Aracaju, 19 de setembro de 2021

Senador Alessandro Vieira desmente deputado Ricardo Barros, que voltará CPI como convocado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

“A mentira tem perna curta”, alertou o senador. Comissão arguirá o STF sobre qual procedimento deve adotar caso o depoente, transformado em convocado, insista em mentir.

Uma questão de ordem do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), apoiada pela direção da CPI da Covid, levará a uma reconvocação do deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, que ocorrerá após uma consulta ao Supremo Tribunal Federal (STF). A CPI quer saber o que pode fazer se o depoente mentir flagrantemente e sistematicamente para os senadores da comissão, após jurar dizer a verdade. Após a resposta do STF, Ricardo Barros, que nesta quinta (12) foi convidado para depor na CPI, voltará, mas como convocado. O depoimento, iniciado pela manhã, foi interrompido quando *Barros causou revolta na direção da comissão, e em senadores independentes, ao dizer que a comissão atrapalha a compra de vacinas*. Ele se referia à compra da indiana Covaxin e da chinesa CanSino. Na volta do depoimento, Alessandro Vieira abriu com uma questão de ordem arrebatadora.

“Toda *mentira tem perna curta*. O suposto desinteresse de empresas fabricantes de vacinas, no mercado brasileiro, por conta da atuação da CPI, é uma mentira”, afirmou o senador. Um dos fabricantes, *a CanSino, desmentiu o depoente enquanto ocorria a sessão da CPI*. Informou que *mantém total interesse em vender para o país e que decidiu apenas trocar o laboratório que a representa no Brasil “por questões de de compliance”*. Encerrando relações com *a paranaense Belcher, de Maringá, cidade Natal de Barros*. O líder do governo teve reuniões com o empresário Daniel Moleirinho Feio Ribeiro, dono da empresa. Da mesma forma, *o laboratório indiano Bharat Biotech, que fabrica a Covaxin, anunciou a rescisão do contrato com a Precisa Medicamentos*, cujos ‘rolos’ são investigados pela CPI.

“Esse é um *momento grave da vida nacional, que não comporta molecagem oou brincadeiras*, exige respostas sérias e que se fale a verdade”, afirmou Alessandro Vieira. Barros havia afirmado que a CPI teria trazido resultados negativos para o Brasil ao afastar interessados em fechar negócios com o país. “O mundo inteiro quer comprar vacinas e espero que essa CPI traga bons resultados para o Brasil, porque o negativo já produziu muito. Afastou várias empresas interessadas em fazer negócios com o Brasil…”, especulou Barros, antes de ser interrompido pelos senadores, inconformados.

O líder Ricardo Barros foi citado na CPI em junho pelo deputado Luis Claudio Miranda (DEM-DF), que *levou ao presidente Jair Bolsonaro indícios de ilegalidade na negociação para compra da vacina Covaxin*, acompanhado de seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde Luis Ricardo Miranda. Segundo o parlamentar do DEM, *o presidente afirmou que sabia que um deputado da base do governo estava envolvido no caso* e que levaria a denúncia ao delegado-geral da Polícia Federal, o que não foi feito naquele momento. *Questionado na CPI sobre quem seria esse deputado, Miranda disse: “Foi o Ricardo Barros que o presidente falou”*. Bolsonaro nunca desmentiu a fala de Miranda e não removeu Barros da posição de líder do governo na Câmara.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Chega a Sergipe neste domingo mais de 106 mil doses de Pfizer
Capitania dos Portos de Sergipe abre processo seletivo
Mulher é presa em flagrante pelo Denarc com centenas de munições, fuzil e drogas
Prefeitura realiza quarta edição especial do Programa Praia Limpa