Aracaju, 3 de dezembro de 2021

Dia do Médico: Novos desafios da categoria após a pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Richard Cabral, médico e coordenador dos cursos de Medicina da Universidade Tiradentes, relata os esforços e as inovações dentro do campo médico

Passado um pouco mais de um ano desde que a pandemia impôs diversas dificuldades, um dos setores que mais precisou se reinventar na hora do exercício da profissão  foi o da saúde, em especial os médicos. Em comemoração ao dia do Médico neste 18 de outubro, o Coordenador dos Cursos de Medicina da Universidade Tiradentes, o médico Richard Halti Cabral, relata como a categoria precisou enfrentar os desafios da pandemia com a preparação de profissionais mais capacitados que precisaram se desdobrar para atender à demanda de pacientes contaminados, ao mesmo tempo em que se esforçava para manter a assistência aos doentes crônicos e agudos, incluindo aqueles em isolamento social.

“A necessidade de reforçar o conhecimento científico foi um dos pontos mais importantes. No começo da pandemia alguns médicos acreditavam em tratamentos que não funcionavam e nós precisamos entender que o médico é um técnico e precisa se basear nessas informações técnicas”, reitera. Richard também destaca a importância do acompanhamento dos dados epidemiológicos fornecidos pelo Governo e a participação dos médicos dentro do Sistema Único de Saúde (SUS) a fim de programar ações que orientem as pessoas e a comunidade no geral.

O médico explica que o coronavírus revelou que o planeta não está preparado para lidar com crises sanitárias de saúde. “Mesmo com questões básicas como lavar as mãos, utilização de máscaras e distanciamento social, algumas pessoas insistem em não cumprir essas recomendações. Também deixou claro a importância da diminuição das agressões ao meio ambiente e o desenvolvimento da Telemedicina”.

As consultas via videoconferência passaram a ser tendência durante a pandemia e Richard destacou que a modalidade deverá perdurar no que diz respeito a consultas de retorno e formação de segundas opiniões. “As videoconferências já existiam mas não conseguíamos sair da zona de conforto e da nossa rotina para utilizá-las. Atualmente, tivemos que nos abrir para essa nova modalidade e isso acendeu uma luz para a necessidade da proteção de dados dos nossos pacientes”, relata o coordenador.

Para Richard, o maior desafio durante esse período foi cuidar dos pacientes sem saber direito o que estava acontecendo e qual era o melhor cuidado em relação a Covid-19, além disso, o medo da contaminação também foi um fator de peso. “A medicina é uma profissão muito bonita, pois, nós conseguimos ajudar as pessoas em momentos muito delicados. Mas a medicina sozinha não é efetiva. Temos  diversos outros profissionais junto de nós que fazem também sempre o melhor para o paciente. Contando sempre com as diversas especialidades, nós só vamos entregar o melhor para o paciente, trabalhando de forma coletiva e multiprofissional”.

Assessoria de Imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Linda Brasil aprova em primeira discussão projeto que exige de intérprete de Libras
Dra. Paula Saab recebe Moção de Aplausos da Câmara Municipal de Aracaju
Alessandro Vieira trabalhou de forma intensa para melhorias na PEC dos Precatórios
TRE-SE cassa mandato do deputado federal Valdevan Noventa em votação unânime, mas cabe recurso junto aoTSE