Aracaju, 20 de outubro de 2021

Cor e caráter sempre

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Diógenes Braynerdiogenesbrayner@gmail.com

A cada dia é uma agonia. O modelo eleitoral para o pleito de 2022 tem novidades todos os momentos, que causam preocupações a prováveis candidatos à Câmara e Assembleias, dentro de um formato que seja igual para todos. Até agora o fim das coligações mexe com todas as estruturas partidárias, pela dificuldade imposta para cada partido eleger o primeiro. O quociente é de 140 mil votos por partido para federal e só é eleito por ajuda das sobras, quem conseguir 80% desse total. Nos grandes Estados, isso não é tão impossível, mas nos pequenos, com representação de oito parlamentares, para chegar lá a vaca tem que tossir.

Ontem à noite um novo fato: O Congresso derrubou o veto do presidente Bolsonaro ao projeto de lei que cria as federações partidárias. Os pequenos partidos voltam a vibrar, porque se elas forem promulgadas já poderão valer para as eleições de 2022. Como se monta uma federação? Com a fusão natural de partidos. É a melhor maneira de se enxugar o quadro partidário pelo aspecto positivo, porque há estímulo que incentiva as convergências programática e política soberana de cada organização partidária. Só fará a federação quem decidir nas suas instâncias.

Tem um detalhe que cria vínculos políticos importantes e definitivos para cada mandato: quem integra a federação provavelmente não sai mais. Isso é extremamente importante, porque evita que os inconformados, com o passar do tempo, não possam trocar de federação por qualquer problema ou interesse.

Com validade já prevista para as eleições de 2022, as federações se submetem às mesmas regras impostas a partidos, com programa, estatuto e direção comuns. Diferente das extintas coligações eleitorais, as federações continuam funcionando após as eleições como um só bloco. Agora, com o retorno da formação dessas federações, não se terá problema com o quociente eleitoral e nem com a dificuldade de participação dos partidos pequenos – que deixarão de existir – porque a possibilidade de eleição tem o mesmo tom de quando havia as coligações. Como uma das soluções para a atual legislação é a fusão de partidos, para fortalecer as chapas, as conversas vão girar em torno de um bloco mais coeso, com identidade ideológica e pensamento unânime de um modelo político-administrativo para o Brasil.

Bom, a partir de hoje começa um novo momento para encontros em busca da formação de uma federação que mantenha a mesma cor e caráter sempre.

Muita ansiedade

Membros da base aliada estão comentando o clima aparentemente tenso que passa todos os integrantes. Um deles acha que está “havendo muita ansiedade para a escolha, principalmente do deputado federal Fábio Mitidieri”.

*** Acrescentou que “ele demonstra muita ansiedade para disputar o Governo, mas é preciso calma, tranquilidade e maturidade”.

Prega a unidade

Segundo a mesma fonte, não há risco do prefeito Edvaldo Nogueira romper com a base aliada caso seja escolhido outro candidato, acrescentando que ele “sempre pregou a unidade dentro do grupo”.

*** Acha que é ruim para todo mundo e diz que “Edvaldo Nogueira não está com a mãe na forca. Sua candidatura vem de fora para dentro”, avaliou.

Daniele e Senado

O Podemos estadual agora quer que a delegada Daniele Garcia seja candidata ao Senado Federal. Por Sergipe está definido, resta saber o que diz a direção nacional.

*** A princípio o Podemos gostaria que Daniele disputasse vaga na Câmara Federal, mas com a dificuldade imposta pela legislação é provável que vá mesmo para o Senado.

*** A decisão só sairá em novembro depois de encontro da Direção Nacional, embora já tenha concordância de Brasília.

Formação de chapa

O deputado Capitão Samuel disse, ontem, que os pré-candidatos à Federal trabalham intensamente para formar uma chapa com oito homens e quatro mulheres, dentro da legislação recentemente aprovada.

*** – São oito homens na média de 30 mil votos para fazer dois deputados, talvez três, além das quatro mulheres, disse. Samuel acha o Republicanos um partido forte para abrigar todo mundo.

Vai a Brasília

Capitão Samuel vai a Brasília na próxima semana para conversar com os presidentes do Republicanos, e junto com o deputado Rodrigo Valadares, ter encontro com o presidente do PTB.

Samuel acredita que vai conversar também com o presidente nacional do PSL, a depender de reunião com André Moura, para resolver as coisas em Brasília, em relação aos candidatos a federal e “ver se o grupo que nós montamos elege três parlamentares”.

Grandes surpresas

O bloco, segundo Samuel, vai exigir da nacional que dê igualdade de condições a todos os candidatos – quatro mulheres e oito homens – para que realmente possamos eleger três.

*** – Quanto às mulheres, “nós teremos boas surpresas na política sergipana, em relação aos nomes que vêm compor o grupo dos trinta, teremos grandes surpresas”, disse Samuel.

Fábio sobre encontro

O deputado federal Fábio Henrique (PDT) recusou a informação que estivera na solenidade do Lar Evangélico, em razão de entendimento com Rogério Carvalho.

*** Disse que compareceu porque foi autor da emenda que entregou o micro-ônibus ao Lar Evangélico, “assim como foram outros parlamentares”.

*** – Não havia necessidade para criar esse problema, disse o parlamentar.

Sobre as conversas

Presidente regional do PDT, o deputado Fábio Henrique disse que partido está fechado com Ciro Gomes para presidente, mas não há conversas sobre a disputa ao Governo, com Edvaldo Nogueira expondo pré-candidatura.

*** Diz que o partido terá que se juntar por questão de sobrevivência e formar chapa para eleger parlamentares: “não se pode pensar diferente”.

Um pouco de pressão

A nota de esclarecimento emitida pelo Pastor Virgílio, desmentindo apoio a Rogério Carvalho para o Governo, teve um pouco de pressão dos seus aliados, inclusive de membros do DEM, que estranharam o seu posicionamento.

*** Quanto ao senador Rogério Carvalho, ele foi convidado e compareceu, assim como todos os demais parlamentares e pastores.

*** Rogério passou o final de semana em campanha por cidades do interior, com aliados e conquistando eleitores. Inclusive dançou forró arretado em uma dessa visitas.

Tem um detalhe

Mas tem um detalhe que ficou na dúvida: nos bastidores, a informação que corre é a de que o pastor Virgílio (DEM) tem simpatia pela candidatura de Rogério Carvalho (PT) e deve apoiá-lo.

*** Segundo ainda fontes ligadas ao pastor, ele pode até trocar de partido para ficar mais à vontade e votar com Rogério.

Emília a Federal

A vereadora Emília Corrêa (Patriota) será candidata à deputada federal. Isso está decidido, embora circule informações extra partido de que ela iria a estadual.

*** Houve até quem sugerisse que Emília disputasse o Senado, mas o partido vê mais condições em Emília eleger-se para a Câmara.

Um atraso absurdo

O senador Alessandro Vieira (Cidadania) diz que os 1000 dias de Bolsonaro representam um atraso absurdo em todas as áreas, mas uma em particular exige atenção: *** – Quem se elegeu para “mudar tudo isso aí” se juntou ao PT e ao Centrão para acabar com a Lavajato e atrasar todo o trabalho de combate à corrupção.

Chegam às federações

Essa é do deputado Capitão Samuel, sempre alerta: “O Congresso Nacional é uma vergonha ,ontem tínhamos uma regra para eleição de 2022, agora à noite muda tudo voltou”.

*** As coligações retornam com outro nome: Federação e a manutenção de dezenas de partidos nanicos. O eleitor precisa dar a resposta em 2022.

Derruba veto

O advogado Cézzar Britto informou ontem que o Congresso derrota a insensibilidade do governo plantonista e derruba o veto ao projeto de lei que impedia o despejo durante a pandemia.

*** – Prevaleceu a Constituição, o direito fundamental à moradia e à dignidade da pessoa humana. Outros vetos virão e serão igualmente derrubados… É luta que segue…

Um giro pelas redes

Metrópoles – Sobre a Inflação: “Nada é tão ruim que não possa piorar”, diz Jair Bolsonaro sobre alta no preço da gasolina e na cotação do dólar.

Radar – Aliados do ex-ministro Sergio Moro se animam com pesquisas e apostam em candidatura a presidente.

Renan Calheiros – Quando aceitei a relatoria da CPI, tracei a rota de trabalho e medi ameaças a enfrentar. Isso já era esperado. Sinal de que estamos chegando.

Band Jornalismo – É enganosa a conexão entre distribuição de ivermectina e controle da pandemia em estado da Índia.

Radar – Depois de o PT quebrar os Correios, Dirceu critica privatização da estatal e destaca futuro de lucros bilionários da companhia.

Revista Fórum – Com Covid, esposa de Eduardo Bolsonaro revela que está se tratando com hidroxicloroquina.

Metrópoles – Ministro da Economia criticou quem faz previsões para 2022. “Ano que vem é outro ano e eles vão errar de novo”.

Noblat – Emocionante! Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, chora ao vivo na cerimônia dos mil dias de Bolsonaro. Está em casa com Covid.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Rogério vota pela criação de auxílio para famílias de baixa renda comprarem gás
Aracaju: Secretaria Saúde confirma transmissão comunitária da variante Delta no município
Hospital Primavera celebra Dia do Médico de uma forma diferente
Governo de Sergipe paga o auxílio tecnológico a mais de 5.700 professores