Aracaju, 22 de setembro de 2021

Sinais claros de afastamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

 

 

Diógenes Braynerdiogenesbrayner@gmail.com

Não havia dúvida da saída do Partido dos Trabalhadores da base aliada do governador Belivaldo Chagas. É um fato que se iniciou no pleito de 2020, quando o partido não aceitou a candidatura à reeleição do prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PDT), e partiu para uma candidatura própria, tendo o ex-deputado federal Márcio Macedo a prefeito. O rompimento seria apenas na Capital, mas na política não existe cisão parcial, porque afeta toda a estrutura do grupo e se cria uma quebra de confiança entre líderes que formam a cúpula.

Depois do pleito municipal e com eleitos e derrotados definidos, o que havia de unidade estava apenas entre o bloco da base aliada que disputou, tendo o candidato petista como adversário. Ficaram mágoas e decepções, além da desconfiança de que a disputa para a sucessão estadual, em 2022, registraria problema idêntico. Praticamente afastado do bloco, o Partido dos Trabalhadores sinalizava que teria candidato a governador, mesmo que o nome do indicado não saísse da maioria da base aliada e fosse indicado pelo governador Belivaldo Chagas, que permanecerá no cargo até o final. A fotografia do momento é realmente essa que foi se formando desde o pleito de 2020.

É um direito absoluto do PT não aceitar o acordo de só ter candidato ao Governo se fosse o escolhido pela base. O lançamento de uma candidatura majoritária, como a do senador Rogério Carvalho, não é só legítima, como o nome tem força para competir e até de endurecer o confronto. Só que isso não aconteceria, com o PT se mantendo aliado do Governo e assegurando presença de membros indicados pelo partido em posições importantes na Administração. A decisão de afastar auxiliares endossados pelo PT teve início com a saída do secretário da Agricultura e havia perspectiva de novas demissões no decorrer do tempo em que a candidatura petista fosse se consolidando.

Deveria ter acontecido novas demissões, porque o senador Rogério Carvalho deixava muito claro que manteria a candidatura à sucessão estadual, mesmo que não fosse o escolhido pela base e decidido pelo governador. Tentou levar isso para mais adiante, mas não dava para sentir mais entendimento entre a legenda e o bloco. Ontem ocorreu o desfecho final, quando o governador Belivaldo Chagas demitiu o presidente do Ipesaúde, médico Christian Oliveira, que estava à frente da instituição há alguns anos, exatamente por indicação de Rogério Carvalho. Não se pode deixar de reconhecer o bom trabalho de Christian à frente do Ipesaúde.

O que provavelmente antecipou a demissão de Christian Oliveira foi à visita que Rogério Carvalho fez ao prefeito de Simão Dias, município de atuação política do governador Belivaldo Chagas, acompanhado de adversários ferrenhos, o que fora interpretado por setores da base aliada como uma provocação cometida por um membro que ainda se mantinha no bloco governista. Teria sido uma reação rápida. Até o momento o PT não se pronunciou, e o presidente estadual do partido, João Daniel, disse que avaliará isso mais adiante. Na visão de setores da aliança, o PT vai aproveitar todos esses fatos, para dizer que não tinha mais clima para se manter na base, porque ela não o queria.

Há verdade nisso com uma reciprocidade: nem o bloco quer o PT e nem o PT quer a base sem que seu candidato seja o indicado a governador. Mas tem um detalhe: parte significativa base aliada vota em Lula para presidente e pode desistir se houver a disputa com polarização.

Demissão de Christian

A demissão do presidente do Ipresaúde, medico Christian Oliveira, feita ontem pelo governador Belivaldo Chagas (PSD) era prevista desde quando foi demitido o secretário da Agricultura.

*** Um servidor do Ipes disse que não ficou surpreso, nem o próprio Christian: “a exoneração era esperada, porque era uma indicação de Rogério Carvalho e está claro o afastamento do PT da base aliada”.

George é da cota pessoal

A indicação do secretário da Administração, George Trindade, é da cota pessoal do governador Belivaldo Chagas, que não pretendia mais influência política no Ipes.

*** Quando as notícias de que auxiliares indicados pelo PT começasse a ser trocados, algumas lideranças políticas da base se anteciparam em querer indicar o presidente do Ipesaúde.

*** Simone Loredo disse que George Trindade é “excelente  administrador, dedicado, um servidor sem coroa na cabeça e sem rei na barriga”!

Sinais de provocação

Políticos ligados ao governador Belivaldo Chagas (PSD) disse que ele se sentiu provocado pelo senador Rogério Carvalho (PT), que na quarta-feira foi a Simão Dias, sua cidade, ao lado de adversários políticos, com o objetivo de afrontá-lo.

*** Rogério Carvalho anuncia que é pré-candidato a governador, integra a base aliada do Governo e tinha indicações na administração.

PT vai aguardar

O presidente estadual do PT, deputado João Daniel, disse ontem que pela decisão de Belivaldo Chagas no caso do Ipesaúde, “ele não quer o PT no Governo, acho isso”.

*** – Mas não sei se ele falou com Rogério Carvalho, disse e acrescentou: “nós não vamos responder, mas aguardar sem pressa e sem problemas”.

Jackson e candidatura

Circulou, ontem, à informação, de que o ex-governador Jackson Barreto (MDB a caminho do PSD) seria candidato ao Senado. A coluna não confirmou.

*** Jackson Barreto tem trabalhado para ser candidato a deputado federal e neste momento teria pouca chance de chegar ao Senado, pois o grupo já tem nome definido para disputar o mandato.

Samuel retorna

O deputado estadual Capitão Samuel, de licença das atividades na Alese, retorna dia 24 deste mês. Diz que está tudo bem de saúde, mas concluirá os dias determinados pelo médico.
*** Segundo Samuel: “Voltarei com todo gás na pré-campanha a deputado federal, com escolha de novo partido, etc…”

Sorriso do senador

O senador Alessandro Vieira (Cidadania) esteve com a ministra da Agricultura, Thereza Cristina, na pauta pagamento de quatro emendas destinadas por ele ao Estado.

*** Até aí nada demais. O inusitado mesmo foi o sorriso largo de Alessandro, que até hoje ninguém havia visto.

Alessandro lê cartinha

Senador Alessandro disse que leu a cartinha do ex-presidente Temer que o Bolsonaro assinou. E pergunta: “Será que agora o Temer passa a governar também? Será que vai redigir cartinha explicando mansões e rachadinhas”?

*** E adverte: “Vai vendo Brasil! Quem votou para ‘mudar tudo isso aí’ faz o que? Espera cartinha para baixar o preço da gasolina”?

Tamanho dos sonhos

O senador Rogério Carvalho (PT) está em Sergipe desde a semana passada e faz visitas a municípios e lideranças políticas. Evita falar em candidatura ao Governo, mas isso já é de conhecimento de todos.

*** Tem usado uma frase que marca seu objetivo: “Sergipe pode mais! Nossa luta é para construir um estado do tamanho dos nossos sonhos”!

*** Rogério tem exposto recursos de emendas individuais (e extras) que passa para os municípios.

República de Bananas

Maria Eugênia Déda diz que “além de República de Bananas, agora somos a República dos Caminhoneiros. Eles reclamam o preço da Gasolina ou Diesel? Não!”

*** E continua: “querem a destituição de ministros do STF! É inacreditável que ainda tenha gente de boa fé seguindo essa turba de terroristas”!

Ultrapassa limites

O senador Rogério Carvalho (PT) diz que “o estágio das fake news bolsonaristas ultrapassou todos os limites. Inventar que o presidente decretou “estado de sítio” é viver um universo paralelo”.

*** Para o senador, “nossa instabilidade institucional, social e moral será resolvida com a retirada do Bolsonaro da presidência. Falta pouco para isso”!

Um bom bate papo

O Globo – Presidente Jair Bolsonaro recua e diz que ataques ao STF “decorreram do calor do momento”

Renato Terra – Ah, gente, quem nunca perdeu a cabeça e, no calor do momento, orquestrou um Golpe de Estado?

Breno Pires – O senador Alessandro Vieira tem sido um dos poucos parlamentares a bater no tema do orçamento secreto.

Guilherme Amado – Imagino como deve estar se sentindo idiota quem vestiu verde e amarelo e penou no sol do 7 de setembro em defesa de Bolsonaro.

Emir Sader – O tom depressivo da fala dele aos caminhoneiros da’ ideia do seu estado de ânimo de derrota.

Uol Notícias – Bolsonaro diz que Barroso não convence ninguém sobre urna eletrônica horas após nota de recuo.

Miranda de Sá – A Ficha Caiu? – Saindo de “bandinha”… : Alvo de Alexandre, Otoni de Paula critica recuo do capitão Bolsonaro: ‘Leão que não ruge vira gatinho’.

Livres – Dois dias após atacar o STF e criar uma crise institucional, Bolsonaro volta atrás e desagrada seus seguidores.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Câmara Municipal de Aracaju aprova 17 proposituras nesta quarta-feira
Senar Sergipe abre inscrições para o curso de frangos e galinhas
Região Nordeste registra etanol mais caro do País nos primeiros dias do mês, aponta Ticket Log
Em nota, SSP diz que o delegado Marcelo Hercos permanece em estado grave, intubado e sedado