Aracaju, 17 de setembro de 2021

Estudo: pessoas ativas respondem melhor à vacina

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Médica e professora da Unit, Maria Fernanda Malaman, explica os desdobramentos da pesquisa

Recentemente, um estudo da Universidade Federal de São Paulo (USP) trouxe evidências de que pessoas fisicamente ativas respondem melhor à vacina da Covid-19. O artigo foi publicado no começo do mês, em versão preliminar, na plataforma Research Square. Nele, os pesquisadores detalham um estudo de fase 4 – feito após o início da vacinação em massa –, realizado com 1.095 voluntários imunizados com a Coronavac entre fevereiro e março deste ano.

A doutora em Ciências pela FMUSP,  Maria Fernanda Malaman, que também atua como coordenadora adjunta e supervisora do ambulatório do curso de Medicina da Universidade Tiradentes, explicou que ainda é muito cedo para a confirmação de resultados. “Ela foi realizada em pacientes imunocomprometidos portadores de Artrite Reumatóide imunizados com a CoronaVac entre fevereiro e março de 2021 e mostrou que a qualidade da resposta vacinal foi melhor em indivíduos fisicamente ativos. Entretanto, precisamos de mais estudos com uma quantidade maior de indivíduos com e sem comorbidades para confirmar estes resultados. Além disso, a resposta a uma vacina e sua eficácia não são mensuradas somente pela produção de anticorpos, outros aspectos da resposta imunológica devem ser avaliados”, reiterou.

No caso do estudo, foi considerado para o critério de pessoas fisicamente ativas aquelas que não passavam mais de oito horas diárias sentados ou deitados sem nenhum tipo de movimentação e que realizavam atividades dedicadas aos exercícios e lazer, atividades domésticas, trabalho ou deslocamentos de rotina.  A aplicação das vacinas desencadeia uma resposta imunitária no corpo, desafiando o sistema imunológico a responder como o teria feito o ao verdadeiro agente infeccioso.

“Algumas vacinas requerem várias doses, separadas por semanas ou meses. Isso, por vezes, é necessário para permitir a produção de anticorpos de longa duração e o desenvolvimento de células de memória. Dessa forma, o corpo fica treinado para combater o organismo causador da doença específica, reforçando a memória do agente patogénico, para o combater rapidamente, numa eventual exposição futura”, disse Maria Fernanda.

Para atingir a imunidade necessária para a proteção contra o vírus, o organismo não depende, apenas, dos anticorpos neutralizantes. “Tanto a infecção natural quanto a vacinação, estimulam o sistema imunológico de forma mais ampla, gerando também anticorpos não neutralizantes que agem de maneira diferente e a estimulação de células (imunidade celular), que exercem importante papel na proteção contra a COVID-19”, afirmou a Doutora Maria Fernanda.

A médica também alerta da necessidade de pesquisas que verifiquem a duração da imunidade conferida pelas vacinas, para que ocorra o ajuste do calendário vacinal de acordo com o comportamento da doença. No cenário atual, o Ministério da Saúde já autorizou a aplicação de uma terceira dose com o imunizante da Pfizer para idosos com mais de 70 anos e pessoas com doenças imunossupressoras por conta do aumento de casos atrelados à transmissão comunitária da variante Delta.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

“Orientação e perfil são garantias de sucesso no mercado”, diz consultor
Socorro realizará drive-thru da Semana Nacional de Trânsito
Estado de Sergipe registra crescimento de 17,6% no setor de serviços
ABEMEC-SE promove curso de capacitação em vasos de pressão