Aracaju, 22 de setembro de 2021

Partidos pensam em (com) fusão

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Diógenes Braynerdiogenesbrayner@gmail.com

Muita coisa incômoda ainda vai acontecer na base aliada, independente de problemas naturais que podem ocorrer com a escolha do candidato à sucessão estadual em 2022. Esses problemas são naturais de alianças políticas que convergem em uma direção, mas divergem nos interesse. Lógico que a base é unida, se entende bem e tem uma liderança que puxa as rédeas com certa rigidez e habilidade. Todos entendem naturalmente que o espernear faz parte de inconformismos naturais quando se entra em contrariedade. E isso não é apenas para formação de uma chapa majoritária, mas também para as eleições que definem deputados federal e estadual.

Há certo frisson entre os pré-candidatos à Câmara Federal, incluindo os que disputam à reeleição. E não será fácil controlar os que se sentem em situação de inferioridade eleitoral, mas que podem se superar com a composição com outro partido. Tem candidato ressentido com a possibilidade do nome escolhido para disputar o Governo, ter preferência entre candidatos à Brasília. E essa discussão se põe na mesma dimensão com que se prepara o nome a governador do bloco, que precisará do apoio de todos. Até a oficialização dos registros, um outro cenário pode acontecer. Não de cisão, mas do número de legendas para que alguns partidos pequenos consigam se agigantar.

Fusão é a palavra mais citada, mesmo que gere uma confusão. E nesse desenho se incluem as chapas para estaduais e federais, em razão das diferenças entre os que têm mandato e aqueles que tentam alcançar esse objetivo. Os cálculos de integrantes dos partidos mais frágeis, são de que existem pelo menos dez nomes com suporte eleitoral muito forte e alguns de médio portes não querem servir de “alavanca” para quem está com a cabeça batendo nos números mais altos. Assim, as siglas que exibem menor condição de eleger pelo menos um, conversam para que se unam e se tornem robustos, em condições de disputar o mandato em igualdade de condições.

Como consideram que essas candidaturas são desiguais, os partidos menores avançam nas conversas e podem se fundir, para que possam eleger parlamentares através de chapas competitivas dentro da base aliada. A avaliação é que o bloco ficará menor, mas mais fortes, porque ninguém vai abandonar o barco, mas se unir para conseguir atravessar o que considera um mar revolto para uns e um oceano tranquilo para outros, atualmente ocupando o mesmo espaço. Será uma discussão ampla e talvez tumultuada, inclusive porque já há sussurros que tem alguns gastando com “boas compras”.

Bursite incômoda

Depois de uma reunião com lideranças de Graccho Cardoso, o governador Belivaldo Chagas pediu: “não estranhem a tipóia que uso no braço direito”.
*** E explicou: “continuo trabalhando normalmente, mas estou com uma bursite no ombro, já com acompanhamento médico”.

*** – Se Deus quiser, estarei 100% logo, logo.

Caminhada difícil

O senador Alessandro Vieira (Cidadania) disse que vem trabalhando na construção de alternativas para Sergipe e para o Brasil.

*** Diz que “tudo está no início e não será uma caminhada fácil”.

*** No entendimento de aliados de Alessandro, com a indicação do seu nome para integrar uma terceira via como candidato a presidente, complica candidaturas parlamentares.

Edvaldo e pesquisa

O prefeito Edvaldo Nogueira (PDT) continua trabalhando a sua administração sei deixar de tratar sobre a sua pré-candidatura a governador, buscando o apoio da base.

*** Em recente pesquisa do Instituto França ele continua se saindo à frente, com aceitação maior na grande Aracaju.

*** Edvaldo vai bem no páreo, mas não adotará qualquer posição contrária, caso não seja ele o indicado pela base aliada.

Valmir faz pesquisas

O ex-prefeito Valmir de Francisquinho (PL) disse ontem que “toda conversa existe neste momento”, e confirmou que Rogério Carvalho o procurou e lhe disse que estava aberta, para ele, a vaga de vice-governador e Senado.

*** Francisquinho disse que “é possível! Tudo é possível, mas a gente tem que fazer análise, porque falta muito tempo e tudo continua sendo conversa para todo mundo”.

*** E foi aí que Francisquinho explicou: “tem também a candidatura a governador e ela se mantém como? Naquela linha que sempre falei”.

Contrata Institutos

Valmir de Francisquinho explicou que contratou dos institutos de pesquisas para avaliar o seu nome e, “se a população de Sergipe – a maioria – disser que não quer votar no candidato apoiado pela base aliada, então nós vamos disputar o Governo”.

*** – Agora, se a população de Sergipe entende e der essa demonstração através das pesquisas, que são feitas com finalidade correta e séria, elas batem. A gente não faz pesquisas para enganar-se, porque são para consumo interno, disse.

*** Essas pesquisas vão revelar o que o povo pensa: “se irei a governador, a vice, a senador. Na chapa de quem? De Rogério ou de outro candidato? Então a deputado federal. A gente tem que saber tudo isso”.

Teixeira avalia suplência

O empresário Teixeira Caminhões agradeceu ontem o convite do deputado federal Valdevan Noventa (PL), que anuncia candidatura ao Senado Federal.

*** Valdevan convidou, em entrevista a Rio FM, Teixeira Caminhões, dono da rádio, para ser o suplente em sua chapa para o Senado.

*** Teixeira surpreendeu ao dizer que vai analisar a proposta em conversa com a família e acrescentou: “o futuro a Deus pertence”.

Vive em campanha

O deputado federal Fábio Mitidieri (PSD), pré-candidato a governador, disse, em tom de brincadeira, que “vive em campanha” e acrescenta que “minha pesquisa é diária, no contato com as pessoas e com as lideranças”.

*** Disse que estava buscando conversa com o ex-prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho.

*** Quanto ao presidente da Assembleia, Luciano Bispo, falou que ele “tem tido postura muito correta, como sempre, pensando no grupo”.

Milton e Daniele

O senador Alessandro Vieira (Cidadania) conversou com membros do partido e a decisão é aguardar até outubro, para tomar uma decisão quanto à chapa majoritária do partido ao Governo.

*** Alessandro integra a lista de alguns nomes que podem disputar a terceira via para presidente da República. Caso o nome dele não avance, pode candidatar-se a governador.

*** Na possibilidade de vingar a terceira via, o empresário Milton Andrade deixa o PL, filia-se ao Cidadania e disputa o Governo, com chance de ter Daniele Garcia (Podemos) na chapa, ao Senado.

Paulo Jr a estadual

O vice-prefeito de São Cristóvão, Paulo Jr. (MDB) é candidato a deputado estadual em 2022, mas ainda aguarda a definição de como serão as regras do pleito.

*** Disse que da forma que o seu partido está, pode trocar de legenda “porque o MDB não está se mobilizando”. Sérgio Reis garantiu que o partido vai montar chapa para a Alese.

*** Quanto ao nome para Governo do Estado, revela que acompanhará o prefeito da sua cidade, Marcos Santana, que anunciou apoio a Rogério Carvalho (PT).

Fábio contra PEC

O deputado federal Fábio Henrique (PDT) diz que segue firme na luta contra a PEC 32: “ela acaba com os concursos, quando cria o contrato temporário de até 06 anos. Além de terceirizar os serviços de saúde e educação”.

*** – Defendemos um Serviço público eficiente, que atenda melhor ao povo, mas não é destruindo que vamos resolver, disse Fábio.

Sobre os Valadares

O ex-deputado federal Valadares Filho (PSB) está disposto a disputar o seu retorno à Câmara Federal no próximo ano.

*** Disse que na atual legislação, seu partido formará uma chapa concorrente à Câmara, citando Dr. Êmerson, que se filiou ao PSB.

*** Já o ex-senador Valadares está até para disputar vaga na Assembleia Legislativa ou para participar de chapa majoritária.

MP das redes sociais

Alessandro Vieira (Cidadania) diz que a MP das Redes Sociais teve sua vigência suspensa por decisão da ministra Rosa Weber e foi devolvida pelo senador Rodrigo Pacheco, presidente do Senado.

*** – O motivo é simples, como denunciamos via Mandado de Segurança: ela é inconstitucional. O tema é relevante, mas não cabe em MP, admitiu.

Um bom bate papo

De Maria – Aquela lista da Odebrecht nunca existiu. R$4 bi recuperados também não. Mensalão, Petrolão é tudo esquizofrenia nossa. Uma realidade paralela, tipo Matrix.

Ronaldo Lemos – Precisa e acertada a decisão do presidente da Ministra Rosa Weber de suspender a eficácia da MP 1.068 que buscava alterar o Marco Civil.

Gilberto Natalini – Tá tudo dominado. O acordão da impunidade está em curso no Brasil. Serve pra “direita”, serve pra “esquerda”, serve pro “centrão”. Só não serve pro Brasil.

Sônia Bridi – Pois é, pois é. Ouvi uma vez uma história de um economista que achava que podia -palavras dele – “domar um tosco” que queria ser presidente.

Fausto Macedo – Deputado pede à PGR que investigue improbidade administrativa em contratos do ‘tratoraço’ suspensos após CGU apontar sobrepreço.

Emir Sader – Quadrilha integrada por assessor de Marcos Rogério usava novo corredor das drogas, por isso movimentou R$ 1,5 milhão em 15 dias.

Ricardo – Primeira condenação real. Das práticas de rachadinhas. Parece que não, mas isso é preocupante para a família bolsonaro.

João Azevedo – Está muito difícil. No interior da Bahia já tem gente passando fome e vivendo de ajuda de outras pessoas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia Civil divulga imagens de suspeito de feminicídio em Maruim
Polícia prende mulher com aproximadamente 5,5kg de cocaína em Aracaju
PMA investe mais de R$ 46 mi em obras de infraestrutura
Alese promove curso sobre Processo Legislativo