Aracaju, 21 de setembro de 2021

Banco do Nordeste encerra primeiro semestre com lucro líquido de R$ 710,4 milhões

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Banco do Nordeste contratou, no primeiro semestre deste ano, R$ 20,38 bilhões, valor correspondente a 2,6 milhões de operações de crédito, que beneficiaram empreendimentos e empreendedores de todos os estados do Nordeste, Norte de Minas Gerais e Norte do Espírito Santo. Os resultados operacionais geraram lucro líquido acumulado para o BNB da ordem de R$ 710,4 milhões, o que representa incremento de 113,6% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o Banco alcançou lucro de R$ 332,5 milhões. Em relação aos valores aplicados, o incremento foi de 11% em relação ao resultado alcançado em igual período do ano passado, apesar das consequências da crise sanitária, o que evidencia sinais de retomada da economia.

Do volume total de recursos investidos, 66,6% (R$ 13,57 bilhões), equivalentes a 329,4 mil operações de crédito, destinaram-se a financiamentos de longo prazo. A área rural registrou a maior participação, com 37,4% (R$ 5,07 bilhões), seguindo-se a infraestrutura, com 34,9% (R$ 4,74 bilhões), Comércio, com 10,1% (R$ 1,4 bilhão), Serviços, com R$ 9,4% (R$ 1,3 bilhão), e Indústria, com 8,2% (R$ 1,1 bilhão).

Especificamente com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), principal funding do BNB, as contratações alcançaram, nos seis primeiros meses do ano, R$ 12,57 bilhões, correspondentes a 327,3 mil operações de crédito. Por setor econômico, destacam-se as aplicações rurais, que somaram R$ 4,16 bilhões para o total de 311,3 mil operações de crédito, registrando incremento de 10,7%, em termos de valores, em comparação com as contratações realizadas em igual período de 2020.

O balanço completo do Banco está publicado no portal da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O presidente do Banco do Nordeste, Romildo Carneiro Rolim, destaca a estimativa das repercussões econômicas na Região, resultantes tanto das contratações com recursos do FNE, como das contratações globais do Banco, no semestre.

Nesse ponto, Rolim informa que os R$ 12,57 bilhões contratados com recursos do FNE devem gerar ou manter 577,7 mil empregos na área de atuação do Banco, ocupações que refletem a entrada de novos trabalhadores, formais e informais, no mercado, ou a manutenção do emprego em decorrência dos financiamentos contratados.

A estimativa dos impactos econômicos resultantes das aplicações com recursos do Fundo aponta, ainda, para o incremento de R$ 4,13 bilhões na massa salarial, de R$ 2,48 bilhões na arrecadação tributária, de R$ 25,87 bilhões no Valor Bruto da Produção e de R$ 14,73 bilhões de Valor Adicionado à Economia.

Quando o estudo abrange as contratações globais do Banco, no primeiro semestre, a estimativa é de que 675,62 mil empregos formais e informais foram gerados ou mantidos na área de atuação do BNB, além da elevação de R$ 4,58 bilhões na massa salarial, do incremento de R$ 2,72 bilhões na arrecadação tributária, de R$ 28,73 bilhões no Valor Bruto da Produção e de R$ 16,28 bilhões no Valor Adicionado à Economia.

Microfinanças e MPEs

No primeiro semestre de 2021, o Banco do Nordeste contratou, por meio do Crediamigo, maior programa de microfinança urbana da América do Sul, R$ 6,44 bilhões, relativos a 2,2 milhões de operações de crédito, observando-se crescimento, em termos de valores, de 30,06% em comparação ao realizado nos seis primeiros meses de 2020. No período, a carteira do Crediamigo cresceu R$ 860,0 milhões, registrando aumento de 15,8%.

Já por meio do Agroamigo, programa de microfinança rural, as contratações atingiram valor total de R$ 1,59 bilhão para o total de 299.759 operações. Em termos de valores, o incremento foi de 28,6% comparativamente às contrações do primeiro semestre do exercício anterior. Na posição do final do semestre, a carteira ativa do programa atingiu valores de R$ 5,36 bilhões, alcançando 1,4 milhão de clientes, dos quais 74,9% empreendem no semiárido.

No segmento de micro e pequenas empresas (MPEs), um dos mais impactados pela pandemia, o BNB contratou R$ 1,7 bilhão, atendendo a 10,27 mil empreendedores do porte, que contrataram 12,51 mil operações de crédito. Destaque-se que R$ 1,59 bilhão foram contratados com recursos do FNE, contribuindo para a manutenção dos negócios.

O Banco do Nordeste manteve, ainda, a liderança nos financiamentos do agronegócio em sua área de atuação, sendo responsável por 55,7% dos créditos rurais, que cresceram 37,4%, com a contratação de R$ 5,07 bilhões.

Especificamente no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), programa do Governo Federal da qual o Banco do Nordeste é o principal agente financeiro, foram contratados 306,9 mil financiamentos, totalizando R$ 1,87 bilhão de aplicação no primeiro semestre deste ano, crescimento de 20,3% em relação a igual período de 2020.

Fonte e foto assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Comércio já se prepara para os “empregos temporários” no fim de ano
MPF/SE abre recrutamento para ocupar função de confiança
Polícia Civil prende homem investigado por fraude ao DPVAT com prejuízo de mais de R$ 81 mil
Manuel Marcos destaca importância do Plano Diretor de Aracaju