Aracaju, 23 de outubro de 2021

MP instaura inquérito para apurar o vazamento de chaves PIX

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Ministério Público do Estado de Sergipe, por meio das Promotorias de Justiça de Defesa do Consumidor e Especial de São Cristóvão, instaurou procedimento com o objetivo de apurar o vazamento de dados pessoais relacionados às chaves PIX de 395 mil pessoas, que estavam sob a guarda e responsabilidade do Banco do Estado de Sergipe (Banese). Segundo a instituição financeira, o vazamento aconteceu por conta de “falhas pontuais” em seus sistemas.

As pessoas que tiveram seus dados cadastrais obtidos a partir do incidente serão notificadas exclusivamente por meio do aplicativo de sua instituição de relacionamento. “O Banese, enquanto agente de tratamento de dados pessoais, deverá adotar as medidas técnicas e administrativas aptas a proteger os dados pessoais de acessos não autorizados e de situações acidentais ou ilícitas vazamento”, ressaltou o Promotor de Justiça Augusto César Leite de Resende, titular da Promotoria de Justiça Especial de São Cristóvão. “O acontecimento é um grave incidente de confidencialidade, com a potencialidade de gerar riscos e danos relevantes à privacidade dos titulares, devendo o controlador ou o operador reparar eventuais danos patrimonial e moral, individual ou coletivo, em violação à legislação de proteção de dados pessoais”, avaliou.

“Diante da gravidade e repercussão do problema, o Banese já foi notificado para que preste as informações necessárias e terá o prazo de dez dias úteis para resposta com toda a documentação pertinente”, afirmou a Promotora Titular da Defesa do Consumidor, Euza Missano. “A Promotoria de Defesa do Consumidor de Aracaju já havia instaurado procedimento relacionado a denúncia de consumidores que tiveram problemas com descontos de valores por contratos não realizados, o que aponta indícios de inadequações que devem ser analisadas com oferecimento de respostas seguras à população”, finalizou.

Lei Geral de Proteção de Dados

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) é um importante instrumento de proteção destes direitos humanos e fundamentais, em especial a privacidade que, no século XXI, não se resume ao direito de ser deixado só (right to be alone), abarcando ainda o direito da pessoa manter o controle sobre suas informações, o que envolve o direito de conhecer quem e o que está sendo feito com seus dados.

Segundo a lei, as atividades de tratamento de dados pessoais deverão observar os princípios da segurança e da prevenção, segundo os quais os controladores e operadores deverão adotar as medidas técnicas e administrativas aptas a proteger os dados pessoais de acessos não autorizados e de situações acidentais ou ilícitas de destruição, perda, alteração, comunicação ou difusão e para prevenir a ocorrência de danos em virtude do tratamento de dados pessoais.

“Os dados pessoais se transformaram, nos dias atuais, em verdadeiras commodities, isto é, passaram a ser um dos principais recursos econômicos dos nossos dias, razão pela qual têm sido utilizados por governos e grandes corporações, com o intuito de aumentar oportunidades e facilidades, mas também são alvos de pessoas maliciosas que usam os dados pessoais para a prática das mais diversas atividades ilícitas, como fraudes”, explica o Promotor Augusto César Leite de Resende.

Fonte: MPSE

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia Civil de Estância realiza quatro prisões por tráfico de drogas no município
Aracaju suspende vacinação contra Covid durante o fim de semana 
Empresa ceramista sergipana inicia vendas e retoma fábrica
Terceiro sorteio da mega-semana da sorte pode pagar R$ 26,5 milhões neste sábado (23/10)