Aracaju, 3 de dezembro de 2021

Aracaju: Secretaria Saúde confirma transmissão comunitária da variante Delta no município

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Com a confirmação da transmissão comunitária da variante Delta na capital sergipana, a Prefeitura de Aracaju reforça o alerta à população sobre a necessidade de manter os cuidados de biossegurança para evitar o contágio pelo coronavírus.

A transmissão comunitária é aquela em que não é possível rastrear a origem da infecção e indica que o vírus está circulando entre a população. De acordo com a infectologista da SMS, médica Fabrízia Tavares, a identificação da Delta ocorre via sequenciamento genético, e o enfrentamento à nova mutação se dá com a manutenção dos protocolos de segurança sanitária e com a imunização da população.

“Estamos vivendo uma fase da pandemia crucial e estratégica, em que o andamento da campanha de vacinação está tendo uma celeridade importante, mas, em contrapartida, estamos nos deparando com a transmissão comunitária da variante Delta, também conhecida como variante indiana, cuja transmissibilidade é três a quatro vezes maior que a cepa original. Lembrando que o risco de uma variante altamente infectante, apesar da baixa letalidade observada, é a capacidade de causar muitos adoecidos de uma só vez, com maior busca dos serviços de saúde”, explica.

Apesar da Delta está circulando com transmissão local, não necessariamente o cenário da pandemia tende a piorar no município. Por enquanto, os índices epidemiológicos relativos à covid-19 continuam em queda, como tem sido a tendência dos últimos meses.

“Na minha avaliação, se você já tem essa variante circulando e mesmo assim a gente teve uma grande redução na transmissibilidade, o que tem mostrado  na prática é que a vacina tem combatido também essa variante. Mesmo com a identificação da Delta na nossa população, a taxa de transmissão continua caindo”, enfatiza.

Vacinação

A médica infectologista lembra que a vacinação tem demonstrado uma redução significativa de novas infecções, internamentos e mortes pela covid-19. Contudo, a população que ainda não se vacinou deve buscar o imunizante nos postos de vacinação para evitar complicações pela doença, isso porque existe uma preocupação, por parte das autoridades sanitárias, em relação à proliferação da variante Delta.

“A vacinação, com seu esquema completado, confere, sim, como já temos evidenciado em estudos robustos em diversos países, a efetividade nas reduções significativas dos internamentos e dos óbitos por covid-19. A questão primordial é que entendamos que quanto maior a cobertura vacinal, ou seja, quanto mais pessoas com seus esquemas completados das vacinas, menor é a circulação do vírus entre nós, minimizando a chance do aparecimento de novas variantes de interesse”, destaca.

Dados

Nesse sentido, a imunização é a medida farmacológica de maior eficácia disponível no mercado em todo o mundo para proteger as pessoas das complicações. Até o momento, Aracaju tem 509.336 pessoas vacinadas contra a covid-19, das quais 359.269 já estão com o esquema vacinal completo, o que corresponde a mais de 69%.

Contudo, uma parcela da população ainda não foi vacinada, o que é preocupante. Por este motivo, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) segue orientando a população sobre a necessidade de se imunizar contra o vírus e estimulando o público que, por algum motivo, deixou de tomar o imunizante, a ir se vacinar.

Primeiro caso da Delta

Dia 14 de setembro, a SMS recebeu confirmação do primeiro caso de variante Delta do coronavírus. O sequenciamento genômico da amostra de RT-PCR coletado em 31 de julho, em um hospital particular, foi realizado pelo laboratório da Fiocruz. Trata-se de uma mulher de 40 anos que teve contato com dois adolescentes que estiveram no Rio de Janeiro.

A Secretaria foi notificada por um hospital particular no dia 31 de julho e enviou, nesse mesmo dia, equipe da Unidade de Resposta Rápida na residência da paciente para avaliar comunicantes e levar declaração de isolamento domiciliar. No dia 2 de agosto, foi realizada a coleta dos comunicantes.

Medidas de biossegurança

Fabrízia destaca que o país vive uma fase importante no tocante ao avanço da vacinação, contudo, ainda é preciso tomar cuidado e não relaxar com as medidas de biossegurança, em virtude da variante Delta.

“A vigilância e a manutenção das medidas de precaução por parte de todos devem ser ainda rotineiras. As pessoas têm que entender que a vacina, assim como aquelas feitas para outras doenças infectocontagiosas já erradicadas no país, são o maior e melhor instrumento. Apesar dos resultados conquistados com o avanço da vacinação, a pandemia ainda não acabou, e isso reforça o comprometimento coletivo mesmo completando o ciclo vacinal. Não podemos abandonar os cuidados preventivos de biossegurança, como o uso da máscara, a utilização do álcool em gel e o distanciamento social. Vacinem-se. Protejam a si mesmos e a quem vocês amam”, orienta.

Foto: Marcelle Cristinne

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Leia também

Linda Brasil aprova em primeira discussão projeto que exige de intérprete de Libras
Dra. Paula Saab recebe Moção de Aplausos da Câmara Municipal de Aracaju
Alessandro Vieira trabalhou de forma intensa para melhorias na PEC dos Precatórios
TRE-SE cassa mandato do deputado federal Valdevan Noventa em votação unânime, mas cabe recurso junto aoTSE