Aracaju, 5 de dezembro de 2021

Dia do Médico ressalta história de amor à profissão e dedicação aos pacientes

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

A profissão médica é uma das mais valorizadas simbolicamente em nossa sociedade, na pandemia que atravessa a humanidade nos últimos anos, o reconhecimento à esse ofício foi impulsionado ainda mais devido aos impactos da Covid-19. Neste dia 18 de outubro em que se comemora o Dia do Médico, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) homenageia a todos os profissionais da medicina a partir da história do médico José Edvaldo dos Santos que atua no Samu 192 de Sergipe.

“A minha opção pela Medicina veio de muito antes da Faculdade. Desde adolescente, eu ficava fascinado quando observava a atuação de profissionais de saúde. Quando iniciei o curso pude perceber o quanto a medicina de Emergência era importante para a vida das pessoas . Lidar com os desafios impostos pela doença, mas também ser desafiado pela adversidade em atender um paciente que acabamos de conhecer, investigar diagnósticos, estabelecer prioridades , definir condutas . Condutas estas, que separam a luta entre a vida e a morte”, relata Edvaldo com a certeza de que escolheu a medicina por vocação.

São vinte e cinco anos de atuação profissional na área vermelha da principal unidade de Saúde do estado, o Hospital de Urgência de Sergipe Governador João Alves Filho, o Huse, e quase duas décadas de trabalho no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, Samu192. “Quando conheci o atendimento pré-hospitalar, entendi a importância de atender inicialmente com qualidade, pois, a evolução intra-hospitalar tende a ser exitosa quando os cuidados iniciais são adequados”, expressa o profissional.

Em José Edvaldo fica a certeza de ter contribuído com a vida de muitas pessoas como médico mas também como formador. “Entendo que fiz a diferença na vida de tantos pacientes e seus familiares e, apesar do tempo, sigo motivado sempre na busca de novos desafios, de ensinamentos e na transmissão do conhecimento para as novas gerações. Sigo ensinando aos novos médicos, ajudando a formar profissionais mais comprometidos e que façam uma medicina focada no paciente, na cura de seus males e quando não for possível , no alívio de seus sofrimentos”, compartilha a sensação de ser uma referência para outros futuros médicos.

No Samu192, a sala de trabalho como emergencista é a ambulância de suporte avançado de vida. “No Samu eu sempre trabalhei na intervenção. Minha função é avaliar o paciente na cena em que ocorreu o agravo, definir diagnóstico e conduta iniciais e realizar a estabilização clínica tendo em vista o transporte do paciente ao Hospital que vai recebê-lo”, relata Edvaldo com orgulho pelos anos de atuação no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência.

O médico entende que a sua função frente a uma situação de emergência requer não somente habilidades técnicas, mas um olhar atento para cada especificidade de atendimento. “O processo de estabilização deve ser criterioso e preciso, pois, dele depende toda a continuidade do tratamento, interferindo, inclusive, no sucesso do tratamento hospitalar. Nós do Samu atendemos emergências clínicas graves, tais como infarto e AVC, mas também os traumas que vão desde os ferimentos por arma branca ou de fogo até os acidentes de trânsito envolvendo múltiplas vítimas. São cenários sempre muito desafiadores em que além das adversidades inerentes ao fato de atender o paciente fora do ambiente hospitalar, há também a necessidade de lidar com um paciente portador de alterações em vários órgãos ou sistemas, o que põe a vida em risco”, expõe.

Por todos esses desafios, a Secretaria de Estado da Saúde, a partir da realidade do médico José Edvaldo dos Santos, que também representa o cotidiano de muitos outros profissionais da medicina, reafirma a admiração pelo trabalho que desenvolvem na Rede Estadual de Saúde. A SES compreende que por detrás da beleza da profissão existem rotinas de muito esforço físico e mental, de lutas, escolhas, abdicações, por isso, parabeniza aqueles que escolheram esse ofício árduo, porém, essencial para a humanidade e deseja que a resiliência continue sendo uma das principais característica que possuem.

Fonte e foto SES

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Assédio é principal violência a meninas em ambiente virtual
Entenda as novas regras da Tarifa Social de Energia Elétrica
Simão Dias receberá Centro de Especialidades Médicas e Base do Samu  
Espetáculo circense é uma das atrações do Natal Iluminado