Aracaju, 19 de outubro de 2021

Covid: mesmo com vacinação, 62,3% dos gestores pretendem manter o uso obrigatório de máscaras

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Mesmo com toda a população vacinada, 1.348 (62,3%) dos gestores municipais pretendem manter o uso obrigatório de máscaras e apenas 69 (3,2%) Municípios devem flexibilizar o equipamento de proteção individual. Outros 708 (32,7%) ainda decidiram sobre a manutenção da obrigatoriedade. Essas informações estão na 27ª pesquisa da Confederação Nacional de Municípios (CNM) sobre a Covid-19, promovida entre os dias 27 e 30 de setembro com 2.165 prefeituras.

O último levantamento semanal da entidade mostra ainda que, atualmente, o uso de máscaras é obrigatório em lugares coletivos de 2.097 (96,9%) Municípios e em 2.080 (96,1%) nos ambientes públicos. Quase 100% dos 2.108 gestores afirmam manter comunicados a respeito da necessidade e da importância do equipamento, o que representa 97,4% dos Municípios que responderam tal pergunta.

Em relação a punições pelo descumprimento da obrigatoriedade, 826 (38,2%) das prefeituras respondentes afirmam ter instituído penalidades e 1.290 (59,6%) não instituíram infrações para o não uso de máscaras nos locais obrigatórios. A pesquisa, que teve sua primeira edição publicada em março deste ano, aponta um afrouxamento nas medidas restritivas, apenas 884 (40,8%) Municípios afirmam manter regime diferenciado de circulação ou para atividades econômicas.

Casos e óbitos

De acordo com os dados, 1.608 (74,3%) dos Municípios não registraram mortes por Covid-19 nesta semana. Em relação a números de casos, 583 (26,9%) afirmaram ter registrado crescimento de contaminações; 493 (27,4%) dos Entes não registraram nenhum caso da doença; 620 (28,6%) apontam estabilidade. Internações pela doença também já não é mais uma realidade em 1.286 (59,4%) dos Municípios que participaram desta edição da pesquisa.

Campanha de imunização

O avanço da vacinação tem ocorrido nos Municípios e 1.734 (80%) deles vacinam adolescentes sem comorbidades a partir dos 12 anos; 423 (19,5%) vacinam a população entre 18 e 24 anos; e 1.722 (79,5%) das prefeituras já começaram a aplicar a dose de reforço na população idosa. Essa medida, recomendada pelo Ministério da Saúde (MS), ainda não foi iniciada em 418 (19,3%) das localidades que participaram da pesquisa.

Sobre a população vacinada com a primeira dose, a pesquisa identificou que em 39,3% dos Municípios esse percentual é de 90%; em 44,7% a vacina já foi aplicada entre 70% e 90% da população acima de 18 anos; e cerca de 12% a primeira dose foi aplicada entre 50% e 70% das pessoas. Já com a segunda dose, apenas 1% dos Municípios atingiu a marca de 90% de vacinação; 12% vacinaram entre 70% e 90%; 45% aplicaram a segunda dose na população entre 50% e 70%; e 35% aplicaram doses entre 30% e 50% do grupo acima de 18 anos.

A pesquisa também perguntou se havia pessoas que já poderiam ter sido vacinadas, mas optaram pela não imunização, situação identificada por 76,5% dos Municípios. Segundo o levantamento, os Municípios estão realizando diversas ações para a conscientização das pessoas em relação à importância da imunização. Entre essas, 63,7% estão realizando busca ativa, 55,4% campanhas na imprensa local; e somente 1,2% não realizam nenhuma ação.

Falta de imunizantes

Cerca de 18% (382) dos Municípios entrevistados informaram que faltaram doses para seguir com a imunização e em 1.698 (78,4%) não registraram a falta de nenhum imunizante. Dos que afirmaram a falta de vacina, em 183 (47,9%) faltou para a primeira dose. A CNM questionou se em algum momento da vacinação contra a Covid-19 o Município precisou fazer a chamada intercambialidade, que é quando se toma uma primeira dose de uma determinada marca de vacina e a segunda de outra marca. De acordo com a pesquisa, essa prática já ocorreu em 28,6% dos Municípios e 71,4% afirmaram não ter realizado essa troca.

Confira o LEVANTAMENTO COMPLETO: https://bit.ly/3uvY5Ho

REVEJA AS EDIÇÕES ANTERIORES

– Edição 26: https://bit.ly/3AGrVLF

– Edição 25: https://bit.ly/39hUgvM

– Edição 24: https://bit.ly/3BBmb5V

– Edição 23: https://bit.ly/2WyUUSw

– Edição 22: https://bit.ly/2WuwysM

– Edição 21: https://bit.ly/3mhcTaP

– Edição 20: https://bit.ly/3m1BqQQ

– Edição 19: https://bit.ly/3CeN40w

– Edição 18: https://bit.ly/3BwGLFl

– Edição 17: https://bit.ly/3ihOZIx

– Edição 16: https://bit.ly/36Dwbh

– Edição 15: https://bit.ly/3dKC9B8

– Edição 14: https://bit.ly/3dgRSYy

– Edição 13: https://bit.ly/3gH0sAA

– Edição 12: https://bit.ly/3zjJ7WO

– Edição 11: https://bit.ly/2SSwzVM

– Edição 10: https://bit.ly/3utD1Qd

– Edição 09: https://bit.ly/2Rt1yHP

– Edição 08: https://bit.ly/3bJu8v4

– Edição 07: https://bit.ly/3etzxZj

– Edição 06: https://bit.ly/33pgc4Y

– Edição 05: https://bit.ly/3tLTAHz

– Edição 04: https://bit.ly/2Q6oNGE

– Edição 03: https://bit.ly/3tr7630

– Edição 02: https://bit.ly/3do0sFd

– Edição 01: https://bit.ly/3uWHsU

Da Agência CNM de Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Em ato histórico, oposição reúne advogados de todas as gerações para registrar chapa pela mudança da OAB-SE
Para o deputado Gualberto, insistir na CPI da Covid na Alese é “forçamento de barra”
Integrantes do Movimento Polícia Unida serão recebidos pela Mesa de Negociação na quinta
Deputados discutem requerimento da CPI da Covid durante reunião no plenário da Alese