Aracaju, 26 de setembro de 2021

Elevação das vendas do comércio provoca aumento das compras a crédito

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, por meio de sua assessoria executiva e Instituto Fecomércio de Pesquisa e Desenvolvimento (IFPD), analisou a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do consumidor (PEIC) realizada pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), percebendo o aumento no número de famílias em condição de endividamento no estado. De acordo com a pesquisa, houve o crescimento de +1,1% diante do mês de junho, no número de famílias endividadas no estado, com o indicador apontando 82,1%.

O resultado apurado condiz com a realidade econômica dos sergipanos, que têm voltado gradativamente às compras nos estabelecimentos comerciais do estado, elevando a movimentação do volume de vendas das lojas, contrastando com a pandemia da COVID-19, que fez com que as pessoas diminuíssem seu endividamento, por terem reduzido seu consumo por vários meses seguidos. O retorno do consumidor às compras, faz com que o endividamento aumente no contexto familiar. O presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, Laércio Oliveira, comentou o resultado da PEIC, lembrando os fatores que contribuem para o fenômeno econômico.

“Quando houve o período mais acentuado da pandemia, as lojas estiveram fechadas, o que levou a uma grande queda no volume de vendas do comércio. À medida em que as lojas foram retomando seu funcionamento, as pessoas voltaram gradativamente às compras e isso provocou uma volta na elevação do endividamento famílias. Desde o início do ano esse indicador tem aumentado, mas isso é bom para a economia, porque mostra que o público está utilizando modalidades de compra em crédito para adquirir bens para suas casas e famílias. O endividamento não é ruim para as pessoas, pois é um termômetro que aumentou a movimentação comercial do estado”, disse Laércio Oliveira.

As famílias endividadas com contas em atraso também tiveram oscilação percentual positiva, com o crescimento de +2,2%, atingindo 28,9% do total de endividados. Já a condição de inadimplência está em condição de estabilidade, com 7% do total. Laércio Oliveira afirmou que a educação financeira das pessoas tem levado as famílias a índices baixos de inadimplência.

“O grande problema que decorre do endividamento é a inadimplência, com certeza. Entretanto, temos visto pouca variação percentual atualmente, com uma grande queda ao longo dos últimos anos. Não estamos repetindo percentuais de 20, 25% como há alguns anos. Hoje estamos estáveis na faixa de 6, 7% e isso mostra que as famílias desenvolveram educação financeira para o consumo, evitando comprar mais do que podem pagar. Isso garante sua sobrevivência no mercado de consumo e a melhor administração dos recursos financeiros de casa”, comentou.

As duas modalidades de endividamento mais comuns das famílias sergipanas são o cartão de crédito, com 94,6% e os carnês de compra, com 21%. Esses meios de pagamento indicam que há uma elevação no consumo em lojas do varejo. Segundo a Associação Brasileira de Cartões de Crédito e Serviços (ABECS), houve um aumento de 52% nas compras com cartões no último trimestre.

Por  Marcio Rocha

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sergipe recebeu neste sábado 10.250 doses de vacina contra covid-19, da AstraZeneca
Polícia prende mulher que praticou roubo de motocicleta no Bugio
Enock Ribeiro, secretário Socorro, recebe Título de Cidadão Sergipano
Eliane participa reunião com articuladores do Selo UNICEF