Aracaju, 20 de outubro de 2021

Projeto de Iniciação Científica destaca a mineração em terras indígenas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Com o objetivo de promover uma análise de Direito Comparado com enfoque no direito à consulta prévia, livre e informada dos povos indígenas, a acadêmica do curso de Direito da Universidade Tiradentes do Campus Propriá, Ana Maria Menezes, realiza um projeto de Iniciação Científica (IC) sob orientação do professor do Programa de Pós-graduação em Direitos Humanos da Unit, Fran Espinoza, e do pesquisador Douglas Diniz, mestre em Direitos Humanos pelo PPGD.

O projeto, intitulado Mineração em terras indígenas e o direito à consulta prévia na Bolívia, Brasil e Equador, introduz a metodologia qualitativa com o instrumento comparativo, que por meio da subjetividade viabiliza a busca de um parâmetro dos ordenamentos jurídicos dos três países latino-americanos, em uma análise relativa das condições legislativas, sociais, políticas e econômicas que influenciaram e determinaram o normativo adotado em cada um dos países.

“A atividade mineradora vem crescendo de forma exponencial no mundo, tendo ações muito abrangentes, importantes. Porém, quanto à questão ambiental, causa por vezes agressões e danos irreparáveis ao ecossistema”, declara Ana Maria Menezes.

“Em decorrência do excesso de liberações para explorações de recursos minerais em território dos povos originários, constata-se a existência de conflitos entre aborígenes e empresas mineradoras nos três países analisados. Os territórios indígenas são as áreas mais almejadas para exploração mineradora, por serem locais tendentes a imensos recursos naturais invictos”, acrescenta. A pesquisa foi finalizada este ano e segue em ajustes para uma futura submissão à revista de caráter científico.

Desde o início da graduação, Ana Maria Menezes sempre teve vontade de ingressar no campo da pesquisa. “Vi na iniciação científica uma oportunidade ímpar de desenvolver meu senso crítico, profissional e ético, assim como aumentar a evidenciação científica e favorecer, por meio das pesquisas, o que de melhor a prática jurídica pudesse oferecer”, comenta.

“A IC, sendo a primeira experiência do aluno com o ambiente científico, foi de suma importância para meus primeiros passos como pesquisadora. A universidade deve ser um ambiente que favoreça o estímulo e incentivo à pesquisa. Foi dessa maneira que a instituição assumiu em minha carreira um papel muito relevante, pois nunca me faltou o apoio necessário, tanto institucional como também dos professores que fomentaram em mim esse espírito inquieto e transformador e que levaram a me aventurar nessa área do Direito, com a qual tanto me conecto”, complementa.

Além da Iniciação Científica, Ana Maria também teve aprovado e publicado, nos anais do evento da 22ª Semana de Pesquisa e 14ª Semana de extensão, o resumo intitulado Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS): racismo e cotas raciais no Brasil e publicado o artigo Ressocialização no sistema penitenciário brasileiro, juntamente com João Victor Pereira de Oliveira e Julyana Pereira Batista. Ambos projetos sob a orientação do professor Fran Espinoza. Ana Maria também foi agraciada com o 2º Prêmio Carlos Ayres Britto.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Simula Enem aplicado presencialmente em todos polos Preuni
Belivaldo mostra o “dever de casa” que fez nas contas do Estado para “Sergipe avançar”
18 anos do Bolsa Família são destacados pelo deputado João Daniel em sessão da Câmara
Com 6ª alta consecutiva, preço da gasolina já está 12% mais caro nas primeiras semanas de outubro