Aracaju, 22 de outubro de 2021

Luta unificada dos servidores conquista Mesa de Negociação do Estado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Servidores públicos estaduais de Sergipe começaram a semana com luta na porta do Palácio dos Despachos, na manhã desta segunda-feira, dia 20 de setembro. A manifestação reuniu várias categorias em protesto contra o arrocho salarial de 8 anos, para revogar o desconto de 14% na aposentadoria, contra a renúncia fiscal e a sonegação.

Já como resultado da luta unificada dos servidores públicos de Sergipe, o governador Belivaldo Chagas publicou o decreto Nº 40.993, de 16 de setembro de 2021, que institui a Mesa de Negociação Permanente – MNP.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT Sergipe), Roberto Silva, afirmou: “a retomada da mesa de negociação é muito importante e esperamos que esta mesa não seja para ganhar tempo, para a enrolação, para o Governo ficar meses e meses discutindo sem avançar. Esperamos que seja uma mesa efetiva, que funcione e os servidores tenham a pauta de luta assegurada pelo governo”, avaliou.

Segundo Roberto Silva, o protesto revela a unidade dos servidores nesta luta. “Com 8 anos de salário congelado, mais a perda de 51% do poder de compra e, ainda, no caso dos aposentados, a redução de seus salários em 14% todos os meses, tudo isso compõe um cenário insuportável para os servidores. Nossa luta é por revisão salarial já e pelo fim do desconto de 14%, também queremos denunciar à sociedade sergipana o ataque que o servidor público estadual enfrenta”, explicou Roberto Silva.

O presidente da CUT Sergipe citou o estudo do Dieese informando que há um crescimento na receita do governo de Sergipe que beira os 25%. “Não há nenhum tipo de impedimento fiscal nem financeiro para o Governo de Sergipe adotar uma política de reparo às perdas e de valorização do servidor. No governo Albano Franco sofremos por desvalorização, mas estes últimos dois governos Jackson e Belivaldo Chagas estão conseguindo superar todos os antecessores impondo o mais longo congelamento salarial da história do serviço público em Sergipe”, criticou Roberto Silva.

O protesto contou com a presença de várias professoras aposentadas, militantes do SINTESE, das centrais sindicais CUT, CTB e Conlutas, da FETAM, do SINDISAN, SINDIJOR, SINDIFISCO, SINTER, SEESE, SEEB, SINTRASE, SINTASA, SINPOL, ASSINGE, Sindserv Poço Verde e Sindiserve Glória. Em breve os sindicatos devem se reunir para avaliar a manifestação e decidir os próximos passos da luta.

Foto assessoria

Por: Iracema Corso

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Prefeitura de Barra e Sebrae realizam curso para microempreendedor individual
Plantação de maracujá na irrigação estadual dá frutos de alta qualidade
SES capacita profissionais sobre notificação da violência
Caixa d’água descoberta Santa Luzia vira pousada para urubus