Aracaju, 22 de setembro de 2021

Alessandro Vieira defende que a CPI da Covid-19 dure o tempo que for necessário

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O senador Alessandro Vieira (Cidadania) defendeu nesta terça-feira (14) que a CPI da Covid dure o tempo que for necessário – e não, necessariamente, acabe em setembro como tem proposto o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL). Entre as dificuldades encontradas hoje pelos membros da CPI está a falta de acesso aos documentos* e a *necessidade de ouvir importantes depoimentos. “Nosso prazo maior vai até início de novembro”, reiterou Vieira, diante do colegiado. Renan Calheiros tem afirmado que pretende apresentar o relatório final sobre os trabalhos da comissão e a sugestão de indiciamento dos potenciais culpados no dia 24 de setembro.

Alessandro Vieira disse que está difícil para senadores acessarem documentos e que falta ouvir importantes depoentes que precisam esclarecer denúncias recebidas pela CPI. O senador Alessandro Vieira a prorrogação do trabalho da CPI da Covid, para não prejudicar o andamento de apurações cruciais para o indiciamento dos responsáveis. “Essa CPI tem muita coisa pra fazer. Eu sei que o relator tem objetivos claros com relação a prazo”, disse Vieira, “mas é fundamental, segundo ele, que a CPI execute essa missão crucial de cobrar das autoridades sua responsabilidade. É muito fácil jogar pedra. Mas tem hora que é preciso carregar a pedra”, ensinou Alessandro Vieira.

“Essa CPI tem desafios marcantes e talvez o mais importante, do ponto de vista da estratégia da investigação, é não perder os caminhos”, apontou Alessandro Vieira. “Na apuração que fazemos aqui, das ações e omissões do governo federal, durante a pandemia, muito claramente esbarramos num esquema de grande lavagem de dinheiro, de drenagem de recursos públicos, de corrupção”, apontou o senador. “Mas a CPI não conta com as ferramentas adequadas para dar andamento a uma investigação dessas até o final. O que ela pode fazer, e está fazendo, é colocar muita luz sobre uma realidade”, explicou.

O senador, que é delegado da Polícia Civil em Sergipe, afirmou que “essa CPI não foi a única que recebeu os relatórios de inteligência do Coaf” (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), mostrando operações milionárias suspeitas, mas também as autoridades, como o Ministério Público Federal e a Polícia Federal, a quem cabe tomar providências. “Tudo isso está sendo mapeado pela CPI para ser encaminhado aos órgãos competentes: empresas povoadas por laranjas, fantasmas, contas de passagem, todo o roteiro típico de uma grande esquema de lavagem”, disse disse o senador. “A corrupção não é de esquerda, nem de direita, é um comportamento humano que passa pela falta de atividade, na omissão dos órgãos de controle”.

A reação do senador ocorreu após inquirir o depoente do dia, o *advogado e empresário Marcos Tolentino*, que prestou depoimento à comissão, mas, amparado numa decisão do Supremo, esquivou-se a maior parte do tempo em responder. Tolentino nega, mas ele é considerado pela cúpula da comissão o “sócio oculto” do FIB Bank instituição que emitiu carta-fiança para a contratação, pela Precisa Medicamentos, para a compra de lote da vacina indiana Covaxin. O contrato da Precisa com o Ministério da Saúde para o fornecimento das vacinas acabou encerrado após denúncias de irregularidades.

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Câmara Municipal de Aracaju aprova 17 proposituras nesta quarta-feira
Senar Sergipe abre inscrições para o curso de frangos e galinhas
Região Nordeste registra etanol mais caro do País nos primeiros dias do mês, aponta Ticket Log
Em nota, SSP diz que o delegado Marcelo Hercos permanece em estado grave, intubado e sedado