Aracaju, 28 de setembro de 2021

Sindisan realiza seminário sobre novo marco do saneamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Nos próximos dias 8 e 9 de setembro, o  Sindisan – Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Purificação e Distribuição de Água e Serviços de Esgotos do Estado de Sergipe  – promoverá o Seminário ‘A Nova Lei de Saneamento e o Futuro dos Serviços de Água e Esgoto em Sergipe’, com o objetivo de debater o conteúdo e as consequências da Lei 14.026/2020, que alterou o marco legal do saneamento no país, com rebatimento direto nos estados e municípios, nas companhias públicas e serviços autônomos do setor, e com implicações também para a população.

O evento acontecerá no auditório do sindicato e terá palestras de Edson Aparecido da Silva, sociólogo, mestre em Planejamento e Gestão do Território pela Universidade Federal do ABC, assessor de Saneamento da FNU e secretário Executivo do Observatório Nacional dos Direitos à Água e ao Saneamento – ONDAS; e de Luiz Alberto Rocha, professor Associado da Faculdade de Direito/UFPA, Doutor em Direito do Estado/USP; advogado e consultor jurídico da FNU.

“Com a entrada em vigor da Lei 14.026, em julho de/2020, alterou-se completamente o marco legal do saneamento básico no Brasil, o que trouxe implicações sérias para o setor, especialmente para as companhias públicas de saneamento, e também para os estados e municípios, especialmente os mais pobres, que serão duramente afetados com o fim do subsídio cruzado. Além disso, o novo marco legal escancara o setor de saneamento para a privatização, na contramão do que vem ocorrendo no mundo, onde este setor é tratado como estratégico e seu controle tem sido assegurado à gestão pública”, explica Silvio Sá, presidente do Sindisan, acrescentando que mesmo em cidades onde houve privatização dos serviços de água e esgotamento, esse processo tem sido revertido, com as operações voltando para as mãos dos governos, a exemplo de Paris, Berlim, Buenos Aires, Atlanta e outras.

“O seminário, portanto, tem o objetivo de jogar uma luz sobre essas e outras questões geradas pela Lei 14.026 e discutir os caminhos para garantir que a água e os serviços de esgotamento sanitário sejam direitos assegurados a todos os brasileiros, em todas as localidades, e não apenas onde a arrecadação garantir lucro, o que só interessa às empresas privadas e ao grande capital”, completou.

O Seminário ‘A Nova Lei de Saneamento e o Futuro dos Serviços de Água e Esgoto em Sergipe’ é uma realização do Sindisan com apoio da Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), da Confederação Nacional dos Urbanitários (CNU) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e será aberto a parlamentares e seus assessores, sindicalistas, militantes sociais, trabalhadores do setor e gestores interessados no tema e que tenham compromisso com a defesa da água e do saneamento como bens públicos e de direito coletivo.

Por George W. O. Silva

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia já tem suspeito do roubo das joias de Ana Alves, que inclui anel do seu pai, e já vai ouví-lo
Seduc convoca 57 educadores profissionais aprovados em seleção para cursos técnicos
Sergipe recebe mais de 67 mil vacinas para aplicação em primeira e segunda doses
Luciano Bispo diz que PDES revela potencialidades para investimentos