Aracaju, 23 de outubro de 2021

Protesto contra feminicídio em Estância cobra políticas de combate ao machismo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

por: Iracema Corso

O assassinato machista da comerciante Leda Passos, aos 33 anos de idade, dentro de sua própria residência e praticado pelo seu marido, chocou a cidade de Estância. Na última quinta-feira, dia 17/9, 3 anos depois do assassinato a facadas, aconteceu o Júri Popular.

Durante o dia, familiares e amigos de Leda Passos organizaram uma manifestação na cidade de Estância para protestar contra o Feminicídio que todos os anos faz vítimas na cidade.

A vice-presidenta da Central Única dos Trabalhadores (CUT Sergipe), Ivônia Ferreira, participou do protesto. “Aqui em Estância todos os anos temos casos de feminicídio. Não aceitamos que a companheira Leda Passos seja mais uma vítima do feminicídio. Queremos dar esta força não só à família de Leda, mas para todas as mulheres que são vítimas de agressão”, declarou Ivônia Ferreira.

Representante do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, Guadalupe Bastista afirmou que a luta contra o feminicídio é diária. “Estamos aqui pedindo justiça por Leda Passos, que teve sua vida ceifada em abril de 2018, em um crime bárbaro que chocou a população de Estância. Hoje o autor deste crime vem a júri popular. Estamos, como mulher, mãe, amiga e pedindo justiça por Leda e por outras mulheres. Chega de machismo, chega de nos matarem. Por nenhuma mulher a menos!”.

Amiga de Leda Passos, a psicóloga Carla Laíse levou seu luto para a manifestação contra o machismo.

“Precisamos estar atentas e atentos e nos unir contra atitudes e pensamentos machistas porque o feminicídio é consequência final na vida de uma mulher que é vítima de machismo todos os dias. Precisamos entender que o problema vem desde comportamentos controladores e abusivos que parecem inofensivos, mas que denunciam o pensamento de que a mulher é propriedade do seu marido e precisa ser submissa. Precisamos proteger e acolher umas às outras. Mulheres vítimas que estão vivas ainda, elas precisam de mais rede de apoio e menos julgamento. A mudança de pensamento precisa ser coletiva”.

No fim do dia, às 20h30, o Júri Popular decidiu pela condenação do réu a 14 anos de prisão. Na avaliação da vice-presidenta da CUT Sergipe, o feminicídio precisa ser combatido pela sociedade com o apoio de políticas públicas de Governo efetivas e capazes de proteger as mulheres do assassinato machista.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia Civil de Estância realiza quatro prisões por tráfico de drogas no município
Aracaju suspende vacinação contra Covid durante o fim de semana 
Empresa ceramista sergipana inicia vendas e retoma fábrica
Terceiro sorteio da mega-semana da sorte pode pagar R$ 26,5 milhões neste sábado (23/10)