Aracaju, 20 de outubro de 2021

Saúde: O sistema imunológico também envelhece?

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O envelhecimento populacional é uma realidade e, desde o início da pandemia do novo coronavírus, gerou-se uma constante preocupação com diversos grupos de riscos, entre eles, os idosos. A atenção com a imunidade era um fator constante redobrando os cuidados com esse público.

“A pandemia por Covid-19 ressaltou a vulnerabilidade dos idosos em relação às doenças infecciosas, possibilidade de evolução para quadros graves e diminuição à resposta vacinal”, comenta a docente da Universidade Tiradentes, Maria Fernanda Malaman.

Para a especialista, o processo de envelhecimento é um processo natural com uma diminuição progressiva da reserva funcional do organismo. “Em condições normais, provoca apenas limitações, mas não podemos esquecer que o envelhecimento é um processo que envolve complexas mudanças que afetam a integridade de diversos tecidos”, destaca.

“O sistema imune não é uma exceção e as alterações imunológicas observadas no envelhecimento são chamadas de imunossenescência”, acrescenta a docente da Unit.

De acordo com a professora Maria Fernanda Malaman, o envelhecimento imunológico está associado ao progressivo declínio de seu funcionamento. “As principais funções do sistema imunológico são combater os agentes infecciosos e eliminar células malignas. Com isso, há um aumento da suscetibilidade a infecções, doenças autoimunes e câncer, além de redução da resposta vacinal”, salienta.

Com a declínio do sistema imune durante o processo de envelhecimento, a professora alerta para o efeito das vacinas nos idosos.

“As vacinas estimulam o sistema imunológico e protegem contra doenças. Todos devem estar com seu calendário vacinal completo e atualizado, não apenas para evitar a disseminação e os casos graves do novo coronavírus”, salienta.

“Com o passar dos anos, não só a memória celular sobre como responder às infecções e às vacinas tende a se perder, como infecções inativas podem se reativar. Essas alterações, associadas a comorbidades, comuns em idosos, aumentam o risco de complicações. Além disso, quem está com as vacinas incompletas põe em risco não apenas a si próprio, como pode se tornar um disseminador de doenças, em especial para os grupos mais susceptíveis”, finaliza Maria Fernanda.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Simula Enem aplicado presencialmente em todos polos Preuni
Belivaldo mostra o “dever de casa” que fez nas contas do Estado para “Sergipe avançar”
18 anos do Bolsa Família são destacados pelo deputado João Daniel em sessão da Câmara
Com 6ª alta consecutiva, preço da gasolina já está 12% mais caro nas primeiras semanas de outubro