Aracaju, 26 de setembro de 2021

Especialista destaca tendências para trabalho pós-pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A pandemia do novo coronavírus provocou diversas mudanças em todo o mundo. No âmbito empresarial e no ambiente de trabalho isso não foi diferente. Muitos locais precisaram se readaptar de forma rápida para atender a uma nova necessidade imposta pelo momento.

“A forma de trabalho em vários setores da economia já estava mudando significativamente, através de novos modelos de negócios como também o surgimento de novas profissões. Empresas da área de tecnologia, comércio e serviços, principalmente aquelas que atuam em escala global, já trabalhavam remotamente, com possibilidade de flexibilização de horários para o funcionário. O isolamento social acelerou enormemente esses processos possibilitando que outros setores também usufruíssem dessas novas tecnologias”, comenta a arquiteta e urbanista, Rosany Albuquerque.

Para a especialista, embora muitas atividades laborais estejam dispensando cada vez mais o espaço físico tradicional, ainda não se consegue implementar o trabalho 100% remoto em nenhum setor econômico. “Muitas empresas ainda necessitam de estruturas físicas para seu pleno desenvolvimento e, consequentemente, esses ambientes estão sendo repensados e adaptados na tentativa de otimizar os processos dentro de um ambiente seguro e saudável”, destaca.

“Atualmente vivemos um momento de muita incerteza, mas dependendo do tipo de atividade que a empresa desempenhe podemos considerar três possibilidades de retorno às atividades no momento. A primeira seria a volta ao modelo tradicional de negócios desenvolvido anteriormente pela empresa, a segunda seria a continuidade do trabalho remoto no formato exercido durante a pandemia e uma terceira opção seria o modelo híbrido, possibilitando aos funcionários e clientes modalidade remota e/ou presencial de negócios”, acrescenta.

De acordo com a professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unit, pesquisas recentes indicam que a forma híbrida de trabalho tem sido o modelo preferido entre os trabalhadores, visto que possibilita realizar o trabalho em casa ou na empresa. “Muitas empresas começaram a adaptar os locais de trabalho para o retorno parcial das atividades laborais. Empresas que se adaptaram com o sistema híbrido estão mantendo uma sede bem enxuta para reuniões de alinhamento e atendimento a clientes, ficando o desenvolvimento dos trabalhos de forma remota, uma boa opção para redução de custos e aumento da produtividade”, declara.

“Os escritórios compartilhados ou coworking estão sendo muito procurados, principalmente por quem está começando na profissão. Esses espaços oferecem estrutura física, serviços de recepção, internet, auditório, sala de reuniões e estacionamento com baixo custo e planos por hora, por mês e anuais, complementa.

Rosany afirma que esses espaços devem ser pensados para nos proporcionar conforto e bem-estar, contribuindo positivamente para a produtividade. “Não resta dúvida que a pandemia provocada pelo novo coronavírus nos fez refletir sobre nosso comportamento, incluindo nossa forma de trabalho e os ambientes que o compõem, pois passamos grande parte do dia desenvolvendo nossas atividades laborais. Entender esse momento e buscar soluções inclusivas é extremamente necessário para projetar ambientes de trabalho pós-pandêmicos”, diz.

“Mudanças no espaço funcional estão sendo tomadas pelas empresas para garantir a segurança dos funcionários, como ambientes mais abertos e humanizados, estações de trabalho compartilhadas, espaços mais reservados; locais prontos para a realização das videoconferências, controle total dos elevadores com rígidas regras de distanciamento social, limite de capacidade, entre outras”, enfatiza.

Entre as tendências observadas pela especialista está o Smart Working”.  É um conceito que chegou para ficar. Entendo que ele ainda não foi absorvido por todos os setores produtivos. Enquanto não podemos trabalhar de qualquer lugar, a qualquer hora e com foco nos resultados e não no tempo presencial, vivemos um período de transição onde tudo pode acontecer, inclusive seguirmos por novos caminhos que ainda não conhecemos”, enfatiza.

“Entendo que o espaço do escritório vai continuar existindo, porém de forma diferente. O escritório permanecerá pelos valores, pela cultura da empresa, pela socialização e alinhamentos necessários. A inteligência artificial, automação, sustentabilidade e a dinâmica populacional humana tendem a mover nossos escritórios, ao tempo que os funcionários deverão ser mais criativos, comprometidos com a qualidade, com a própria saúde e bem-estar”, finaliza.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Sergipe recebeu neste sábado 10.250 doses de vacina contra covid-19, da AstraZeneca
Polícia prende mulher que praticou roubo de motocicleta no Bugio
Enock Ribeiro, secretário Socorro, recebe Título de Cidadão Sergipano
Eliane participa reunião com articuladores do Selo UNICEF