Aracaju, 22 de setembro de 2021

Zezinho  defende justiça fiscal e redução de dívidas de ICMS para empreendedores sergipanos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Atendendo a um pleito de pequenos e médios empreendedores sergipanos, o deputado estadual Zezinho Sobral (Pode) defendeu o Projeto que altera a Lei n° 3.796/1996, relacionado ao Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) e que exclui a incidência acumulada de juros ao mês sobre os débitos para o Fisco. A propositura foi aprovada na Assembleia Legislativa de Sergipe nesta quarta-feira, dia 25.

Zezinho Sobral explica que os juros de mora cresciam 12% ao ano e, com a nova Lei, serão reduzidos. “Isso beneficiará e muito os pequenos empreendedores que poderão pagar suas obrigações e conseguirão se manter com tranquilidade. Essa alteração representa justiça fiscal e foi uma demanda de instituições que representam o comércio e a indústria sergipana. Trata-se da retirada dos juros de mora que eram cobrados não só pelo atraso dos impostos, mas também no Refis. Retiramos a possibilidade de tributar sobre o valor da mercadoria e não do valor do tributo”, explicou o líder da bancada governista.

O conteúdo da propositura enfatiza a alteração do § 1° do art. 43 da Lei a fim de excluir a incidência acumulada de 1% de juro ao mês sobre os débitos para o Fisco não pagos espontaneamente, incidindo apenas a atualização monetária e a multa de mora de 4% ao mês. Sobre os débitos de ICMS, incidirá a atualização monetária com base na Unidade Fiscal Padrão do Estado de Sergipe (UFP/SE), conforme § 1′ do art. 44, e a multa moratória de 4% ao mês.

“Através dessas medidas, será possível reduzir a velocidade de crescimento da dívida dos contribuintes de ICMS. As alterações buscam não apenas reduzir o valor da multa, como também adequar a legislação tributária estadual. Não é possível um cidadão dever R$ 400 e receber um boleto de R$ 10 mil. Isso é um absurdo, é injusto. Agora, serão proibidas as multas sobre o valor do produto e, sim, deve ser aplicada sobre o valor do imposto. É um avanço e privilegia especialmente as pequenas e as médias empresas que, muitas vezes, se submetem pagando parcelamentos inviáveis e comprometendo seus negócios. Essa justiça fiscal surgiu para não prejudicar o contribuinte”, ressaltou Zezinho Sobral.

Esta propositura também opera mudança similar em caso de parcelamento de débitos de ICMS, inclusive os decorrentes de multa, alterando o § 10 do art. 45 para excluir a incidência do acréscimo de 1% sobre o valor da dívida, posto que a parcela já sofre a atualização pela taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (SELIC), evitando dessa forma a duplicidade de acréscimos legais no valor parcelado.

Ascom Deputado Zezinho Sobral

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Mimi do Acordeon e Douglas Gavião no primeiro Forró no Parque
Após 11 dias de greve, Maruim continua sem prazo de pagamento
Cassação assusta o governo
Doação: Unit recebe 500 vade-mécuns entregues pelo senador Alessandro Vieira