Aracaju, 23 de outubro de 2021

Senadora sugere medidas restritivas ao consumo de álcool e drogas em locais com alta incidência de homicídios

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A senadora Maria do Carmo Alves (DEM) apresentou Projeto de Lei 3327/2021 que inclui entre as diretrizes de elaboração e execução dos planos de segurança pública e defesa social, o planejamento e o estabelecimento de medidas restritivas ao consumo de bebidas alcoólicas em regiões com alta incidência de homicídios. Com isso, altera-se a Lei 13.675/2018 que instituiu o Sistema Único de Segurança Pública (SUSP) com o intuito de disciplinar a organização e o funcionamento dos órgãos responsáveis pela segurança pública.

“Numerosas pesquisas científicas relacionam o consumo de drogas e bebidas alcoólicas à violência, pois essas substâncias são capazes de mexer com as emoções e desestabilizar os indivíduos, tornando-os mais impulsivos e violentos”, justificou. A senadora citou dados de um levantamento, publicado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), a respeito da associação entre o consumo de álcool e drogas com a ocorrência de mortes violentas.

Pelo estudo, verificou-se que cerca de 55% das mortes violentas ocorridas na capital paulista entre 2014 e 2015 estavam associadas a pelo menos o uso de uma dessas substâncias. O estudo é resultado do pós-doutorado do epidemiologista Gabriel Andreuccetti, com a supervisão do professor Heráclito Barbosa de Carvalho, do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP.

Há outros levantamentos que mostram que 86% dos casos de homicídios estão ligados ao consumo de álcool, e cerca de 40% estão associados aos registros de roubo.  Aproximados 60% dos que consumiram entorpecentes praticaram violência doméstica e uma média de 15% respondem pelos casos de abuso infantil. “Também há robustas evidências de que a limitação do consumo de álcool é eficaz no combate à violência”, disse Maria do Carmo.

A senadora citou o exemplo de Diadema (SP) que foi a primeira cidade com o maior número de assassinatos por 100.000 habitantes em 1999. “Um mapeamento da criminalidade local indicou que 65% dos homicídios ocorriam nas imediações ou no interior de bares e por motivos fúteis”, contou.

Ela ressaltou que, por conta disso, em julho de 2002, adotou-se uma política de fechamento de bares às 23 horas que, segundo estimativa, preveniu 273 assassinatos e 216 agressões contra mulheres nos primeiros 24 meses de vigência. “Embu das Artes (SP) e Brasília, também, implantaram horários de fechamento para estabelecimentos que comercializam bebidas alcoólicas e observaram diminuição da criminalidade”, citou Maria do Carmo.

Da assessoria

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia Civil de Estância realiza quatro prisões por tráfico de drogas no município
Aracaju suspende vacinação contra Covid durante o fim de semana 
Empresa ceramista sergipana inicia vendas e retoma fábrica
Terceiro sorteio da mega-semana da sorte pode pagar R$ 26,5 milhões neste sábado (23/10)