Aracaju, 28 de setembro de 2021

Psicólogos do Huse acompanham pacientes durante hospitalização

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Dia do Psicólogo é comemorado em 27 de agosto, a data enfatiza a importância do profissional responsável por realizar o estudo da mente e do comportamento dos indivíduos. No Hospital de Urgências de Sergipe Governador João Alves Filho (Huse), essa categoria se destaca por realizar seu trabalho em todas as áreas do hospital, destina-se ao atendimento de pacientes, acompanhantes e familiares durante o processo de hospitalização, até a melhora efetiva do seu quadro emocional frente ao adoecimento, como explica a Referência Técnica da Psicologia do hospital, Adriana Amaral.

“Sabemos que o adoecimento e a hospitalização causam uma ruptura na vida cotidiana do paciente e de seus entes queridos, trazendo angústias, incertezas, dor e sofrimento. Nossa equipe, ao admitir e acompanhar o paciente, proporciona um espaço de escuta no qual se pode falar das suas dores e angústias, frente ao que está sendo vivido, reelaborando assim, a sua vivência e experiência frente ao adoecimento e hospitalização. Para isso, realiza avaliação psicológica, investiga sua dinâmica familiar e psicossocial, seu estado mental, busca compreender os impactos psicológicos, faz a mediação da relação paciente, equipe e família, estimulando o usuário a se tornar um sujeito ativo em seu processo de tratamento”, explicou a Referência Técnica da Psicologia do Huse.

UTQ, Internamento, Pediatria, UTI

Na Unidade de Tratamento de Queimados do Huse, o paciente passa por um trauma físico e psicológico após sofrer o acidente, pois a queimadura provoca uma lesão na pele que causa uma dor física muito grande, além da dor emocional, nesse momento o papel do psicólogo é fundamental para ressignificar a sua autoimagem, como destaca a psicóloga da UTQ do Huse, Keysin Blohem.

“O psicólogo vai ajudar o paciente que sofreu esse trauma a lidar com essa dor, quando ele dá entrada na UTQ, ele revive esse trauma, chorando por conta do acidente e o psicólogo vai trabalhar esse paciente, no sentido de ressignificar essa autoimagem, ele sofre uma lesão na pele e vai modificar sua vida por conta dessa lesão. Nós trabalhamos também a questão da ansiedade, o paciente sofre a queimadura e fica ansioso pela recuperação e a gente tenta minimizar essa dor, eles também passam por episódios depressivos, sem querer comer, sem querer participar do tratamento e essas questões emocionais atrapalham a recuperação clínica, então a gente tenta fazer com que o paciente elabore melhor essa adaptação hospitalar e da nova imagem que ele vai ter”, disse a psicóloga.

Na UTQ os psicólogos também trabalham os acompanhantes, principalmente os de criança, porque os pais têm a questão da culpa, de ser responsabilizado pelo acidente. Os psicólogos tentam minimizar esse acidente causado por todo esse adoecimento hospitalar e trabalham em conjunto com a equipe multidisciplinar da unidade, fazendo reuniões para discutir a recuperação do paciente. A equipe é composta por nutricionista, enfermeiros, cirurgiões, entre outras especialidades com a finalidade de promover uma assistência integral do paciente.

No internamento do Huse, as psicólogas Vanessa Furtado, Giselle Mello, Karla Yanne e Déborah Cavalcante, atuam para ajudar o paciente no processo de aceitação de diagnósticos difíceis, como câncer, proporcionando a desmistificação de crenças errôneas de certas doenças e tratamentos. “A gente ajuda o paciente a aceitar e se adaptar às possíveis limitações e mudanças de vida associadas ao processo de adoecimento. A gente consegue estimular o paciente a encontrar estratégias de enfrentamento saudáveis para lidar com o processo de adoecimento e hospitalização”, pontuou a psicóloga Karla Yanne.

Na Pediatria do Huse, a psicóloga Déborah Cavalcante, atua avaliando os pacientes por solicitação da equipe multidisciplinar, realizando a busca ativa, demanda espontânea, ou atendimento por intercorrência em caso de urgência psicológica com pacientes em situação de crise. “Avaliada a demanda psicológica, o paciente será acompanhado até alta hospitalar ou cessado a necessidade do atendimento com a melhora do quadro emocional. É trabalhado também o vínculo mãe e filho favorecendo a relação interpessoal para melhorar adesão ao tratamento e recuperação, elaboração do luto principalmente dos pacientes crônicos”, declarou a psicóloga.

Para o psicólogo que atua na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), o comprometimento é ainda maior com os pacientes e seus familiares. A UTI é uma unidade complexa, onde pacientes e familiares ficam fragilizados e vulneráveis devido a diversos fatores como o distanciamento familiar, gravidade do caso, privação da vontade, das referências físicas e morais quanto a sua intimidade e da iminência da morte. Isso faz com que os aspectos emocionais aflorem de forma extrema, afetando inclusive a equipe de saúde.

O papel do psicólogo implica em minimizar o sofrimento provocado pela hospitalização, favorecer a adaptação ao ambiente e rotina da UTI, facilitar a comunicação entre paciente, família e equipe, realizar estimulação cognitiva e afetiva, principalmente quando o paciente está saindo da sedação e acorda assustado, desorientado e sem saber o que aconteceu.

Mas, foi durante a pandemia da Covid-19 que o trabalho do psicólogo tornou-se um desafio. “Foi preciso lidar com os temores e angústias dos pacientes, trabalhadores e equipe, ao mesmo tempo enfrentar seus próprios medos provocados pela alta exposição numa UTI Covid, pelas perdas frequentes dos próprios familiares, amigos e colegas de trabalho. O psicólogo precisou se reinventar e se adaptar aos protocolos de combate à contaminação, sem afetar o acolhimento e cuidado aos pacientes e familiares. Por isso, além das técnicas psicológicas tradicionais, lançou-se mão de recursos como vídeo-chamada, prontuário afetivo, leitura de cartas e bilhetes dos familiares para os pacientes”, finalizou a psicóloga da UTI, Cristina Maura.

Fonte SES

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia já tem suspeito do roubo das joias de Ana Alves, que inclui anel do seu pai, e já vai ouví-lo
Seduc convoca 57 educadores profissionais aprovados em seleção para cursos técnicos
Sergipe recebe mais de 67 mil vacinas para aplicação em primeira e segunda doses
Luciano Bispo diz que PDES revela potencialidades para investimentos