Aracaju, 28 de setembro de 2021

“Revisão do Plano Diretor de Aracaju deve ter o protagonismo da população”, defende Professora Ângela Melo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Compreendendo a participação social ampla como um método essencial de construção das políticas públicas, a vereadora Professora Ângela Melo (PT) é uma das signatárias da “Carta Aberta pela Revisão Democrática e Participativa do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano de Aracaju”.

Assinada por dezenas de movimentos sociais, organizações populares, conselhos profissionais, grupos de pesquisa em arquitetura e urbanismo, além de outros parlamentares, a Carta Aberta apresenta necessárias preocupações em relação aos documentos, prazos e formato da revisão do PDDU anunciada pela Prefeitura de Aracaju.

No que diz respeito aos documentos que subsidiam o Plano Diretor, a Carta aponta a ausência da divulgação de um Diagnóstico com estudos e análises técnicas.

De acordo com um trecho da Carta, “… a revisão deve ser amparada por Diagnóstico que reúna estudos técnicos e análises sociais e econômicas construídas com ampla participação da sociedade, tanto no processo de elaboração, no executivo, quanto durante sua tramitação pelo legislativo, destacando a necessidade de informações atualizadas, por exemplo, dados dos impactos da pandemia de COVID-19 para a cidade de Aracaju”.

No tocante aos prazos estabelecidos e formato proposto pelo Executivo municipal, a Carta ressalta que “para garantir um amplo debate público, é necessário além de documentos compreensíveis à população, prazos e espaços diversos em diferentes formatos para a construção da escuta, diálogo e reflexão para que ocorram sugestões acerca dos temas que ancoram o debate da revisão e do planejamento futuro da cidade”.

As organizações e parlamentares signatárias criticam também a priorização de Consulta Pública por meio virtual, visto que “é um meio inacessível à maior parte da população que não acessa a internet, ou quando o faz, é com pacotes de dados limitados que não dão condições de baixar os documentos disponíveis”.

Outra crítica apresentada na Carta, enfatizada pela Professora Ângela Melo, é sobre a necessidade de mais Audiências Públicas, de modo a possibilitar maior participação popular.

“Nossa cidade tem 38 bairros e estão previstas apenas 8 audiências, mas com previsão de participação de até 150 pessoas em cada. Isso é muito aquém de qualquer percentual razoável da nossa população. Por isso, é fundamental mais Audiências e outras atividades de participação, como oficinas, seminários temáticos, com a participação de grupos menores, por bairros, temas e outros formatos”, propõe a vereadora.

por Paulo Victor

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia já tem suspeito do roubo das joias de Ana Alves, que inclui anel do seu pai, e já vai ouví-lo
Seduc convoca 57 educadores profissionais aprovados em seleção para cursos técnicos
Sergipe recebe mais de 67 mil vacinas para aplicação em primeira e segunda doses
Luciano Bispo diz que PDES revela potencialidades para investimentos