Aracaju, 23 de outubro de 2021

Undime/ SE participa do 18° Fórum Nacional de Dirigentes Municipais

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Tônica das discussões girou em torno da garantia da presencialidade do aluno nas escolas.

O 18° Fórum Nacional de Dirigentes Municipais da Educação reuniu em Brasília (DF), no período de 14 a 17 de setembro, representantes das redes municipais de todo o país, além de autoridades da Educação e entidades parceiras, a exemplo do Unicef. Sergipe não ficou de fora e contou com a participação da delegação composta pela presidente e dirigente municipal de Educação de São Cristóvão, Quitéria Barros; delegada e dirigente de Santana do São Francisco, Svetlana Ribeiro; delegado e dirigente de Lagarto, Magson Almeida; dirigente da educação municipal de Aquidabã, Jackson Crisóstomo dos Santos e do dirigente de Frei Paulo, Wagner Dantas.

Durante três dias de evento, a pauta girou em torno da busca ativa escolar; do retorno urgente às aulas presenciais; do regime de colaboração entre entidades, estados e municípios; do Fundeb; do Novo Ensino Médio à luz do currículo, além do fortalecimento da União Nacional de Dirigentes Municipal de Educação (Undime) enquanto promotora da educação inclusiva, equânime e acessível a todos.

O Unicef para Educação se fez presente no evento com o lema “Fora da Escola não pode. Na escola sem aprender também não pode”. Foi comemorado o centenário do pensador pernambucano Paulo Freire, além da eleição da Undime para o biênio 2021- 2023.

Na eleição, Quitéria de Barros trouxe para Sergipe a suplência da Secretaria de Assuntos Jurídicos Escolares da Undime. Como presidente da entidade nacional, foi reeleito o Dirigente Municipal de Educação de Sud Mennucci (SP), Luiz Miguel Martins Garcia; e como vice-presidente, Marcelo Ferreira Costa, dirigente de Canedo (GO). A posse foi realizada na sexta-feira, 18, no Centro de Convenções Brasil 21, em Brasília.

Segundo a professora Quitéria Lúcia de Barros, foram dias de intenso diálogo com vistas a um propósito único: a necessidade de trazer todas as crianças para a escola e entender que não basta a presença dos alunos na escola.

Quitéria Barros ainda informou que todos os esforços precisam ser envidados para, não só garantir a presencialidade dos alunos na escola, mas também, garantir a aprendizagem. “São tempos que são necessários esforços redobrados para corrigir as deficiências, os prejuízos das aprendizagens que foram perdidas durante o período de pandemia. Muito embora reconhecendo que é um esforço grandioso, nós não conseguiremos fazer tudo isso em um único ano. Essa foi a grande tônica do diálogo que foi estabelecido durante os três dias de fórum. Os dados que nos trouxe o Unicef, os dados que nos trouxe todos os organismos que participaram do encontro, além, obviamente, da preocupação com a execução do novo Fundeb, já que essa lei começa a valer a partir de 2021”, explicou.

Para Magson Almeida, dirigente de Lagarto, O Fórum Nacional da Undime, participar do Fórum foi uma oportunidade de discutir o ensino e a aprendizagem durante a pandemia, em que as aulas aconteceram remotamente. “Foi o momento de pensarmos em suprirmos a defasagem causada pela ausência das aulas, e procurarmos avançar no processo com o retorno presencial, para que o aluno não sofra consequências”, afirmou.

Magson Almeida, que integrante da Undime/SE e que participou do processo eleitoral da entidade como delegado, disse que saiu do Fórum com várias ideias e projetos a serem implantados no município do qual é gestor da Educação. “O feedback com palestrantes de todo país e com os diversos dirigentes dos mais de 400 municípios participantes foi importantíssimo, essa troca de experiências é bastante salutar para a educação pública de qualidade com mais eficiência e compromisso com a população educacional”, destacou.

A dirigente de Santana do São Francisco, Svetlana Ribeiro, lembrou do centenário do Patrono da Educação Nacional: Paulo Freire e destacou como encontro proveitoso. “Um encontro muito aguardado tendo em vista todo o período pandêmico que estamos vivendo, bem como as assimetrias de contextos educacionais no mundo e em especial no nosso país. Temas desafiadores, prioritários e atuais balizaram o cenário. A preocupação com uma educação pública equânime e de qualidade. O entrevero não apenas do acesso, mas também da permanência na escola e o caminho para aprendizagem contínua considerando o atual contexto político brasileiro demarcado por retrocessos e desconquistas, nortearam as discussões reflexivas ao longo do Fórum”, disse.

Assessoria de Comunicação

União dos Dirigentes Municipais de Educação, seccional Sergipe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia Civil de Estância realiza quatro prisões por tráfico de drogas no município
Aracaju suspende vacinação contra Covid durante o fim de semana 
Empresa ceramista sergipana inicia vendas e retoma fábrica
Terceiro sorteio da mega-semana da sorte pode pagar R$ 26,5 milhões neste sábado (23/10)