Aracaju, 23 de outubro de 2021

Dia Mundial da Saúde Mental: SES reforça a necessidade de falar sobre o assunto

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

“Nesta data busca-se chamar atenção da sociedade para levar informações e o debate sobre o assunto. Assim como chamar atenção para nossa saúde mental, pois ‘sem saúde mental, não há saúde’”, é o que assevera a Referência Técnica da Saúde Mental na Atenção Primária à Saúde (DAPS) da Secretaria do Estado da Saúde (SES), Carlos Galberto, no Dia Mundial da Saúde Mental, 10 de outubro.

Em 1992, a data foi estabelecida pela Federação Mundial de Saúde Mental (World Federation for Mental Health), com o intuito de chamar a atenção pública para a questão, e identificá-la como uma causa comum a toda a sociedade, assim como, sobre a relevância de como identificar alguém que precisa de ajuda e tratamento.

“A data também pode ser utilizada para discutir as políticas públicas na área da saúde mental e da atenção psicossocial, para identificar, diagnosticar, prevenir e ofertar tratamento em saúde mental que têm sido aumentados em nossa sociedade”, enfatiza a referência técnica.

O profissional chama atenção para a importância da conscientização que pode ser feita de várias formas. “Os municípios também estão planejando e irão realizar ações de prevenção e divulgação da saúde mental. Esse papel de conscientização deve ser feito pelas Secretarias de Saúde, nos Conselhos de Saúde, nos espaços de gestão, pelos trabalhadores e a sociedade como um todo”, diz.

É importante lembrar que os cuidados com a saúde mental não devem ser adotados apenas quando estamos nos sentindo deprimidos, estressados ou ansiosos. Eles devem ser constantes e tão valorizados quanto os tomados com a saúde física.

Carlos explica que as cobranças do estilo de vida moderno são intensas, “mas é preciso resistir à tentação de fazer tudo com perfeição”. Ele ainda salienta que nem tudo que é publicado nas redes sociais é a vida real, “você pode fazer o que é possível dentro da sua realidade de vida. Portanto, respeite os seus próprios limites e não se compare. Melhore a gestão do seu tempo e não tenha medo de pedir ajuda quando sentir-se angustiado”.

Rede de Atenção Psicossocial (RAPS)

Em Sergipe, a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), que integra o Sistema Único de Saúde (SUS), oferece serviços para quem necessita de orientações e tratamento quando apresentarem sofrimento psíquico, transtornos mentais ou estiver em uso abusivo de álcool e outras drogas.

Carlos Galberto salienta que a RAPS atua por meio de ações de promoção e prevenção no campo da Saúde Mental, realizadas na Unidade Básica de Saúde (UBS), no Núcleo de Apoio à Saúde da Família e no Consultório na Rua. “Na Rede Especializada podem-se acessar os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), os ambulatórios de referência em saúde mental. Já em caso de crise aguda e urgências pode-se acionar o SAMU 192, a Sala de Estabilização, as UPA 24 horas, portas hospitalares de atenção à urgência/pronto socorro e a Urgência de Saúde Mental do Hospital São José”, diz.

Caso você esteja necessitando de orientações e atendimento em saúde mental poderá procurar os serviços da RAPS:

  • Unidades Básicas de Saúde (UBS);
  • Centros de Atenção Psicossocial (CAPS);
  • Consultório na Rua;
  • Urgência em Hospital Geral;
  • Ambulatório de Referência em Saúde Mental;
  • Urgência de Saúde Mental do Hospital São José.

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Polícia Civil de Estância realiza quatro prisões por tráfico de drogas no município
Aracaju suspende vacinação contra Covid durante o fim de semana 
Empresa ceramista sergipana inicia vendas e retoma fábrica
Terceiro sorteio da mega-semana da sorte pode pagar R$ 26,5 milhões neste sábado (23/10)