta como algo da cisheteronormatividade, porém nota-se que é necessário olhar e dar voz às mulheres lésbicas que querem ser mães com outras mulheres ou de forma solo, pois essas são destituídas desse lugar ou apagadas”, fala a psicóloga Camila Calaça, Conselheira nodo CRP19 e uma das coordenadoras do GT.

O minicurso que acontece nesta quarta-feira, 11, às 20h, terá como convidadas a psicóloga da Proteção Social Especial, Hanna Barbara de Andrade Barbosa (CRP03/22020 e 19/IS-126), especialista em Psicologia e Sexualidade e mestranda da Universidade Federal de Sergipe-UFS, e que desenvolve trabalhos sobre parentalidade homoafetiva e psicologia perinatal; e  Marcela Tiboni, mãe, lésbica, escritora, ativista, graduada em Artes Visuais, autora dos primeiros livros sobre dupla maternidade do país, sendo eles ‘MAMA: um relato de maternidade homoafetiva’ (2019) e ‘Maternidades no Plural’ (2021).

“O minicurso está estruturado a partir da teoria e da vivência das convidadas que além de passar por tais vivências, são estudiosas no assunto. Nossa intenção é passar o conteúdo afim de buscar estratégias que ajudem a entender as nuances dessa maternidade, descontruindo padrões e ofertando possibilidades de ser”, pontua Calaça.

Os minicursos lançados pelo GT em Gênero e Diversidade Sexual são gratuitos e com emissão de certificado. Para fazer inscrição basta acessar o link na bio @gt_generoesexualidades. São 50 vagas.

Solidariedade

A atividade do Grupo de Trabalho, do Conselho Regional de Psicologia de Sergipe, envolve ainda uma campanha solidária, juntamente com o coletivo Nós (feito por mulheres antiproibicionistas),  para arrecadação de alimentos (leite em pó, mucilon, farinha láctea, mingau de arroz, achocolatado, açúcar, cuscuz, macarrão, arroz, feijão, farinha, sal, óleo de cozinha, molho de tomate, biscoitos) e materiais de higiene (shampoo, condicionador, sabonetes, barbeador descartável, escovas de dente, absorventes descartáveis, fraldas em tamanhos variados) que serão destinados a mulheres em estado de vulnerabilidade social.

Mês da Visibilidade Lésbica

A programação do Mês da Visibilidade Lésbica começou no dia 5 de agosto com o minicurso “A violência e o sofrimento psíquico no contexto familiar das mulheres lésbicas”. Os próximos encontros já têm datas marcadas: dia 17, o tema será “Vivências das mulheres lésbicas negras: entre a solidão e os afetos” e no encerramento da série, dia 23, a abordagem será “Representatividade lésbica na psicologia”.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Covid-19: casos no país diminuem após ajuste de dados em estados
Caixa paga  auxílio emergencial a nascidos em fevereiro
Dia Mundial sem Carro: pandemia reforça uso de transporte sustentável
Autor de homicídio de adolescente de 13 anos se entrega à Polícia