Aracaju, 20 de outubro de 2021

Alta das mercadorias e combustíveis pressionam os pequenos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Elevação de custos tem causado dificuldades para empreendedores sergipanos

O aumento no preço dos insumos e das mercadorias e a alta dos combustíveis têm sido os fatores que mais têm pressionado os custos dos pequenos negócios em Sergipe. É o que indica a 12ª edição da Pesquisa de Impacto da Pandemia nos Pequenos Negócios, realizada pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) entre o fim de agosto e o início de setembro.

O gasto com insumos foi apontado por 38% dos empreendedores como o principal para manter a empresa em funcionamento. O custo com combustíveis, por sua vez, foi citado por 23% dos entrevistados. As despesas com aluguel e energia elétrica também merecem destaque, sendo citados por 18 e 10% dos empresários, respectivamente.

A tendência é que esse cenário persista nos próximos meses. A expectativa do setor financeiro é que a inflação fique em torno dos 8% para esse ano. Somente até agosto, o preço da gasolina avançou 31,09%, enquanto o do diesel acumula alta de 28,02%, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

“A situação das pequenas empresas é preocupante. Por um lado, o faturamento ainda não retornou aos níveis pré-pandemia. Por outro, temos verificado um aumento nos custos desses negócios, o que contribui para que a lucratividade diminua. Tudo isso tem dificultado o processo de retomada desses estabelecimentos e criado dificuldades para que eles continuem funcionando”, explica o superintendente do Sebrae, Paulo do Eirado.

Pesos diferentes

Quando analisados por porte da empresa e setores, a alta dos preços das mercadorias e combustíveis exercem pesos diferentes. Apesar dos dois itens seguirem o mesmo grau de importância entre os microempreendedores individuais (MEI) e as micro e pequenas empresas, o preço dos insumos têm um impacto maior nas MPE (39%) do que entre os MEI (35%), e o preço dos combustíveis pesa mais nos microempreendedores individuais (28%) do que nas micro e pequenas (22%).

A mesma diferença acontece entre homens e mulheres. Para 32% dos homens, os gastos com combustíveis têm maior peso, contra 17% das mulheres. Já entre as empreendedoras, o que mais pressiona são os gastos com insumos e mercadorias: 41% delas indicaram esse quesito, enquanto apenas 34% dos homens escolheram essa mesma opção.

“Os dados são reflexo de muitas atividades que existem mais em determinados portes e perfis, como por exemplo motoristas e entregadores de aplicativos, que são na maioria das vezes microempreendedores individuais, homens e que dependem do combustível para trabalhar. Assim como as indústrias, que geralmente são micro ou pequenas empresas e dependem mais de matéria-prima”, destaca o superintendente do Sebrae.

De acordo com a 12ª edição da pesquisa de Impacto, para 62% das Indústria o custo das mercadorias é o que tem mais peso, seguido pelo Comércio (49%), Agropecuária (47%), Construção Civil (36%) e Serviços (25%). Já quando o assunto é combustível, ele pesa mais nos empreendimentos da Construção Civil (41%), Agronegócio (34%), Serviços (32%), Comércio (18%) e Indústria (14%).

Esse aumento das despesas tem causado problemas no controle das finanças das micro e pequenas empresas sergipanas. O levantamento mostrou que 60% dos empreendedores disseram que ainda tem muita dificuldade para manter o negócio em funcionamento. No estudo realizado em junho esse percentual era de 62%.

Foto assessoria

Por Wellington Amarante

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Simula Enem aplicado presencialmente em todos polos Preuni
Belivaldo mostra o “dever de casa” que fez nas contas do Estado para “Sergipe avançar”
18 anos do Bolsa Família são destacados pelo deputado João Daniel em sessão da Câmara
Com 6ª alta consecutiva, preço da gasolina já está 12% mais caro nas primeiras semanas de outubro