Aracaju, 20 de outubro de 2021

Saúde realiza workshop de abertura do ciclo II do PlanificaSus

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Participaram gestores e técnicos da Secretaria de Estado da Saúde e dos municípios que compõem as Regiões de Saúde de Lagarto e Itabaiana, objetos do projeto que, em Sergipe, trabalha a organização da linha de cuidados materno-infantil

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizou na manhã desta sexta-feira, 1º, um workshop de abertura do Ciclo II do PlanificaSus, projeto realizado em parceria com o Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Secretários de Estado da Saúde (Conass) e Hospital Albert Einstein para o organização da Atenção Primária em rede com a Atenção Ambulatorial Especializada. A capacitação foi realizada no auditório do Centro Universitário Estácio de Sergipe.

O workshop envolveu gestores e técnicos da Secretaria de Estado da Saúde e dos municípios que compõem as Regiões de Saúde de Lagarto e Itabaiana, objetos do projeto que, em Sergipe, trabalha a organização da linha de cuidados materno-infantil. Contou também com a presença da assessora técnica do Conass, Maria José Evangelista, e do coordenador nacional do PlanificaSus pelo Hospital Albert Einstein, Marcio Paresque.

O diretor de Atenção Integral à Saúde, João Paulo Brito, destacou a ousadia do Estado de Sergipe em trabalhar a linha materno-infantil, elencando prioritariamente a mortalidade materno-infantil e a qualificação do pré-natal de risco habitual e de alto risco.“Soma-se a essa complexidade toda a dificuldade gerada pela pandemia, de modo que a etapa anterior do PlanificaSUS foi marcada por processos muito difíceis de construção, tendo em vista que os municípios são a peça central do desenvolvimento da Estratégia de Saúde da Família (ESF), por serem os gestores da Atenção Primária e nesse mesmo período estavam enfrentando a pandemia, reorganizando todos os seus processos. Mas, já podemos identificar processos mais interessantes como a mudança no cuidado da gestante de risco habitual e o avanço no cuidado da gestante de alto risco”, disse.

Salientou que neste segundo ciclo uma das prioridades a ser trabalhada é a qualificação dos ambulatórios de especialidades para a linha materno-infantil, tendo como foco a sua organização e regionalização. Adiantou que outra meta para este segundo ciclo é a expansão do projeto para alcançar um número maior de equipes da Atenção Primária e assim abranger todas as duas regiões.

O coordenador nacional do PlanificaSus pelo Hospital Albert Einstein, Marcio Paresque, informou que para esta fase do projeto o objetivo é dar continuidade à implantação da metodologia da planificação da Atenção à Saúde, que se iniciou no Estado em 2019. “Neste segundo ciclo vamos qualificar um pouco mais os processos de trabalho que foram disparados na fase um, mas trazendo novas discussões, como o autocuidado apoiado; o próprio processo de integração entre a Atenção Primária e Especializada, um desafio que a gente considera importante para o processo de compartilhamento do cuidado; a transversalidade da segurança do paciente dentro da planificação; e o cuidado paliativo”, relacionou.

Sobre o cuidado paliativo, Paresque salientou que há leitura no campo da saúde de que esta é uma atribuição específica da Atenção Hospitalar. “E não é. Por isso vamos trazer essa discussão pra dentro da Atenção Primária e da Atenção Ambulatorial Especializada, da mesma forma que vamos trabalhar a integração da Vigilância em Saúde com estes pontos da rede, porque também há uma impressão de que a Vigilância é um processo separado da assistência e isso não é verdade e, como ficou evidenciado na pandemia, é algo que faz parte do cotidiano dos serviços assistenciais de saúde”, atestou.

Segundo o coordenador nacional do PlanificaSus, neste novo ciclo também haverá um olhar para o que se trabalhou na etapa anterior, como o cadastro, importante na pandemia e para os indicadores do Previne Brasil; a organização da sala de vacina; o acesso e a garantia do acesso aos serviços; o processo de gestão do cuidado; da estratificação de risco como um ponto crucial para fazer o cuidado da condição crônica, entre outros processos trabalhados.

A assessora técnica e coordenadora nacional do PlanificaSus pelo Conass, Maria José Evangelista , lembrou que a planificação da Atenção à Saúde é um projeto construído pelo conselho. “Quando andamos pelo Brasil inteiro para fazer a implantação da rede por linha de cuidado vimos a fragilidade da Atenção Primária presente ainda nos vários municípios brasileiros e, por conta disso, desenvolvemos o projeto há mais de 10 anos e desde então vínhamos batalhando para implantá-lo nos Estados que fizessem a adesão”, conta

Mas, segundo ela, o Conass ficou sem perna e buscou a parceria com o Hospital Albert Einstein, através do Proad, que tem a parceria do Ministério da Saúde, Estados, municípios e os seis hospitais de excelência do país. “Implantamos o PlanificaSus que é um instrumento de gestão, organização e capacitação da Atenção Primária e da Atenção Ambulatorial Especializada”, enfatizou.

Foto: Valter Sobrinho/SES

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Simula Enem aplicado presencialmente em todos polos Preuni
Belivaldo mostra o “dever de casa” que fez nas contas do Estado para “Sergipe avançar”
18 anos do Bolsa Família são destacados pelo deputado João Daniel em sessão da Câmara
Com 6ª alta consecutiva, preço da gasolina já está 12% mais caro nas primeiras semanas de outubro