Aracaju, 28 de setembro de 2021

Emdagro atua para evitar propagação de anemia equina

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Sete focos foram identificados e 52 animais infectados, conforme determinação legal

A equipe do Programa de Sanidade Animal da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro) vem percorrendo propriedades desde o início do ano, para identificar e conter casos de Anemia Infecciosa Equina (AIE) em Sergipe. Sete focos da doença foram identificados nos municípios de Boquim, Ilha das Flores, Pedrinhas, Maruim, São Cristóvão e Simão Dias. A Emdagro realizou os diagnósticos e orientou criadores. Os animais doentes foram imediatamente isolados para evitar a infecção de outros equídeos do rebanho e, ao todo, 52 cavalos foram sacrificados.

A AIE é causada por um vírus que se propaga pelo contato com o sangue contaminado, principalmente por picada de insetos e das moscas dos estábulos, materiais contaminados com sangue infectado como: agulhas, instrumentos cirúrgicos, groza dentária, sonda esofágica, aparadores de cascos, arreios, esporas e outros materiais, além da placenta, colostro e acasalamento. Por ser incurável, a Anemia Infecciosa Equina é uma doença de controle oficial da Defesa Agropecuária Estadual e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e, por exigência legal, todos os animais testados positivos devem ser sacrificados.

Em apenas uma única propriedade, no município de Maruim, o criador teve 42 de seus animais contaminados. “Uma vez positivados os casos de AIE, a propriedade é interditada e os animais ficam em isolamento. Da mesma forma, o criador fica proibido de transitar com seus equinos até que estes sejam sacrificados e novos exames realizados, atestando a ausência da doença nos demais animais”, explica a Médica Veterinária Marcella Porto, responsável pelo Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos da Emdagro.

Segundo a veterinária, a doença também afeta os asininos (jumentos e jumentas) e muares (burros e mulas), e o exame de Anemia Infecciosa Equina, assim como o Mormo, é obrigatório na entrada de animais em eventos, como vaquejadas, feiras e exposições de animais, e copas de marcha. “Por essa razão, eventos clandestinos acarretam o aumento de animais infectados para ambas doenças”, alertou Marcella Porto.

Sintomas

Uma vez instalado no organismo do animal, o vírus nele permanece por toda a vida, mesmo se não manifestar sintomas. É uma doença essencialmente crônica, embora possa se apresentar em fases hiperaguda, aguda e subaguda. “Em sua maioria, os animais são assintomáticos, mas uma vez infectados podem apresentar febre acima de 40 °C, hemorragias puntiformes embaixo da língua, anemia, inchaço no abdômen, redução ou perda de apetite, depressão e hemorragia nasal. A Anemia Infecciosa Equina é também conhecida como a AIDS dos equinos”, conclui a veterinária Marcella Porto.

Foto Emdagro

Por Carlos Mariz

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia já tem suspeito do roubo das joias de Ana Alves, que inclui anel do seu pai, e já vai ouví-lo
Seduc convoca 57 educadores profissionais aprovados em seleção para cursos técnicos
Sergipe recebe mais de 67 mil vacinas para aplicação em primeira e segunda doses
Luciano Bispo diz que PDES revela potencialidades para investimentos