Aracaju, 23 de setembro de 2021

Relatório aponta impacto das mudanças climáticas no mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Com o objetivo de fornecer uma avaliação mais recente do conhecimento científico sobre o aquecimento do planeta e projeções para o aquecimento futuro, além de avaliar seus impactos no sistema climático, a Organização das Nações Unidas divulgou o relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) intitulado “Mudanças Climáticas 2021: a Base das Ciências Físicas”.

O relatório aborda a compreensão física mais atualizada do sistema climático e da mudança climática, reunindo os últimos avanços na ciência do clima e combinando várias linhas de evidências de paleoclima, observações, compreensão de processos e simulações climáticas globais e regionais.

“Os dados que foram apontados não são novidade e já vem sendo discutido de forma bastante pragmática desde 2015. Já havia uma discussão muito grande no sentido de que precisamos limitar o aumento da temperatura do Planeta Terra em pelo menos 2 ° C. À época, o acorde de Paris conseguiu fazer foi 1,5 ° C”, declara o professor do Programa de Pós-graduação em Direitos Humanos da Unit, doutor Dimas Pereira Duarte.

O relatório fornece novas estimativas das chances de ultrapassar o nível de aquecimento global de 1,5 ° C nas próximas décadas e constata que, a menos que haja reduções imediatas, rápidas e em grande escala nas emissões de gases de efeito estufa, o aquecimento deve ser limitado a cerca de 1,5 ° C ou mesmo 2 ° C estará fora de alcance.

“Este relatório, que foi produzido a partir de uma revisão muito ampla de tudo que vem sendo discutido pelos cientistas do mundo todo, trouxe como reflexão foi que esse um grau e meio a mais ele já vai chegar na próxima década. Então, o relatório não nos fornece um cenário muito confortável e nem tão pouco nos remete para um momento muito futuro”, enfatiza o pesquisador.

O relatório destaca ainda que as emissões de gases de efeito estufa das atividades humanas são responsáveis por aproximadamente 1,1 ° C de aquecimento desde 1850-1900, e conclui que, em média, nos próximos 20 anos, a temperatura global deverá atingir ou ultrapassar 1,5 ° C de aquecimento.

“Durante muito tempo essa foi uma questão bastante discutida. O relatório traz uma informação que é praticamente irrefutável que é a que existe a interferência humana e que isso vem acelerando significativamente esse processo de aquecimento global”, frisa.

“O relatório demonstra que os maiores eventos adversos climáticos, enchentes e secas já baterá em nossa porta na nossa próxima década”, complementa.

O docente da Unit destaca que o relatório também quantifica quanto à ação humana e a aceleração no processo de mudança e aquecimento global. “As nossas ações de economizar água e da preocupação com o tipo de energia utilizada são pequenas coisas que afetam diretamente a nossa vida. Precisamos refletir nesta questão de mudança climática para pensar em preservação, proteção do meio ambiente e manutenção das nossas próprias condições de vida no Planeta Terra”, salienta.

“É essencial que haja não somente esse senso de responsabilidade individual e coletivo, assim como um posicionamento político firme. Existem políticas públicas e ações governamentais que nem sempre tem acompanhado esse senso de responsabilidade”, finaliza o pesquisador.

Assessora de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Senado sepulta as coligações
Polícia identifica suspeito de alugar carro utilizado em ação que baleou delegado
Os estudos clínicos e uso de medicamentos em menores de 18 anos
Delegado Marcelo Hercos está internado na UTI em estado grave e instabilidade do quadro