Aracaju, 27 de setembro de 2021

SINDISAN promove dois dias de debate sobre futuro do saneamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Especialistas esmiuçaram a Nova Lei de Saneamento e discutiram o Futuro dos Serviços de Água e Esgoto em Sergipe

Por: Iracema Corso

A água que sai na torneira da sua casa e o direito ao saneamento básico em Sergipe e em todos os municípios brasileiros foram assuntos discutidos no Seminário organizado pelo Sindisan (Sindicato dos Urbanitários de Sergipe), nos dias 8 e 9 de setembro. O Seminário contou com apoio da Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), da Confederação Nacional dos Urbanitários (CNU) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

A partir do tema ‘A Nova Lei de Saneamento e o Futuro dos Serviços de Água e Esgoto em Sergipe’, o sociólogo Edson Aparecido da Silva e o professor da UFPA, doutor em Direito do Estado, Luiz Alberto Rocha, fizeram uma retrospectiva de toda história do saneamento até chegar à realidade atual da Lei 14.026/20.

Durante o seminário, o Sociólogo Edson Aparecido e o Professor de Direito Luiz Alberto resgataram toda a trajetória das políticas de saneamento construídas ao longo do tempo no Brasil até chegar ao momento atual.

“Estudos mostraram que diante da desigualdade brasileira, o saneamento no Brasil deve ter planejamento estadual, segurança jurídica e financeira, com formação da taxa única através do subsídio cruzado para que toda a população tenha condições de ser atendida pelo serviço de distribuição de água tratada e saneamento básico”, explicou o professor Luiz Alberto.

A reestruturação do Saneamento no Brasil foi uma das prioridades ainda no primeiro mandato do Governo Lula, responsável pela a criação dos Conselhos da Cidade; a implementação de mecanismos de controle e participação social; a retomada do financiamento do saneamento (PAC 1 e PAC 2); e a retomada do planejamento.

No Governo Lula foi criado o Plano Nacional do Saneamento (Plansab), construído a partir de um processo democrático, com muita consulta pública e seminários regionais que resultaram na Lei Nacional de Saneamento, 11.445/2007.

Nova Lei de Saneamento

Num movimento contrário, desde o golpe de 2016 que tirou a presidenta Dilma da presidência, uma sequência de leis buscam empurrar o Brasil para a armadilha da privatização do saneamento. Assim, no governo Temer, foi aprovada a Lei das Parcerias Público Privado (PPP), Lei 11.079, e houve várias tentativas de privatizar o saneamento público. Com a pressão do movimento sindical, importantes vitórias foram alcançadas desde 2016.

No entanto, agora Bolsonaro conseguiu aprovar a lei 14.026/20 que institui o Novo Marco do Saneamento.

“O novo marco do saneamento implementa um novo raciocínio de afunilar a autonomia dos municípios para levá-los a um contrato de programa de privatização da concessão dos serviços de saneamento. Num consórcio licitatório, o serviço provavelmente passará para a iniciativa privada com riscos concretos aos princípios da isonomia de cobertura (justiça socioambiental). Com esta lei pretende-se adequar o saneamento a um modelo de negócio rentável e interessante à iniciativa privada”, explicaram os palestrantes durante o Seminário.

Segundo os palestrantes, contra a lei que permite a privatização do saneamento, a primeira estratégia de luta é no campo jurídico, portanto o movimento sindical ingressou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) que será julgada no próximo dia 24 de novembro.

Presidente da CUT Sergipe, Roberto Silva também participou do Seminário e destacou que é muito desafiador este momento difícil em que o governo federal está decidido em entregar todo o patrimônio nacional à iniciativa privada.

“O saneamento é um filão que gera muito lucro, e as grandes empresas estão de olho neste setor de investimento elevado por parte do poder público. É uma luta muito dura, e o caminho é a formação para fortalecer a base, a militância, na luta contra a entrega do patrimônio do país ao estrangeiro. Água é vida, então a implicação social é direta, por isso precisamos conversar com a sociedade sobre este assunto fundamental”, destacou Roberto Silva.

No fim do Seminário, a secretária Iara Costa apresentou uma proposta de Plano de Luta que foi lido e aprovado por todos para orientar os próximos passos da mobilização dos dirigentes sindicais do SINDISAN.

O presidente do SINDISAN, Sílvio Sá, ressaltou que o Seminário cumpriu todos os seus objetivos de fustigar o debate sobre o saneamento no Brasil entre dirigentes do SINDISAN e militantes de esquerda. Assim, também serviu para estimular a promoção de Seminários desta natureza que serão construídos em outros estados brasileiros.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Estado inicia pagamento dos servidores públicos nesta quarta-feira, dia 29
Escolas estaduais intensificam preparação para o Enem 2021
Ato Fora Bolsonaro vai ocupar ruas da Coroa do Meio no sábado
Adolescente de 14 anos morre após se afogar em açude no município de Salgado