Aracaju, 22 de setembro de 2021

Ausência da voz do povo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Diógenes Braynerdiogenesbrayner@gmail.com

Apesar de uma movimentação política intensa sobre a sucessão estadual, sente-se certo vazio de lideranças que mexam com a opinião publica, como já ocorreu em eleições anteriores. A presença do povo era expressiva e, diferente de agora, significativa e decisiva. Fala-se agora em apoio de prefeitos e lideres políticos, como se fossem eles que, sem o aval do eleitor, pusessem determinado candidato no pódio. Nesse momento atual, de nomes que se apresentam para disputar o Governo, ainda não se ouviu a voz de quem realmente vai às urnas para dar o que é mais importante em cada eleição: o voto.

A mais de um ano do pleito – mesmo que a campanha já esteja valendo – não se sente vontade expressa da população por algum nome que esteja em exposição para a disputa majoritária. Assim mesmo, as pesquisas circulam oferecendo números altos para um ou outro que não saem dos bastidores. Tudo assim, sem provocar entusiasmo, enquanto as conversas avançam e as negociações ocorrem nos bastidores, sem que ofereça certeza de que o eleito está entre todos nós. Naturalmente pode estar, mas ainda não empolga em razão de uma absoluta decadência em relação a líderes que convençam apenas pelo nome e seu histórico.

Sinceramente, já está monótono analisar um processo sucessório que não oferece novidades. Estamos todos sendo repetitivos, se revela algo novo ao leitor e muito menos ao eleitor. Tudo está em uma batida de nota só, tanto na oposição quanto na situação, exatamente em razão da ausência torcida no jogo e por absoluta indiferença mesmo daqueles que pretendem o Palácio dos Despachos. O governador Belivaldo Chagas (PSD), que conseguiu estacionar a pandemia no Estado, cuida de inauguração de obras, de novos projetos em vários segmentos do Governo e na recuperação de rodovias estaduais e não demonstra preocupação com quem vai disputar a sucessão pela base aliada, neste momento.

Esse esfriamento geral deve ir até a primeira quinzena de outubro, quando o grupo indica o nome que satisfaz à maioria, para escolha definitiva do líder do bloco, Belivaldo Chagas, que ocorrerá bem mais à frente, depois de uma análise minuciosa das condições do que fora premiado. Essa é a regra do jogo, cuja exceção seria uma rebeldia do menos citado. Até o momento não dá para se prevê rebeldias e talvez tudo ocorra em paz, mesmo que haja um trabalho intermitente de um dos nomes que aparecem só a nível de possibilidade, mas que prepara o bote para maio, já que o registro eleitoral dos candidatos vai de julho a 02 de agosto.

Enquanto isso, setores da imprensa, avaliadores inoportunos e críticos contumazes baixam a lenha no senador Alessandro Vieira (Cidadania), porque ele se dispõe a ser candidato a presidente da República, aparecendo em todos os meios de comunicação do Brasil – rádio, televisão e grandes sites – como um nome certo para terceira via buscando os que não desejam nem Lula e nem Bolsonaro. Parte dos politiqueiros do Estado não engole essa dimensão que o sisudo senador alcançou.

Problema do Interior

Em análise sobre a sucessão, um deputado avaliou que o prefeito Edvaldo Nogueira faz boa administração, é um ótimo gestor, mas tem dificuldade de formar bloco político.

*** Concorda que ele cresceu muito na disputa para ser o escolhido dentro do bloco, “mas pode acabar o sonho quando chegar ao interior”.

*** Edvaldo carrega esse estigma, mas vai começar a viajar pelo interior para tentar desfazer essa avaliação.

Controlar racha

O deputado prevê que Fábio Mitidieri (PSD) conseguiu formar uma estrutura eleitoral potente nas regiões do Estado e é nome forte para disputar o mandato.

*** Acha que ele pode ser o candidato em razão disso e pelo atendimento que dá às lideranças do Interior.

*** O risco que a base aliada corre é ter que controlar possíveis dissidências, caso ocorra um racha por parte de quem não foi escolhido.

Pauta Urgente

O ex-deputado federal André Moura anuncia pauta urgente! “Vamos nos unir para combater a fome nos lares sergipanos de famílias carentes”.

*** E continua: “falta comida na mesa e temos o dever de suprir essa carência cuidando da vida de pessoas”. André é candidato a senador pelo bloco do Governo.

Cidadania se reúne

O senador Alessandro Vieira (Cidadania) vai reunir o partido na quarta-feira para discutir questões da sigla e tranquilizar filiados.

*** Sua provável candidatura a presidente da República está sendo aprovada por alguns e não aceita por outros. Os que não aceitam perguntam: “sim, e a gente, como fica?”

*** A pergunta se direciona ao lançamento de um nome do partido a governador, caso ele dispute o Planalto.

Estratégia enganosa

O senador Rogério Carvalho (PT) disse, ontem, que a comunicação enganosa em massa produziu nesta pandemia a desinformação e levou milhares de brasileiros à morte.

*** – Além disso, a eleição do Bolsonaro é fruto dessa estratégia que contamina e destrói a nossa democracia, disse.

Código Eleitoral

A Câmara Federal abriu discussão sobre o Código Eleitoral, mas a votação será mesmo na quarta-feira da próxima semana.

*** Na visão do deputado federal Fábio Henrique, que participou da reunião como líder do PDT, a Câmara vai votar apenas o fim das sobras e a cota das mulheres, que o Senado já votou.

Eduardo na luta

O médico Eduardo Amorim (PSDB) arregaçou as mangas e trabalha para retornar ao Senado nas eleições de 2022: “venha quem vier, sem medo”, disse e continua: “Deixa o povo agir com sua consciência”.

*** Se dependesse de Eduardo, o candidato a governador de sua chapa seria Valmir de Francisquinho (PL), “mas isso não depende de mim”.

Bosco não é adversário

O deputado federal Bosco Costa (PL) disse ontem que na sua avaliação o nome do candidato que terá aval do Governo está entre Edvaldo Nogueira e Fábio Mitidieri.

*** Bosco deixou claro que não é adversário do Governo e que conversa com o governador Belivaldo Chagas sobre a administração, sem problemas.

*** – Nós do PL não temos nada no Governo, mas não somos adversários e estamos livres para adotar uma posição.

Mudança de partido

O deputado Fábio Reis disse ontem que só depois de uma conversa com o governador é que decide se fica ou não no MDB.

*** Explicou que se Belivaldo Chagas quiser que todo o grupo fique em um só partido, ele se filia na sigla sugerida. Antecipa que se houver coligação ele permanecerá no MDB.

*** Disse que Goretti Reis é a candidata à deputada estadual: “só não vai se não quiser” e que o seu irmão, Sérgio Reis, vai disputar a Prefeitura de Lagarto em 2024.

Tabata e Alessandro

A deputada federal Tabata Amaral (PTB) disse via Twitter que se sentia “orgulhosa com a coragem do meu parceiro de Congresso, Alessandro Vieira (Cidadania) de ser pré-candidato à presidência”.

*** – A presença de alguém tão comprometido com a democracia e a boa política com certeza enriquece a construção de um projeto de 3ª via que possa unir e transformar o Brasil, disse ela.

Daniele mais feliz

A delegada Daniele Garcia (Podemos) retornou ontem de Brasília, onde se reuniu com a direção do partido, bem mais animada. É que o Código Eleitoral só será votado quarta-feira e não vai incluir a quarentena que também atingia delegados.

*** Com isso, segundo informação de um aliado, ela será candidata à deputada federal.

*** Há também informação de que o provável candidato a governador pelo bloco que inclui o Podemos, será o empresário Milton Andrade (PL)

Um bom bate papo

Reinaldo Azevedo – A grana continua a cair fora do barco do malucão. Febraban resiste à chantagem e reafirma compromisso com a democracia.

Carol – Documentos sigilosos apontam que Palocci é possível mandante de hackers que invadiram conversas entre Moro e Dallagnol.

Metrópoles – Secretaria de Saúde suspende aplicação de vacinas na área central de Brasília em 7 de setembro.

Deu na Band – Constituição Federal diz que sigilo de comunicações é “inviolável”, entendimento em decisão recente do STJ.

TV Cultura – O número de carros elétricos ofertados e vendidos começa a crescer, mas ainda é muito pequeno se comparado aos tradicionais.

Maria – Não estou desmerecendo movimento, só acho que não é o momento de levar um tiro na cara!

Estadão – Senador Marcos Rogério anuncia exoneração de assessor preso em operação da PF contra tráfico de cocaína.

Metrópoles – Presidente disse que nunca “brigou com outro Poder”, mas defendeu que Judiciário e Legislativo também precisam “engolir algum sapo”.

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Adepol emite nota após tentativa de homicídio contra delegado
Polícia Civil divulga imagens de suspeito de feminicídio em Maruim
Polícia prende mulher com aproximadamente 5,5kg de cocaína em Aracaju
PMA investe mais de R$ 46 mi em obras de infraestrutura