Aracaju, 20 de outubro de 2021

Reforma Eleitoral: especialista fala sobre as mudanças

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A Câmara dos Deputados promulgou nesta terça-feira, 28, uma emenda constitucional para regulamentar uma reforma eleitoral. A emenda, de nº 125-E, de 2011, afetará candidatos e partidos com mudanças que valerão a partir das eleições de 2022.

O professor de Direito Internacional e Constitucional da Universidade Tiradentes (Unit), Nelson Teodomiro, explica o que muda. “A primeira mudança e talvez a mais significativa foi a nova regra de contagem de votos para as mulheres e candidatos negros para a Câmara dos Deputados. As mulheres e os candidatos negros que desejarem concorrer para o cargo de deputado federal terão os votos contados em dobro a partir de 2022 até 2030, para fins de distribuição, entre os partidos políticos, dos recursos do Fundo Eleitoral”, explicou.

Também ocorreram mudanças no que se refere à fidelidade partidária e data de posse do presidente e governadores eleitos. “Outra mudança foi a inserção de novas regras para desfiliação partidária sem que os parlamentares percam o mandato em virtude de troca de partido, desde que com o aval da legenda para qual foram eleitos. A data da posse do presidente e vice foi alterada para 5 de janeiro, enquanto a posse dos governadores foi alterada para 6 de janeiro”, disse o professor.

Para o eleitor, os impactos serão positivos. “O eleitor terá uma representatividade maior tanto de mulheres quanto de afrodescendentes. O objetivo é estimular a participação das minorias, fazendo com que o espaço democrático seja o mais plural possível, com uma representação adequada. Isso vai estimular o engajamento de mulheres e pessoas negras nos quadros políticos da Câmara dos Deputados”, enfatizou Nelson.

Mesmo com todas as mudanças, a sociedade continuará com o papel de fiscalizadora de seus representantes. “Não há qualquer mudança nesse sentido. Além da sociedade, os órgãos de fiscalização continuarão a exercer seu papel normalmente, dentre eles o Ministério Público eleitoral, os próprios partidos e candidatos e os cidadãos”, concluiu o professor Nelson.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Rogério vota pela criação de auxílio para famílias de baixa renda comprarem gás
Aracaju: Secretaria Saúde confirma transmissão comunitária da variante Delta no município
Hospital Primavera celebra Dia do Médico de uma forma diferente
Governo de Sergipe paga o auxílio tecnológico a mais de 5.700 professores